Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Caixas de lembranças

André estava no porão da casa que morava, retirando as coisas que acreditava não precisar mais. De repente, aquele cômodo entulhado de caixas e de badulaques não mais lhe satisfazia, ao contrário, dava à casa o aspecto de mal cuidada, de um dono relapso na manutenção.
Não era assim: habilidoso no trato com as ferramentas, madeiras e outros itens, esmerava-se para sempre estar satisfeito com sua habitação, as coisas na mais perfeita ordem, em prateleiras, estantes e armários, muitos de sua própria confecção.
Quanta coisa estava ali! Brinquedos não usados de seu sobrinho agora adolescente, móveis que jamais utilizaria novamente, livros que resgataria alguns e caixas, muitas caixas, de seus guardados pessoais.
Para os brinquedos, a destinação seria uma casa de caridade; para os livros, a biblioteca pública depois de consultado os amigos e para as coisas pessoais... bem, para as coisas pessoais costumava utilizar-se do fogo, transformar tudo em cinza, em "desmemória", como costumava brincar.
No entanto, era necessária uma seleção criteriosa e feita sem a menor pressa já que algumas coisas remontavam à algumas décadas. Tinha consciência (ao menos supunha) da absoluta necessidade de guardar as coisas que consistiriam em sua própria memória: fotos, cadernos, textos, tentativas belas ou risíveis de expressão.
Pegou o estilete e abriu a primeira caixa na qual estava anotada da data "1980". Sabia o que dali emergiria, perfeitamente. Tudo gritaria o nome Adriana, sua primeira paixão. Como riu quando leu os textos que rabiscava nos cadernos! A passagem do tempo, das convicções, do sentimentos e principalmente das pessoas, deixa sempre uma marca indelével.
Lera , num livro de Anaïs Nin, que a personagem sentia-se como uma árvore cujo tronco tinha dezenas de anéis. Em um contexto diferente, era assim que sentia-se. Pôs-se a selecionar os textos, jogar fora algumas apostilas antigas e que não havia sentido manter.
Em seguida, outra, que o remetia a sete anos depois, morando longe da sua cidade de origem e que continha nomes que ainda faziam parte de sua vida, outros que jamais veria novamente e um nome que representou a ausência definitiva. Olhou os poemas, a letra, sentia novamente a materialidade da doce poetisa caída. Chorou. De repente percebeu que não lidava bem com as crises e separações, o que dizer da definitiva. Mesmo assim, guardou tudo de volta, exceto alguns papéis que não considerava dignos de serem mantidos.
Mais uma data: 1996. Em um primeiro momento, decidira queimar a caixa fechada já que ela o remetia ao passado de casamento que queria esquecer. Esquecer para quê? Porque? Era seu passado, não haveria como negá-lo mas apenas aprender a viver algo diferente.
 Abriu a caixa e a primeira coisa que viu foi seu álbum de casamento. Vasculhou as fotos sem emoção, com um alívio que tudo tenha acabado. Decidiu apenas queimar algumas coisas bobas e deixar muitas ali, como testemunho.
 Sem saber porque sentiu-se leve. Aquilo era parte dele, sua herança íntima. Caixas e caixas que  guardavam o testemunho do que fora.  Decidira mantê-las e acrescentar outras, testemunhas do seu novo tempo.
Saiu do porão, contemplou o jardim como havia contemplado o jardim da vida. Colheu um maracujá maduro, como agora colhia os seus frutos íntimos. Adicionado ao açúcar benéfico da mansetude, a vida produzia um suco gostoso de ser sorvido. Que assim fosse dali para frente!
André Vieira
Enviado por André Vieira em 26/10/2007
Código do texto: T710532
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
André Vieira
Piracicaba - São Paulo - Brasil, 53 anos
64 textos (8980 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/17 23:12)
André Vieira