Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Mentira que retrata verdade

                    "Eu estou-me sempre a enganar, como Deus."
                                                             Pablo Picasso

Os raios do sol da manhã de verão refletem-se na fachada do Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia, na capital da Espanha. No espaço público em frente à majestosa arquitetura do final do século XVIII, as pombas gorjeiam ariscas entre as pessoas que cruzam apressadas de lá pra cá.

As três amigas, Helena, Luna e Paloma, chegam à bela Madri para conhecer a história da Arte contemporânea. No saguão do aeroporto, em meio ao burburinho das vozes que se mistura ao som do alto-falante,  elas seguem a multidão que se desloca até a saída do terminal. Helena se dirige ao guarda, que de braços cruzados próximo a porta observa o movimento. Solícito, ele repassa informações com sotaque carregado pelo dialeto.

As três amigas entram no táxi e vão direto para a abertura da Exposição  no Museu Nacional. Explicam ao motorista num fluente espanhol, que estão atrasadas. Ele acelera o carro com toda a potência do motor pelas ruas da cidade. Vinte minutos depois, olham extasiadas para o austero edifício setecentista, que um dia foi hospital, e hoje faz parte do Triângulo de Ouro da Arte de Madri.

Helena está eufórica. Finalmente vai realizar o sonho vivenciado nos livros que leu para a sua tese de doutorado. Ao adentrar ao ambiente, aspira os cheiros amadeirados, de flores, de café e de pimenta que se espalham no ar. Os aromas se misturam, e sob o som da música instrumental, ajudam a entender o significado da arte nascida das paixões humanas e dos sonhos de liberdade.

O acervo do Museu é dividido conforme períodos históricos. A visita começa pelo segundo andar, onde estão as obras da virada do século XIX para XX; lá, as três jovens compreendem os horrores da II Guerra Mundial; depois, vão ao quarto andar para ver o famoso maio de 68 francês (conflitos entre estudantes e autoridades da universidade de Paris). E retornam ao térreo e ao primeiro andar, onde podem observar as marcas das ditaduras latino-americanas, dos movimentos de esquerda e do ativismo artístico da região.

Terminada a visita, elas vão até o último andar da ala moderna, para ver o show arquitetônico ao vivo e a cores. Deparam-se com a vista da cidade super bonita, e a decoração é um arraso.

A exposição de arte evidencia a profunda reflexão sobre a história espanhola. Helena está fascinada diante da estrela de maior grandeza do Museu, a obra Guernica, a mais importante criação de Picasso. Milhares de turistas chegam para conhecer o legado de Pablo Picasso, e de grandes artistas como Salvador Dali, Juan Miró e outros monstros sagrados.

Guernica é como um grande mural, que expressa a dor das vítimas, por ocasião do bombardeamento à cidade espanhola de mesmo nome. O fato aconteceu durante a Guerra Civil Espanhola, em 27 de abril de 1937. A obra simboliza a crítica ao fascismo alemão, onde o autor buscou despertar nas pessoas o repúdio à guerra.

Conta-se que por vontade do artista, a obra permaneceu por muito tempo em Paris.  Picasso pediu que a tela só retornasse à Espanha quando o país fosse novamente uma democracia.

O quadro denuncia sentimentos de aflição, dor, insegurança e sofrimento. As cores em tons cinza, preto e branco remetem à morte, ao horror, à guerra e à destruição. A simbologia no conjunto da obra traz a ideia da luta, da violência, mas ao mesmo tempo o recomeço, a esperança de um povo inocente que se viu massacrado pela ambição.

Na definição de Picasso, "Guernica é a mentira que permite conhecer a verdade."

Neli Trindade
Enviado por Neli Trindade em 12/10/2019
Reeditado em 25/10/2019
Código do texto: T6767722
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Deve citar a autoria da Jornalista Neli Trindade e site Recanto das Letras). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre a autora
Neli Trindade
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
14 textos (570 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/19 13:39)
Neli Trindade