Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Extrema casualidade

Outro dia não sei porque cargas d’água eu inventei de soprar no ouvido de um amigo durante uma reunião de trabalho que a secretária do chefe era gostosona. Maldita hora; quase desmaiei quando cheguei em casa e minha esposa me recebe com essa manchete.

- Quer dizer que o senhor agora se desmancha em elogios jocosos a secretaria do seu chefe? Pode ir dizendo o que é que ela tem que eu não tenho?

- Pois; fique sabendo que a partir de amanhã estarei entrando numa academia. Farei ginástica todos os dias, inclusive nos fins de semana. E aquela lipoescultura que tanto você me promete e nunca dá, pode ir tirando a mão do bolso porque já marquei consulta com Dr. Ivo Pitanguy. Prepare-se porque você vai ouvir falar muito das minhas pernas, das minhas coxas e do meu tanquinho. Maiô nunca mais, só usarei biquíni tipo cortininha. Serei uma mulher gostosona. E assim não terá mais tempo para se ocupar com a secretária do chefe porque estará tão absorvido com os comentários sobre a gostosura de sua mulher que nem ao menos arranjará tempo para outros assuntos fúteis. Ah! Eu ia esquecendo, além de toda essa produção, farei também botox, drenagem linfática, bronzeamento artificial, darei uma alongada nos fios; seguido de clareamento e escova progressiva. E por último algumas gramas a mais em cada peito; Demi Moore que me aguarde ....

Pausa: Senhores vejam quanta coisa a mulher tem que injetar nela mesmo pra se sentir gostosa e valorizada.

Mas voltando... Fiquei desesperado, tão atônito que não tive nenhuma reação a não ser jogar-me na poltrona da sala e esperar o final dessa enxurrada de palavras e atitudes que a minha “Abelhinha”; que é como a chamo carinhosamente; despejava sobre mim.

Eu sempre fui uma pessoa altamente discreta. Nas reuniões de pauta da empresa onde trabalho mantenho uma postura comedida, sempre muito certinho e muito respeitoso com todos os colegas, principalmente a mulheres que trabalham por lá; que não são poucas. Ninguém nunca teve motivos para zombar, soltar piadinha ou até mesmo fazer fofocas com meu nome. Especialmente neste dia fiquei embaraçado quando avistei a secretaria do chefe ao atravessar o corredor. Numa visão em câmera lenta ela estava extremamente sensual sem se deixar ser vulgar. Tudo estava no lugar. Tudo combinava com ela neste dia. Eu praticamente a capturei com meu olhar, pra não dizer... bom, deixa pra lá.... Porém, ela com toda elegância que faz parte da sua formação não se deixou envolver naquela olhada sacana. Foi bastante discreta e não deixou perceber a ninguém que tinha sido cantada, literalmente cantada com os olhos. E de quem os olhos??.... Isso era o pior da história.

Bom, ao entrar na reunião, sento ao lado de Carlão; que é o cara mais piadista e ao mesmo tempo um desafeto meu dentro da empresa, que eu fazia questão de não deixar transparecer para os meus superiores por uma questão de ética. Mas o cara volta e meia me dava umas indiretas seguidas de tapinha nas costas, pura falsidade. Éramos comissionados além do gordo salário que recebíamos. Mas você sabe, o mundo dos negócios é sempre uma caixinha de surpresa e tem gente muito espeta querendo derrubar o colega. Há meses que vendemos muito, há meses que vendemos suando a camisa. Mas eu em particular sempre mantive um patamar de vendas invejável; porque também a minha clientela era seleta. E o Carlão nunca aceitou isso. Ele queria minha posição dentro da empresa, para isso ele tentaria me desarticular de qualquer maneira. E creio que também gostaria muito de ocupar meu lugar na vida de minha “Abelhinha” também. Nunca soube que ele tivesse nenhum tipo de aproximação com minha família.

Não sei como ele descobriu que minha “Abelhinha” era extremamente ciumenta e nunca iria admitir que eu fizesse qualquer tipo de comentário a respeito de uma outra mulher; ainda mais a secretária do chefe. Nesse dia eu fraquejei. Queria dizer para alguém de toda aquela visão maravilhosa que tinha tido. O instinto de macho falou mais alto e não resisti. Pro primeiro canalha eu derramei toda maravilha que tinha passado diante dos meus olhos naquele dia. Quando percebi já tinha feito o infeliz comentário.

A reunião discorreu normalmente, decidimos a pauta da semana seguinte e assim passou o dia. Absorvi-me tanto com o trabalho que quando olhei para o relógio já não tinha mais ninguém na empresa. Era dia de sexta-feira e o pessoal aproveita para fazer um “happy hour”. Fechei meu Laptop e quando estou saindo percebo que o Carlão ainda estava na sala dele. Fui embora, não estava mais a fim de olhar para cara daquele sujeito, talvez porque imediatamente ao acontecido do comentário eu tenha me arrependido profundamente de tê-lo feito com a pessoa errada.

