Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O PIOPARDO (cor)

                                                   (corrigido)


O PIOPARDO.

Nas piscinas de água quente da Pousada, tudo corria morno, dirrepente uma moça grita que lhe beliscaram a coxa, ninguém por perto, não se via nada, o dia estava claro e todo mundo muito feliz.
Três moças conversam com o garçom do bar molhado e falam:
-  Estranho ninguém por perto e o beliscão foi forte...
- Deve ter sido outra do PIOPARDO, diz o garçom.
Era um animal, era uma ave, era uma coisa estranha...
A sua origem veio quando no platô da serra tinha um vulcão, isso faz
il, il não ões, ões de anos, então o senhor das lavas resolveu extinguir aquele vulcão. Na fase de transição num efeito inexplicável das bolhas de larvas em ebulição, surgiu esse espécime raro para habitar o platô. Coberto de penas, pernas pequenas RAJADAS COMO LEOPARDO e BICO de papagaio, mas com uma deformação anatômica, com três olhos. O olho do meio era o olho da consciência.
Para a maioria dor mortais, agora também já existentes, POIS A ORIGEM DELES é muito anterior o da raça humana, ele tem a característica de sempre ser invisível, mas quando quer dependendo da situação, aparece...
Bem as três moças numa paquera danada com o garçom, uma delas lhe pergunta:
- Você conhece algum fato estranho por aqui, ou alguma pessoa?
- Sim conheço, são três sócios que sempre estão por aqui. "Barulham" tudo, mechem com as moças, bebem muito, mas respeitam as piscinas. Nunca “mijam” nelas.
- Uai, mas porque ?
- É pela amizade que eles tem com um PIOPARDO.
Três velhinhos que de soslaio ouviam a conversa, encabularam do xixi com o PIOPARDO, conversa daqui, conversa dali, ficaram sabendo que ele eram vistos no platô da serra, perto do vulcão, mas o velhinho mais sabido diz:
- Tem vulcão não, eu já voei pelo platô e não vi nenhuma cratera.
Bem não existe cratera, mas que os PIOPARDOS vivem por lá, isso é verdade e descem para as piscinas só quando sentem vontade de "barulhar". Não alimentam de nada a não ser comida fluídica emanada de freqüentadores, uns gostam de sanduba, outros de whisky, cerveja redonda, etc e tal. Esse hábito mudou desde da extinção dos POPETES. Durante algum tempo alimentavam daquelas bolinhas sem graça, mas gosto é gosto e não vou discutir gosto de PIOPARDO.
Voltando ao papo das moças com o garçom ele continua:
- São três jovens legais. Um é “altão” e branco, outro é de pele mais queimada, altura mediana, cabelo raspado e quando deixa crescer é encaracolado, bebe um Wisky adoidado, e ainda tem um menor, magro e mudo, mas quando precisa fala, digo “barulha”. O TIZIL, que é o PIOPARDO mais velho gosta muito deles. Ao estarem bêbados alimenta todos os PIOS. Sempre são intuídos de onde achar traquinices, dinheiro fácil e mulher as pampas. “Barulham-nas” tanto que não é raro arrumá-las às pencas. O Lacaio é o nome de um dos jovens é o mais mulherengo, não perde una viagem.
- Uê, mas PIOPARDO gosta disso também?...
- Gostam mais são hermafroditas, eles se reproduzem assistindo o prazer dos outros.
- Como assim ?
- Assistindo Uai. Esses dias mesmos, é maneira de falar, de madrugada, duas sócias de Goiânia se engrassaram com um professor da equipe Boto, a tranza foi filmado, uma suruba completa, o professor demitido e o bando de PIOPARDO duplicou.
- Como fazem para descer do platô ?
