Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Desaparecidos

     Por explicações que eu não domino, uns fatos bem estranhos começaram a fazer parte do dia a dia desses seres. Mais estranho do que nosso cotidiano cheio de falsos indivíduos.Esses mesmos seres começaram a desaparecer. Às vezes dormindo. Às vezes correndo. Às vezes juntando pensamentos inúteis. Não tão raro comendo a última refeição.
     As autoridades não sabiam quais ações seriam as mais adequadas. No início as mortes ( assim estão chamando, porque não verão mais tais pessoas ) geraram um pânico latente. Passados dias, o pânico foi domesticado com álcool. Passados alguns dias, pânico só estava nas páginas dos dicionários da rede. Passadas algumas horas, pânico é apenas um substantivo.
     Os seres começaram a comprar, dançar e dirigir palavras mais amáveis aos astros. As calçadas ficaram tomadas desses seres. A bolsa de valores começou a reagir. Mas as pessoas continuavam em seus contínuos desaparecimentos.
     Era um tanto esquizofrênico ir trabalhar e não saber da possibilidade de agendar coisas sem importância após o expediente.
     Li, ouvi e me submergi em várias teorias. Ter mais filhos. Se congelar. Continuar o incontinuável. Às vezes gritavam e sumiam.
     No futebol, o número de reservas aumentou. Num jogo qualquer o goleiro poderia sumir. As regras foram ajustadas.
     Nos casamentos, tornou-se salutar ter mais noivos ou noivas.
     A taxa de natalidade aumentou.
     Os tempos de estudo diminuíram. A entrada no mercado de trabalho é mais precoce, assim como tudo: da filosofia à astrologia.
     Resolvi ir para um sítio. Isolado. Desapareci. Estudei muito tempo para tornar minha propriedade autossustentável. Estou caminhando com tranquilidade , fuga da cidade, encontro com a paz. Um tanto cafona, no entanto todo conto pode ter uma frase cafona.
     Não preceberam meu desaparecimento.
     Família ausente.
     Amigos em outra dimensão.
     Apenas meu contexto existencial e minha certeza de que eu faço falta a mim mesmo.
     Após três anos de vida afastada, fui à cidade comprar utensílios.
     Os desaparecimentos cessaram. Mas as pessoas não sabiam o que fazer com essa nova sociedade normal. Talvez a normalidade seja o que mais apavore esses seres.
    Mas creio que alguém que desapareça numa crise de desaparecimentos, não deva ser levado tão a sério. E diante de tais acontecimentos, faz-se ímpar meu retorno ao lar.
     Um lar em que os desaparecidos apareceram novamente.
     
Fabio Garcia
Enviado por Fabio Garcia em 01/08/2020
Reeditado em 01/08/2020
Código do texto: T7023238
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Fabio Garcia
Cajati - São Paulo - Brasil
23 textos (897 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/08/20 09:52)
Fabio Garcia