Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Visitado pela angústia

Visitado pela angústia


    Naquela tarde de outono, Dr. Silva mais uma vez saia da casa do Sr. Romualdo. É que desde que este último, irmão de sua esposa, sofreu um derrame, quase não sai mais de casa. Logo ele um rico fazendeiro, que viajava muito.
    - Teve aquela vez que viajamos desde o Xingu até os confins da Pantanal, eu posso dizer que fui um aventureiro do mundo – pensativo Dr. Silva caminhava lembrando de suas ultimas frases. Sr. Romualdo gostava de se gabar. Todavia agora, só podia se contentar com a paciência do Dr. Silva que sempre o visitava. A princípio, isto se devia ao pedido de sua esposa, que passasse ao menos duas vezes por semana para dar uma palavrinha com seu irmão, que devido à falta de convívio social, tinha seu quadro piorando. Assim, cotidianamente, após o expediente no escritório de advocacia que trabalhava, toda terça e quinta, impreterivelmente às 16:15, Dr. Silva visitava o cunhado para tomar um cafezinho e jogar conversa fora. Na verdade ambos se completavam, pois Dr. Silva era um sujeito pacato e não muito de falar, já o Sr. Romualdo...esse falava pelos cotovelos.
Essa rotina já havia alcançado quase seis meses, no começo Dr. Silva considerava consigo mesmo uma solidariedade de sua parte, agora já havia se acostumado e até gostava.
    Pois bem, certa tarde, numa destas quintas feiras,
    - Vim visitar o Sr. Romualdo – anunciou-se Dr. Silva ao interfone.
    - Pode entrar - uma voz diferente atendeu do outro lado. Dr. Silva estranhou, pois seu cunhado era viúvo e morava apenas com uma empregada, já anciã, que atuava como enfermeira - Deve ter visita – pensou.
    Entrou como de costume pelo pequeno portão da frente, mas quando alcançou a entrada, uma linda jovem abriu a porta e disse que entrasse. Dr. Silva ficou inebriado pela beleza daquela garota que devia ter seus vinte e três anos. Possuía uma beleza exótica, um rosto juvenil com corpo de mulher madura. Olhos negros profundos que combinavam naturalmente com seus lindos cabelos negros. Uma pele alva e parecia transbordar de energia. Instintivamente Dr. Silva se recuperou do baque e agiu naturalmente, seguindo-a até a sala onde se encontrada o anfitrião.
    - Olá meu nobre amigo, acho que até já posso te chamar de irmão – cumprimentou Sr. Romualdo com seu sorriso farto e continuou seu falatório - Sueli, a antiga empregada estava doente e precisou ser internada na capital...
    - Certo - Dr. Silva concordava com a cabeça e admirava um pouco mais aquela menina que o fitava de igual modo enquanto servia o café. Ao mesmo tempo ficava imaginando como nunca a havia visto, já que moravam numa cidade interiorana onde praticamente “todo mundo conhece todo mundo”.
    Como falava este seu cunhado, como sempre parecia que não se viam a um tempão. Dr. Silva até que gostava daquela verborragia, contudo, desta vez ele não conseguia manter a atenção na conversa, e como que inevitavelmente, seus olhos vagavam a casa buscando saciar-se.
    Ao sair, Claudinha, como disse o Sr. Romualdo, o acompanhou até o portão. A mesma sensação percorria seu corpo, coração batendo forte e o um aperto na garganta. Dr. Silva não conseguia tirar a mão do bolso, escondendo sua aliança.
     Diferente de outras tardes quando ia cansado para sua casa, neste dia sentia um misto de alegria, por ter sido contaminado por algo, e culpa, pois estava envolvido com a mesma sensação de quando se apaixonara pela primeira vez por sua atual esposa.
     Não, não pode ser – argumentava contra si mesmo no caminhar para a casa. Naquele final de semana, Dr. Silva sentiu-se infectado por algo, não conseguia parar de pensar naquela jovem. A terça-feira nunca pareceu tão distante, não via a hora de fazer sua visita. Quando chegou o dia, eram umas 16:10, habitualmente com a precisão de um relógio, Dr. Silva já estava em frente ao portão. Encarou o interfone como nunca havia feito, havia uma enorme dificuldade em apertar aquele pequeno botão. Não resistiu.
    - Vim visitar o Sr. Romualdo, é o Dr. Silva - anunciou sua chegada.
    - Tudo bem pode entrar - e pode ouvir aquela voz que considerava extremamente delicada e humilde. Não resistiu e cumprimentou a garota com um aperto de mão, tinha desejo de apertá-la por inteiro. Seguiu normalmente, mas extasiado atrás dela encarando aquele pequeno pescoço que ficava a mostra pelo cabelo preso. No fundo sentia vontade era de mordê-lo. Quando avistou o Sr. Romualdo sentiu como uma lança no peito, pois apesar do aspecto bem masculino de seu cunhado, o mesmo carregava alguns traços faciais de sua esposa.
