Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ORGASMO

   Passeavam livres, de mãos dadas, dedos entrelaçados, e passarinhos brincavam alegres a voar pelo mesmo caminho, o caminho entre as flores, as rosas que ora ali amarelas, violetas, rosas, beges, cor da tarde...
   Era uma alameda que chegava a um chafariz.Uma mulata cor de bronze sem bronze, nua em feixes de pano pelas coxas, derramava a água do seu jarro, do jarro que era seu por ela suporta-lo em seus ombros.
   Mas era um casal: dois rapazes, um negro e outro branco-pálido.Era a noite, era a tarde.O sol era brando, era manso, e mais distante na relva-capim os gansos marchavam sem consciência do onde chegar.
   A jaqueira fazia uma sombra, e ali sentaram-se sob a sombra, mas seus frutos amadureciam – pelos troncos – muito perfumados.
   O branco-pálido apertou a mão do mulato, trouxe esta sua mão para o seu regaço e confessou numa alegria intima e estúpida:
   Sabe este aroma das jacas me embebedam!
   O outro sabia: um desejo de beber água do chafariz, assim como os passarinhos, livre.Era livre por graça própria como se a vida não devesse a obrigação do todo dia.
   Assim também era sob a sombra.
   A mutação lenta d ávida sob os mesmos olhos tristes que as vezes acontecia uma alegria ou outra.
   Os corpos, ainda com roupas, abraçaram-se, entrelaçaram-se como no ainda pouco as mãos, encontraram-se quentes na sombra da jaqueira com seus frutos apodrecendo; os corpos revezavam seus suores no chiado de ansiedade cheia de prazer.
   Assim aconteciam os lábios num beijo, as línguas se procurando...
   Era bom assim, e ainda assim podia se ouvir a natureza num gemido silencioso.
   Os sexos se roçavam sem ainda o nu.Havia o pudor dentro do impudor.Como um recheio nada agradável dentro de um bolo tão saboroso.
   Cítrico o beijo quente e suado, apertado entre as roupas que eram a ponte entre o êxtase e a realidade tacta.
   Tudo morria lentamente hoje para nascer plenamente, novo como todo dia, amanhã: as sombras cresciam pelo espaço visto, as flores pareciam cansadas e murchas, os passarinhos procuravam abrigo na copa da jaqueira, até o rumorejar da água da fonte parecia  descansar numa modorra rumo ao infinito.
   O constante era aquele êxtase, mas como se tivessem consciência de que assim não podiam nem deviam gozar, assim pararam.
   E eram pálidos, gastando a sombra de energia numa fimbria de um beijo como um soluço tremulo.
   Assim se surpreenderam de pé  cada um olhando o seu próprio sexo em volume rígido pela roupa, rindo sem-vergonhas como que com pena das flores envelhecendo no dia de hoje no jardim.
   Era verdade, voltavam de mãos dadas sobre a mesma alameda.O mundo a sua volta adormecendo podre sobre as sombras da escuridão anil que chegava.
   O ponto culminante da alegria foi o grito da cigarra, desesperado no invisível da imensidão, e os dois olhos de um sorriso pleno de ânsia de gozo entre mãos unidas.Presos um no outro suportavam o próprio pudor que os atingia.
   Lembravam sim enquanto caminhavam tão unidos, quase como um só, olhando o avermelhado do horizonte se tornar lilás, lembravam sim que a noite apodrecia como tudo apodrecia pela noite, ganhando vida nova no dia seguinte.
   E um pássaro cortou o céu já escuro em fuga desesperada para o abrigo desconhecido sobre suas cabeças que se viraram autômatos pata trás:
   Afinal não era o caminho que se bifurcava era a própria imensidão mutável das luzes da atmosfera comum a qualquer um.
   De qualquer modo todo mundo era muito feliz até chegar ao gozo.


                                          .  .  .


   AUTOR: RODNEY ARAGÃO.
     
           7 DE NOVEMBRO DE 2005

Rodney Dos Santos Aragão
Enviado por Rodney Dos Santos Aragão em 05/10/2007
Código do texto: T682146

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Rodney Aragão). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rodney Dos Santos Aragão
Cabo Frio - Rio de Janeiro - Brasil, 44 anos
188 textos (8694 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/17 07:05)
Rodney Dos Santos Aragão