Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O CASARÃO DE CERRO LARGO (CAP. I I )

           

             CAPÍTULO II   O  NOIVADO


            Numa dessas tardes de feitura de doces e iguarias, as meninas, uma empregada antiga e outra meninota franzina que aparecera por ali, trazida por um tropeiro, se esmeravam na produção do que seria o grande banquete de Natal.  Aproximando-se o entardecer, foram, aos poucos dando encerramento ao trabalho, recolhendo bacias , colheres, formas, pratos e aquela parafernália que compõe uma cozinha em grande atividade. Dona Fermina chamou Joana discretamente com um movimento de cabeça e lá se foram as duas rumo ao quarto da senhora, não sem o conhecimento de Lucinha, na sua rapinice  farejadora. Esta esgueirou-se  pelas paredes e de um salto enfiou corredor adentro a ponto de ainda ver a porta do quarto se fechando. Girou o corpo para o lado e encostou o ouvido à madeira, conservando-se mais para a direita , precaução quase inútil de quem quer ouvir , mantendo  uma posição  favorável a uma eventual  necessidade de fuga. Ouviu, então , o seguinte diálogo:
              - Queria  saber o que anda acontecendo por aqui... quero dizer, entre tu  e o Martiniano.
              -Mãe , o que  a senhora está dizendo,  falou Joana olhando pra baixo e riscando o chão com o pé,nervosa.
               - Olha aqui, menina, quero a verdade, quero saber se já aconteceu o pior, vamos, fala logo!...
               Percebendo que era inútil negar, tentou amenizar fazendo rodeios , muitas reticências, e isso era uma confissão de culpa. Mas por que havia de ser assim, pensava a moça,  afinal por que tudo era tão complicado quando se  lhe apresentava tão simples?   Por que as pessoas pareciam ter o mórbido gosto de se enredar em regras que mais pareciam um emaranhado de cordas a lhes impedirem os movimentos?!
                A sexualidade ficava, assim , como  uma espécie de incômodo que se fazia necessário logo enquadrar, identificar  e  à qual era necessário logo atribuir um selo de valor que a justificasse. E para isso, lá estava a igreja para inventar o matrimônio indissolúvel. Não havia escapatória possível .  E  assim , aproveitando as festas de fim de ano, com muita comida já preparada, celebrou-se o noivado dos dois, para o qual foi convidada a vizinhança e uma madrinha da noiva, alguns antigos conhecidos da família,  donos de terras, além de um irmão de Martiniano que morava na vila e  não era muito afeito ao trabalho. Preferia mesmo era se meter em carreiras de cavalos, jogos de cartas e outras atividades não muito apreciadas pelos cidadãos acomodados e domesticados da região. Isso logo foi motivo de falatórios, em voz baixa, é claro, mal ele surgiu na porta de entrada. Era um rapaz de  boa estrutura, olhos escuros e muito vivos, um certo jeito malicioso que deixou as moças completamente entregues a uma animação mal disfarçada. Os outros rapazes, poucos havia,  ficaram numa indiferença irritada fingindo rir de outros assuntos, alteando um pouco mais as vozes. Ali, sem dúvida, feita uma avalição  estritamente zoológica, estava um representante da melhor qualidade, haja visto a reação dos outros presentes.  Considerando-se, entretanto, tratar-se de um rebanho de humanos com uma carga de milênios de domesticação ,   outros aspectos  seriam valorizados, entre esses, com grande  relevância,  ter  ele meios de manter uma família, ter também uma conduta irrepreensível., e ser enfim um cidadão trabalhador para contribuir com o progresso da nação, dando a ela filhos também ordeiros e trabalhadores e assim por diante.
               Mas Raul era a negação de todo ideal de  homem ensinado  nas cartilhas dessa sociedade mal saída da barbárie. Menos de um século os separavam de carnificinas de uma revolução sangrenta. Afastados geograficamente do centro do país, espremidos contra as fronteiras estrangeiras, havia pouco entravam para uma posição de uma certa serenidade social. Raul era o espírito encarnado do homem livre, do  bicho em estado natural, ignorante de preceitos e ladainhas. Era lindo nessa sua natureza sem amarras. Um perigo para as mulheres, uma ameaça para os pais de família , para os maridos  e noivos.  Tudo que ele possuía era aquela aura de liberdade, uma maneira especial de mover-se, como se tudo existisse para seu desfrute, o caminho era livre para seus passos. Agora ,estava  no meio da sala e brilhava como um diamante..