Minha “Abelhinha” nunca trabalhou na vida. Sempre teve tudo do bom e do melhor. Viajamos constantemente pelo Brasil e ate no exterior. A profissão dela sempre foi ser minha esposa e mãe dos meus filhos. Sempre bem vestida e penteada, nunca me fez passar vergonha da frente dos outros, ela é sempre muito discreta. Só perde as estribeiras quando o assunto é mulher, qualquer mulher; salvo apenas minha santa mãezinha. Ela sempre me avisou que a respeitasse, sempre andasse na linha com ela e a teria cordeirinha pro resto da vida. Mas se houvesse um deslize; por menor que fosse, uma escapadinha qualquer ela não perdoaria.

Separação??? Nunca pediria!!!. Ela não é mulher de viver só, começar uma vida toda de novo!!!. Nosso casamento já  durava 20 anos, tínhamos 02 filhos, um rapaz com 18 anos e moça com 15 anos. Ela não suportaria viver nuna sociedade sustentando um divorcio ou desquite. E o orgulho? Onde fica. Não, a minha “Abelhinha” nunca aceitaria uma condição dessas. Ela ficaria o resto da vida vivendo de aparências, mas não daria o braço a torcer.

E eu amo e respeito muito. Acho até que o respeito é maior, bem maior com certeza.... Seria mais fácil ela fazer uma revolução dentro de casa; entre quatro paredes como a que ela acabara de sugerir. É que por enquanto eu acreditava que era só sugestão tudo aquilo que ela me falara aos berros. Nunca vi minha “Abelhinha tão fora de si como dessa vez. Acho que eu acabara de cometer aquela escapadinha que ela me avisara tempos a traz.

Acho que entrei pelo cano!!!

Só uma boa justificativa, só o Carlão poderia me salvar neste momento. Ah! Carlão que arapuca tinha me enfiado. Eu precisava reverter à situação. Aí no momento pensei rapidamente, tenho que me vitimar, vou encenar um ataque do coração, nunca tive nada no coração durante toda minha vida, mas creio que é chegada a hora de enfarta-lo e foi o que eu fiz. “Abelhinha” não teve tempo nem de concluir a lista de transformações pelas quais ela passaria e caí catatônico no chão da sala. Debatia-me, falava coisas sem nexo, apertava o peito com a mão e apontava para o coração indicando que eu estava tendo um enfarto. Foi a glória!!!!. De vilão eu em poucos segundos passei a vítima. E vi quando “Abelhinha” debruçou sobre mim aos prantos, completamente transtornada de remorsos, gritando, gritando!!!!

Chamem um médico por favor meu Ferreirinha está tendo um enfarto!!!???
Minha culpa, minha grande culpa!!! Oh! meu amor fale comigo, eu vou cuidar de você!!

Jonas, Morgana (são nossos filhos), alguém me acuda???

Entre um suspiro eoutro eu abro os olhos meio sem direção e quase sussurando a faço prometer que não tocará mais no assunto “secretária” para que eu parta em paz, para que eu não morra com essa culpa na consciência. E ela me garante que não deixará que eu morra e colocará a partir daquele momento uma pedra naquele assunto como se jamais ele tivesse vindo à tona. Aliás ela nunca soube de história nenhuma de comentários meus sobre quem quer que fosse. Continuaria a ser a esposa amável e companheira que sempre foi até o fim dos nossos dias.

Varizes, celulites, barrigudinha, ela terá sempre. Nunca teria coragem de entrar numa sala de cirurgia plástica para mudar qualquer coisa no seu corpo. E que vaidade como essa é para mulheres que não tem o que fazer na vida, que não tem o marido fiel que ela tem.

Neste instante ela abriu uma brecha que não se fecharia jamais. A partir desse momento eu instintivamente começava a ser o maior garanhão dos últimos tempos. Em claro que ganhando definitivamente a confiança de minha “Abelhinha” ninguém mais de pegava de calças curtas.

E assim eu fui....

Bendito infarto, sem ele à uma hora dessas estaria desmoralizado, sem família, sem emprego e principalmente sem a secretária gostosona que a chamo agora carinhosamente de “Minha Borboletinha”.

                                                                         
Adolfo Carvalho
Enviado por Adolfo Carvalho em 30/08/2007
Reeditado em 27/09/2007
Código do texto: T630395

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Adolfo Carvalho
Feira de Santana - Bahia - Brasil, 48 anos
9 textos (411 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 12:52)
Adolfo Carvalho