Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A borboleta

Numa tarde de verão, inesperadamente uma borboleta entrou pela casa dentro, deu voltas ás cegas e por fim a luz guiou-a para uma das janelas fechadas. Em vão tentava passar e desesperada debatia-se contra os vidros tentando sair.
Ofereci-lhe a mão como ajuda mantendo-me parada e sem tentar tocar-lhe, mas ela estava demasiado assustada, só via a luz, as flores e as árvores tão próximas e inacessíveis.
Por fim cansada e sem compreender o obstáculo invisível, parou de asas abertas, como se delas viesse a força para transpor o vidro.
Aproximamo-nos e podemos ver como era linda e delicada: - Como sua vida é tão breve! Cada minuto é precioso...
E começamos a temer por ela.
O nosso receio imediato era que ela voltasse para trás voando desesperada e os gatos a apanhassem. O perigo era mesmo o Julião que mantém bem vivo o instinto felino de caçador... Ágil salta, sobe às árvores, apanha os pássaros em pleno vôo. Listrado e de olhar vivo parece arraçado de lince; mas vive em paz com os gatos e o cão da casa e gosta que o chamem pelo nome. (É o meu gato preferido)
A estratégia foi a Andréa levar os gatos para fora da sala, eles seguiram a dona que mal teve tempo de fechar a porta, deixando miados e protestos lá fora.
Enquanto isso, e continuando de máquina fotográfica em punho, eu esperava ansiosa por sua rápida volta e ajuda. E no silêncio da casa sem ousarmos falar, chegamo-nos ainda mais perto. Então muito lentamente Andréa deslizou as mãos, pelo vidro até quase tocar na borboleta e esperou.
E ficou imóvel e paciente aguardando.
E foi assim.
 Como que acordando, a borboleta estremeceu e voou para o aconchego daquelas mãos amigas que lhe pareceram confiáveis. Estendeu as patinhas e parecia que nos olhava de lado.
Mas surgiu novo problema: a janela era pesada, de guilhotina, estava fechada e eu queria tirar fotos e só com uma mão era impossível fazer as duas coisas.
Por troca de sinais e risos, resolvemos ver até onde iria a confiança da borboleta, a nossa calma e habilidade.
Aí trocamos de estratégia e papeis: eu ofereci - lhe a mão que não estava ocupada e, depois de alguma hesitação mas sem pressas a bichinha  lá subiu, enquanto a Andréa abria a janela e tentando animá-la soprava levemente imitando carícias de vento.!
Passaram-se uns minutos... Parecia que a borboleta estava a tomar fôlego para poder voar.
E finalmente a liberdade.
Mas na alegria e comoção de termos conseguído devolve-la à natureza nem nos lembramos de tirar fotos dela a voar em direcção às árvores.
Seguimos-lhe o voo num silêncio cúmplice e feliz. Era linda e batendo as asas coloridas contra o azul do céu ela foi subindo, sumindo...
E agora voltou nesta pequena história...

Guardei as imagens nas gavetas da minha memória e as fotos no meu álbum de fotos “on-line”.

Eugénia Tabosa
Enviado por Eugénia Tabosa em 18/11/2007
Reeditado em 18/11/2007
Código do texto: T742168

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Eugénia Tabosa
São Paulo - São Paulo - Brasil
602 textos (14399 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 20:37)
Eugénia Tabosa

Site do Escritor