Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Momento de terapia

                                Momento de terapia

          Eram aproximadamente onze horas da manhã e eu estava atrasado para uma reunião no trabalho, mas a reunião não era de trabalho. Não queiram, leitores, saber quem sou ou qual era o motivo da reunião. Nomes e motivos nem sempre são importantes, pois tendem a conduzir os desa-tentos a comparações e julgamentos desnecessários. Acompanhemos, portanto, a história sem preocupação com a lógica narrativa.
          Cheguei mesmo atrasado à reunião e pude perceber que quase todos os presentes moravam na mesma cidade. Pareceu-me, a princípio, tratar-se de uma terapia de grupo. Quem sabe seja bom! Afinal, a vida anda tão agitada, corrida e as pessoas precisam, muitas vezes, de um tempo para falar de si, dos outros, da vida, de tudo um pouco.
Bem, conhecerão vocês, leitores, agora, algumas das histórias relatadas nesse dia. A ordem apresentada não é necessariamente a ordem dos fatos.
          Primeiro vamos aos que falaram da cidade. Querem saber qual cidade? Não importa, pois pode ser qualquer uma e, quem sabe, até mesmo o país. Alguém falou:
          – Quando caminho pelas ruas da cidade, olho em volta e observo que nada muda. Tive então a certeza de que só nós mudamos. Todos os dias e a cada dia somos pessoas diferentes, pois enfrentamos situações diversas e é isso que faz a diferença entre as pessoas.
         É! As diferenças nos tornam iguais.
         Outra pessoa que conhecia bem a cidade emendou:
         – Nesta cidade a gente passa, a gente olha, a gente sente que as pessoas estão cada vez mais distantes umas das outras e percebo que elas precisam ser ouvidas, compreendidas, orientadas e amadas. Infelizmente, a desculpa é sempre a mesma: a medonha falta de tempo. Mas será que não vale a pena rever nossos valores e prioridades e assim tentar descobrir o que realmente é importante?
          Excelente fala! Porém, não existe falta de tempo. O tempo é divino, infinito; portanto, não pode faltar. O que falta é a humildade de querer apenas o que se pode abraçar e não querer vencer antes de competir.
          Na onda do tempo, ou da falta dele, alguém continuou:
– Se o tempo voltasse atrás eu gostaria de poder falar mais, de conversar com minha mãe, sentir o seu perfume, cair em seus braços. Gostaria de viajar com ela, sei lá, viver um tempo bom com a minha mãe.
           Carpe diem! Foi do que me lembrei. A fugacidade do tempo é cruel e inevitável. Aproveitemos o presente.
          Ainda no tempo, alguém se lembrou do passado e de dias felizes:
          – Dias passados não podem ser revividos, contudo, dias felizes  são aqueles em que eu acordo e me lembro dos meus dias de faculdade. Éramos uma turma muito entrosada e fazíamos  das aulas de campo uma grande diversão. Nesses dias eu penso que valeu a pena!
         Lembrei-me do Fernando Pessoa: “Tudo vale a pena / se a alma não é pequena.”
         Foi nesse exato momento que a felicidade se apresentou, dando o seu ar da graça. O próximo depoente assim falou:
         – Eu me sinto completamente feliz quando percebo que meus passos estão no caminho certo e que meu coração está em paz.      Acredito que ser feliz é muito pessoal e a minha felicidade é fazer parte das coisas boas.
         O seguinte nem esperou:
         – A minha felicidade eu gostaria de dividir com pessoas especiais, que convivem ao meu lado neste mundo tenebroso.
         Pior que é verdade! O mundo é de fato tenebroso, todavia, ainda bem que existem pessoas especiais que nos permitem fazer parte das coisas boas e assim suportar e superar os obstáculos deste “mundo tenebroso”.
          Após reflexões tão profundas, os depoimentos rumaram para o cotidiano e para o íntimo dos que ali estavam. Surgiu, então, o cansaço:
         – Quando eu estou cansado e quero sair da rotina, eu busco fazer coisas agradáveis e re-laxantes. Gosto de sair da realidade, de me sentir bem, sem pensar nos problemas. É nessa hora que mergulho nos meus livros de mitologia ou assisto meus seriados. Isso me tira da realidade e me faz bem.
          Alguém foi bem mais direto:
          – Depois de um dia cansativo, eu gosto de chegar em casa, tomar um belo banho, ouvir uma boa música para poder relaxar a mente, o corpo e o coração.
          Meu Deus! Como as coisas simples fazem bem e não recebem a devida atenção.
          Na sequência, uma pessoa bem realista falou:
          – É muito difícil nos dias de hoje, conviver e assistir a tantos atos de imprudência e violência que estão chegando até nós, marcando e machucando a nossa vida.
          Ainda bem que há os que acreditam nos sonhos. Apesar de dura, a vida sem sonhos se-ria, digamos, impraticável. Um sonhador de pé no chão rebateu:
          – O meu maior sonho é que haja pessoas tolerantes, generosas, cheias de amor e paciência. Dessa forma, teremos um futuro menos violento para que Deus possa chegar em todos os corações.
          Junto com Deus veio a paz de forma alegre e espontânea:
           – Quando estou em paz comigo mesmo (e sou uma pessoa de paz) gosto de orar, passear, rir, dormir, comer, namorar e dançar. Calma! Estar em paz nem sempre significa estar em silêncio e imóvel. Eu sou afinal, uma pessoa agitada e em paz.
           No final veio o depoimento com cara de ficção:
           – Quando eu cheguei a esta sala, o detalhe que mais me chamou a atenção foi o silêncio explodindo no ar e as faces das pessoas espantadas por algum motivo que permanecia suspenso neste ambiente misterioso.
           As palavras pareceram um tanto quanto desconexas com as anteriores, mas quem há de negar que o silêncio carrega em si uma força descomunal? Quem há de negar que a vida, onde quer que esteja, é um mistério indecifrável à pequenez da inteligência humana?
           Finalmente, se ainda querem respostas, busquem-nas no recôndito mais escondido de si mesmo.

                                           Cícero Carlos Lopes (org.) – 08-11-2013

(Texto feito a partir de uma dinâmica de escrita realizada durante o ATPC da turma da manhã, sexta-feira, dia 08 de novembro de 2013, da E.E. Professor Olzanetti Gomes. Desta dinâmica, participaram 12 professores presentes no dia. O texto é uma organização das frases criadas por cada um.)

Cícero Carlos Lopes
Enviado por Cícero Carlos Lopes em 10/11/2013
Código do texto: T4565021
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cícero Carlos Lopes
Ferraz de Vasconcelos - São Paulo - Brasil, 43 anos
374 textos (6594 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/19 05:16)
Cícero Carlos Lopes