Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Questão de escolha

Auditório lotado para a palestra de meteorologistas, ambientalistas, de gente interessada no tema sobrevivência dos homens e do planeta. Muitos estudantes secundaristas, alguns interessados no debate e outros tantos, nem tanto. Nesse momento falava um rapaz sardento, de cabelos vermelhos e com uma inteligente cara de marciano.
- Precisamos acelerar os programas espaciais na busca de um planeta habitável pois a nossa Terra está chegando no limite da sua capacidade. O planeta se desertifica a passos largos e logo as terras cultiváveis não serão suficientes para abastecer a humanidade. Felizmente a raça humana é inteligente e cria possibilidades tecnológicas para sobrevivermos num outro planeta.
Um senhor com lá seus 45 anos levanta a mão e pede a palavra. Esse não tem cara de cientista, apesar do óculos de lentes grossas e sobrancelhas soturnas.
- Tudo isso e mais a possibilidade real de sermos atropelados por algum meteoro que dará fim às nossas vidas. Será um inverno solar ou será uma explosão nuclear.
E ouvia-se os comentários à boca pequena. - Sujeito pessimista e exagerado. E outro. - Só mesmo Jesus pra nos salvar. E outro, o pior deles - Tô nem aí, só tenho uma vida mesmo.
Dava dó observar olhos esbugalhados, caras apavoradas misturadas a gestos e palavrões dos incrédulos. Fez-se um burburinho, gente se atropelando nas palavras, todos a um só tempo. E eu via naquilo tudo, numa comparação bem ácida, com o caos que se instalaria no planeta se um desses eventos acontecesse, ainda que numa escala infinitezalmente menor.  E foi aí que me chamou a atenção uma menina de seus 14 anos que tentava levantar a mão para pedir a palavra e era, imediatamente impedida pelo pai à sua direita. E a menina olhava para o pai com cara de poucos amigos e levantava a outra mão, que era abaixada pela mãe, sentada do outro lado. Fiquei atento a esse embate, torcendo para a adolescente, claro. E ela conseguiu. Num sopetão levantou-se, quase arrastando os país, que se renderam à vontade daquela criaturinha teimosa.
- Meu nome é Clarissa e tenho 14 anos. Ja ouvi muita coisa, aqui, nesse auditório e quero, também, colocar minhas observações.  Alguém sabe mensurar quanto ja se gastou e quanto se planeja gastar para enviar naves tripuladas ao espaço à procura de um planeta habitável? É claro que, em meio a bilhões de planetas zanzando pelo espaço, algum possa ter condições favoráveis à vida humana. Mas me fica uma dúvida. Se a Terra está no espaço e se todo e qualquer planeta também está no espaço, alguém já parou para se perguntar de que adianta encontrar um planeta habitável se, ele, como a Terra corre o mesmo risco de ter um encontro com algum meteoro sinistro? E tem mais. Quem garante que, efetivada a mudança de planeta o tal malfadado meteoro não irá se espatifar primeiro, justamente no planeta escolhido por nós para morar? Para quem tem preguiça de pensar, são 50% as chances.  Isso me leva a pensar que deveriamos gastar essa fortuna inimaginável no nosso próprio planeta, recuperando florestas que irão recuperar o potencial aquífero do planeta e revertendo os efeitos nocivos do efeito estufa, reequilibrando o clima. Vejo também a necessidade de diminuir nossa ganância consumista para, assim, minimizar o consumo de nossas reservas minerais.
- E abrir mão do meu carro e do meu celular? - gritou uma voz bem ao fundo do auditório - Jamais. Prefiro a morte.
Vander Dunguel
Enviado por Vander Dunguel em 12/02/2019
Código do texto: T6573139
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vander Dunguel
Rio das Ostras - Rio de Janeiro - Brasil
661 textos (31995 leituras)
32 áudios (2647 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/07/19 09:06)
Vander Dunguel