          Foi em direção a uma pequena mesa onde se serviu de uma cana que virou de um gole, olhou para o meio da sala distraído e apertou os lábios mantendo o copo vazio na mão, por uns instantes. Aproveitou para apreciar as moças que davam risinhos e mexiam-se muito, sem no entanto se fixar em nenhum ponto. Um dos rapazes saiu de uma roda e veio em sua direção. Era Bento Moura, filho de um fazendeiro da região.
           - Buenas, amigo, estás gostando da festa?
           - Muito, está mesmo uma beleza. E meu irmão parece muito animado com sua noiva, tu sabes, sou Raul, irmão de Martiniano!
           -Já sabia, sim, e vim convidá-lo para juntar-se a nós.
           -Faço muito gosto, vou sim.
           Raul sabia muito bem que aquele convite não tinha outra intenção senão a de uma tentativa de medir forças por parte de Bento. Ele era muito senhor de si e não gostara de ver o concorrente. Queria um confronto. Começou perguntanto de que se ocupava Raul estando a morar na vila. Este desconversou dizendo que estava para mudar-se pois tinha arranjado ocupação pros lados de Bagé. Mas o outro insistiu, e comentou sua presença nas mesas de jogo que se formavam numa sala dos fundos do armazém da rua das Quengas. Raul argumentou que era só uma distração passageira, que jogava por pouco dinheiro, e fez menção de encerrar o assunto, dizendo:
            -Mas temos muitas moças bonitas aqui hoje não lhes parece?
            - Sim, respondeu Alberto e todos concordaram. Mas Bento insistiu:
            -Mas todas tem pai zeloso que não entrega a filha pra qualquer um!
            Raul olhou para um lado, fingindo observar qualquer coisa para não ter que dar continuidade e responder à provocação. Mas o outro insistia:
           -E essas moças serão disputadas por bons partidos da região, especialmente as mais bonitas e prendadas, além de contar muito também o que puderem trazer como herança. Sendo assim, não vai ser como aconteceu com seu irmão, que vai se casar com uma moça  como Joana Ribeiro, por ter-se enfiado na casa dela e ludibriado a confiança da viúva sua mãe. Que se o pai fosse vivo isso não teria ocorrido. E a Dona Ferminafoi desrespeitada por um peão que roubou a honra de sua filha. Agora estão casando, que remédio!
          Raul tinha ficado lívido e em seu peito uma onda de revolta surgia fazendo o coração disparar. E em seguida fechou o punho e desferiu tremendo soco que atingiu o maxilar do outro o qual  foi bater em uma mesa e o estouro foi grande. Silêncio total. Bento vai
levantando devagar e tenta correr em diração a Raul. Braços firmes o seguram e impedem de se mexer. Aí Raul dá uma olhada em volta e ruma em direção à porta da rua. Bento se desprende e vai atrás. Entretanto o outro já sumira por um lado qualquer.
           Logo começam a servir o churrasco em longas mesas e tudo foi voltando à calma.
           Raul  seguira em direção ao rio através da mata  e sentara embaixo de uma figueira. Estava ali perdido em pensamentos quando ouve um ruído de folhas pisadas. Percebe que alguém correu e parou ali perto. De repente cai em seu chapéu uma pedrinha e em seguida outra. Levanta e de um salto corre até uma árvore de grosso tronco, a uns três metros. Lucinha tenta correr mas ele a segura pelos cabelos.
           -Parada aí, o que você está fazendo aí escondida?
           -Eu sempre venho aqui, gritou irritada. E você,  fugindo do Bento?
           - Ora, fica quieta guria dos diabos. Tu não devias andar sozinha por estes lugares. És uma menina ainda.
           -Sou menina, mas sei me defender, tenho meu bodoque e sei dar caneladas e socos, viu?
           Raul começou a rir e foi largando a menina. Ela se ajeitou um pouco e andou rumo à estrada fincando os pés no chão.
           A festa foi longe, houve danças e um velho amigo do pai de Joana fez um discurso em homenagem aos noivos. Pareciam ter esquecido o incidente desagradável.
tania orsi vargas
Enviado por tania orsi vargas em 04/11/2007
Reeditado em 14/04/2008
Código do texto: T722592
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
tania orsi vargas
Taquara - Rio Grande do Sul - Brasil
773 textos (51690 leituras)
4 áudios (521 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/17 11:17)
tania orsi vargas