Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Heroísmo antropofágico

Chega o dia em que ao herói só é dada uma única saída honrosa: alimentar-se de si mesmo. Tal tarefa não é simples, não apenas pelas óbvias limitações psicanalíticas, mas também porque ao herói é concedido o benefício (?) da dúvida. Ele não sabe se é melhor perecer com a naturalidade de um homem ou tornar-se fagócito de si, alquebrando-se em centenas de partes e, dor das dores, sentir o gosto de cada uma delas para então tornar a nascer.

A dúvida, esta varejeira azul que sobrevoa com especial prazer as feridas mais sujas, atormenta o herói à beira do abismo e traz consigo uma necessidade quase animal de compreender o porquê de estar ali e de ter apenas uma única saída (desde que opte por defender sua condição).

Se por misericórdia os deuses acudirem, o herói então entenderá que nada é mais epifânico do que vivenciar este paradoxo final: perecer alimentando-se de si para depois regurgitar-se. Dar-se de comer as entranhas, os membros, as poderosas mãos, a cabeça de pedra maciça. Comer as lembranças. E vomitar, aliviado.
Marpessa
Enviado por Marpessa em 31/10/2007
Código do texto: T718277

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Marpessa
Santo André - São Paulo - Brasil
11 textos (383 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/17 21:20)
Marpessa