- Pelo pensamento do humano é o meio de transporte mais rápido, pensou, chegou.O PIOPARDO não pensa ele vive ligadp aos estintos dos humanos. Nem o som, nem a luz são mais rápidos do que o pensamento. Eles chegam encostão nas pessoas e vão sugando-as, apossando de seus fluídos, beliscando e alimentando, bebendo e reproduzindo, sem precisar de passar a carteirinha para pagar, para eles tudo é de graça...a sua existência individual e efêmera,,,Os bares molhados é onde são mais atraídos,
 Os três velhinhos que foram tomar banho no posso do Governador, estavam de novo ouvindo a conversa. Ocorreu-lhes uma grande idéia, principalmente a parte final, tudo de graça. Com um desses vamos ficar livres dos preços altos das coisas de comer daqui.
- Vamos capturar um PIOPARDO.
Mas como ? Todos eles já fizeram xixi nas piscinas, agora mesmo lá no poço do Governador. Se ele fazia porque os velhinhos não ?...
- Bem o mais esperto teve uma grande idéia, um concurso para ver quem nunca tinha mijado nas águas. Que termo "Chulo" esse “mijado” vamos ser mais educados, falou a esposa de um deles, vamos falar urinados. Conversa vai conversa vem vamos falar xixi mesmo, que é um termo mais “agoianado”.
A notícia do concurso espalha-se, mas cada vez aumentava a dificuldade, como o PIOPARDO lê a consciência humana, ninguém se candidatou.
Um velhinho de "enta”, “enta” o que setenta, não, oitenta, não, noventa e tantos, na altura do campeonato não havia necessidade de saber os tantos. Resolveu candidatar-se, mas só poderia ir na manhã seguinte. Naquela noite ia assistir o último capítulo de "Duas Caras" é sim aquela novela que teve uma coisa  boa : não prestou no começo, no meio e nem no fim.
Mas como o velhinho era muito velhinho para caçar PIOPARDO, foi montada uma estratégia especial. Tudo valia a pena para ter a posse de um PIOPARDO, já pensou, bebida, comida e até mulher a vontade e de graça. Levar dois jovens da equipe Boto para transportar o oxigênio a maca foi preciso, pois o velhinho não daria conta de subir a rampa.
Já lá em cima do platô, perceberam que tinha muita gente, resolveram dispensar a equipe Boto e ficaram os Valinhos, mais novos donos da idéia, um pouco mais longe escondido, deixando o velhinho de noventa debaixo de um arbusto a espera da caça. TIZIL, o PIO MAIS ESPERIENTE, sabendo de tudo, escalou Zeferino, o Piopardo gazeteiro para fazer a recepção. Ele com mais dois companheiros materializaram pero de onde estavam o velhinho de noventa reconhecendo nele o Senhor Pedro, o mais “mijão” de todos. Os velhinhos mais novos fotografam, digo "celularizaram" tudo de longe. Sr. Pedro os vendo pegou uma pequena rede em forma de cone e foi devagar com as pernas tremendo cumprir a sua missão. Chegando próximo na hora de jogar a armadilha os PIOPARDOS desapareceram. Os velhinhos mais novos chegaram reclamando:
- Como é seu Pedro o senhor não falou que nunca havia feito xixi.
- Xixi não, eu só faço “pipi”...
Nessa altura houve uma explosão, cheiro de enxofre no ar, labaredas saindo do chão iluminando o platô...Os mais CINEMATOGENIOS ligaram o tato ao filme VULCANO. Na segunda explosão eu caio da cama, acordo atordoado com o pesadelo que acabo de ter.

                        Rio Quente, 30 de junho de 2008.
                        VIVA SÃO PEDRO.
                        VIVA SÃO JOÃO.
                        VIVA O DIVINO PAI-ETERNO.













     







jurinha caldas
Enviado por jurinha caldas em 04/07/2008
Reeditado em 26/02/2009
Código do texto: T1064822

Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
jurinha caldas
Goiânia - Goiás - Brasil, 76 anos
6210 textos (465266 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/01/19 11:26)
jurinha caldas