Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A MORTE MAL ANUNCIADA

O doente agonizava em seu leito, aguardando o chamamento do Além. Depois de uma via sacra pelos hospitais, foi desenganado pelos médicos. Retornou para sua casa apenas para enfrentar a morte em luta renhida e desigual. Nem padre havia para lhe rezar um réquiem, direito pertinente a todo cristão moribundo. Bateram à porta de Pedro Salgado, sacristão oficial e dublê de diácono. Suas preces deveriam ter algum efeito na hora do desencarnado pesar suas ações na balança de São Miguel, tarefa necessária antes de carimbar o passaporte eterno na alfândega de São Pedro. Por via das dúvidas, chamaram também as beatas da Baixa da Lagoa e adjacências a fim de que unissem suas ladainhas à do sacristão.
O suspiro final aconteceu quando as beatas rezavam a Ladainha de Nossa Senhora pela qüinquagésima vez. Notou-se um sorriso de alívio no morto. Seus ouvidos não mais ouviriam vozes tão desafinadas. Deu-se inicio ao funesto ritual que os mortos reservam aos vivos:  avisar aos parentes, coveiro, cartório, funerária e comprar biscoito e cachaça pro velório.
Havia duas funerárias: a de Carlos Nunes e a de Manoel Legal. O morto preferia a do primeiro, porém ganhou a concorrência a Funerária São Manoel, a do Legal, vereador de três legislaturas e que privava da amizade do prefeito.  Tinha tudo pra  botar as despesas na conta da viúva, ou seja, a Prefeitura. A família era numerosa e a gratidão, eterna, viria nas urnas.
Enterro não é fácil e há muito que ser feito.  Cumpridas todas as formalidades legais junto à autoridade, o médico emissor do atestado da causa mortis, sem a qual não há morto legal, parte-se em busca da burocracia cartorial, no presente caso, exercida pela competente e sempre solícita oficial do Cartório de Registro Civil - e que após alguns anos de atividades ininterruptas em dedicação exclusiva às leis notariais e cartoriais, do alto de toda a sua experiência, brincou:
- O falecido está morto mesmo?
Não havia dúvidas de que estava. E Maria da Cruz, locutora da igreja, anunciava a todos, em possantes alto-falantes instalados na torre:
- Nota de falecimento: a família de Filomeno da Baixa da Lagoa cumpre o doloroso dever de anunciar o seu falecimento e comunica a todos que o seu corpo está sendo velado em sua casa, na Baixa da Lagoa, e será enterrado às 17 horas no cemitério local.  A família enlutada, agradece a todos que comparecerem a este ato de piedade cristã.
Ariano, fiel escudeiro da locutora e sineiro oficial, batia os sinos freneticamente, em repiques de luto e que o povo já sabia interpretar os sinais estridentes do ding-ding, dong-dong.  Era a reinvenção do código-morse.
Por volta das duas horas da tarde, o sol a pino, castigando a moleira daqueles que se atreviam a trilhar pelas estradas e ruas, becos e veredas, sem uma providencial cobertura na cabeça, alguém se lembrou de avisar ao coveiro Joaquim Horroroso – alcunha que fazia jus à estética facial - que iriam necessitar dos seus préstimos profissionais.
Joaquim Horroroso cumpria o seu ofício de coveiro com presteza e dedicação. Até então morto nenhum havia reclamado dos seus serviços. Dava garantia: em havendo reclamação do defunto, devolvia o dinheiro da família.
Demarcado o terreno com linhas de pedreiro, meteu a picareta no chão petrificado pelo solstício de verão. Foi interrompido por gritos histéricos de alguém, que pedia para ele parar o trabalho. O morto havia ressurgido das cinzas. Não havia mais morto. E não existindo morto, não há enterro.
- Nun  quero nem saber!  Morto ou vivo ele vai ser enterrado! Já me comprometi com o dinheiro de hoje e não há como voltar atrás não! – vociferou Joaquim Horroroso, fincando a picareta com raiva.
- Não se preocupe não, homem de Deus! Você vai ser pago como se enterro houvesse.
Joaquim Horroroso se acalmou ao ouvir estas doces palavras de consolo. Mágicas até. Descansou a picareta e pediu que o seu interlocutor narrasse aquela história de morto que ressuscitou, sem ser Jesus Cristo:
- Aconteceu o seguinte: Filomeno estava lá, deitado, durinho, bem comportadinho como qualquer morto. A mortalha e o cordão de São Francisco já preparados, as velas demarcando o local onde iria ficar o caixão, a água do café borbulhando no fogão à lenha, os bolinhos de milho sendo distribuídos, a cachaça rolando com fartura, as mulheres rezando o terço, quando alguém, no meio dessa harmonia mortuária, teve a desinfeliz idéia de lavar o defunto. Como o senhor sabe, é tradição naquela família não tomar banho, pelas mais esfarrapadas desculpas. Uma delas é que a água desbota a pele. Imagine! Quando tiraram a roupa do morto, no banheiro, e foram lhe jogar água, o dito cujo arregalou os olhos, deu um sopapo na cuia, chutou o balde d’água e saiu, sala afora, resmungando e soltando impropérios contra a limpeza de pele, causando um verdadeiro deus-nos-acuda, panacéia geral, no povo que estava no velório, com gente se espremendo na porta, na janela, outros ganhando o mato e muitos estão desaparecidos até agora.  
Luiz Eudes
Enviado por Luiz Eudes em 29/08/2007
Código do texto: T628967

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luiz Eudes
Sátiro Dias - Bahia - Brasil
5 textos (279 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/17 16:58)
Luiz Eudes