    E assim se seguiram às visitas do Dr. Silva, sempre passando por um caminho estreito que espinhava de um lado com lembranças de sua juventude e virilidade, e do outro, o orgulho de 35 anos de um casamento sólido. Durante suas visitações, é claro, o Sr. Romualdo nada desconfiava, conforme cria o Dr. Silva, já que, como sempre agia com todo aquele entusiasmo de suas conversas. Porém a jovem já notava a admiração e respeitosamente começava a retribuir os olhares para Dr. Silva.
    Dr. Silva, após três meses destas, agora revigorantes visitas, também se percebia cada vez mais perturbado. Diversas vezes se pegava com pensamentos malucos: marcar algum encontro às escondidas, fugir com a menina para um outro estado, e às vezes pensava em fazer alguma coisa destas nem que fosse à força. Aquilo simplesmente dominava agora a mente daquele conhecido advogado, que carregava três décadas de serviços honrados naquela pequena cidade.
    - E outra – pensava preocupado – esta menina tem a idade da minha filha mais velha! Ele tinha duas meninas, uma de vinte e três e outra de dezoito.
    Desta forma, Dr. Silva sabia que não conseguiria ficar nesta situação por muito tempo, teria que tomar alguma decisão, e já pensava em parar de freqüentar a casa do cunhado. Contudo, não conseguia. Rotineiramente realizava aquele ritual, que ora parecia macabro e masoquista a si, ora um delicioso narcótico, um deleite à vida.
    - Quem é Claudinha? Perguntou a esposa do Dr. Silva a ele numa certa manhã de sexta-feira. – você falou a noite inteira nela.
    - É a filha de minha cliente, um caso horrível, nem quero falar nisto. Sentiu-se muito mal, seus sonhos já começavam a delatar as intenções de seu coração. E o pior, pareciam estar ganhando vida.
    Na terça-feira que se seguiu Dr. Silva estava decidido, pensava que após aquela visita tomaria alguma decisão. Estava extremamente angustiado. Aquele caminho costumeiro parecia tão diferente, pensava que podia ser a ultima vez que seguia por ali. Nem é preciso dizer que sua mente estava mal-assombrada por diversos pensamentos. Igualmente seu coração batia rápido e forte, parecia um animal pronto a atacar. Pensava estar beirando a loucura.
    Suando frio chegou no portão. Olhava pro lados como um criminoso foragido. Por vezes levava a mão para o botão e depois recuava. Passava a mão no rosto que escorria suor, sentia as mãos úmidas e frias. Fitou o interfone por uns cinco minutos, numa angústia mortal. Pensou em desistir e virou de costa. Quando já tinha dado uns dois passos retornou e rapidamente acionou o tão temido botão.
    - Entre – disse o Sr. Romualdo já sabendo de quem se tratava.
    - Sim – disse Dr. Silva empalidecendo. Terá ele descoberto? Mas não há como. Somente se Claudinha me delatou – e não pensava somente nisto, mas e se sua esposa estivesse ali também? Diria toda a verdade? Pensava que deveria estar disposto a assumir as conseqüências, apesar de parte de si, dizer que na verdade não havia feito absolutamente nada.
    Foi o próprio Sr. Romualdo que o atendeu com o semblante triste. Dr. Silva sabia que alguma coisa havia acontecido. Era o momento.
    - Ela se foi – disse o cunhado, antes mesmo dele perguntar.
    - Por qual motivo? Respondeu Dr. Silva como que já acostumado com a idéia.
    - Sua mãe faleceu, e ela retornou a sua cidade natal para continuar os negócios de costureira que ficaram de herança.
    - Entendo, o senhor gostava muito dela, não?
    - Não muito, na verdade a empregada anterior era muito mais cuidadosa, essa no começo caprichava mais depois de um certo tempo ficou avoada, meio esquecida.
    - Mas então porque motivo o senhor esta tão triste? Aposto que arrumará uma outra melhor.
    - Eu sei disso, o problema é que não perdi somente uma empregada, mas creio que perdi também uma amizade. Dr. Silva fingiu que não entendeu a resposta, acabou de tomar seu cafezinho e foi embora meio aéreo.
    Após esta tarde, as visitas do Dr. Silva ficaram irregulares, ao ponto dele ali passar uma vez a cada duas semanas, além de que eram bem rápidas, e posteriormente ficando mais remotas. Mesmo com o retorno imediato da antiga empregada anciã, Sr. Romualdo faleceu dois meses depois.

Taborda
Enviado por Taborda em 25/11/2007
Reeditado em 08/05/2008
Código do texto: T751986

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Por: yeah-yeah. Disponível em: http://yeahyeahpoesias.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Taborda
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 37 anos
19 textos (1522 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/17 08:41)
Taborda