Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Peninha

 Peninha

A mulher pegou uma revista qualquer que estava sobre a mesinha de espera do consultório médico. Ela notou que faltava a capa, mas conseguiu encontrá-la no meio das páginas. Ao organizar as folhas para colocá-las em ordem, caiu do meio das páginas uma pena de pássaro. Ela buscou-a do chão, segurou-a entre os dedos, recostou a cabeça na parede, foi sentindo um calafrio por todo o corpo e a sensação de uma cortina que se fechava e outra descortinando à frente de um cenário bem seu conhecido: Uma casa, pessoas, vozes, cachorros, brisa suave, um fundo verde e uma cachoeira. Na soleira da porta um senhor, de barbas e cabelos brancos, curvado sob o peso do tempo, apoiava suas mãos e o queixo numa bengala. É o destino entrelaçando sua trama e lhe devolvendo o passado com tanta realidade que dava até para sentir o perfume, os sons, as falas daquele tempo inesquecível de infância.

Meu velho pai! Quanta saudade! A nossa casa com suas crianças brincando, correndo; minha mãe, a natureza e a nossa cachoeira de água tão fria e branquinha que caía lá do alto formando uma nuvem de chuvisco no ar, lugar de grandes recordações! As arapucas armadas no quintal de casa, nós escondidos por detrás da moita e os pobres passarinhos chegando esfomeados, o puxão da corda e, zás, eles lá ficavam presos na armadilha.

A nossa emoção para tirá-lo lá de dentro nos fazia ofegantes e agitados. Acariciar, perceber as suas cores e seus olhos assustados, beijar e soltar o pobre pássaro, de novo, para a liberdade, era um ritual mágico, incentivado pelas carícias e palavras convincentes do nosso pai exaltando sobre os benefícios da vida livre. Resistíamos por um tempo, passando de mão em mão o pássaro cativo. O pai vencia-nos, sempre, com o seu discurso e nós ficávamos olhando o pássaro feliz procurando o primeiro galho de árvore para um descanso antes de ganhar o mundo.

- Lembra, pai, aquele dia que o Pedrinho, o Juca, a Cássia, você e eu pegamos um passarinho diferente, todo colorido e com uma única pena carijó, toda franzidinha, bem no alto da cabeça? Nós tanto insistimos, que o senhor acabou por nos permitir arrancar aquela pena do pássaro, antes de soltá-lo.

Quanto sangue! Que sofrimento do coitadinho! E o seu olhar parecia nos pedir para não soltá-lo. Sua voz, pai, nos alertava para fazer-lhe um curativo e lhe dar muitos beijos e carinho para não morrer. Que dor!  Ficamos dias cuidando do nosso doente.

E a briga para ser o primeiro, todos os dias, a vê-lo, tocar na sua ferida, dar-lhe de comer e de beber, enquanto o senhor nos pedia para deixá-lo em paz.

O tempo ia passando e o nosso amor pelo bichinho crescia. Ele já era um dos nossos. Fizemos um concurso para a escolha do nome e ganhou “Peninha”, isso mesmo, Peninha por causa da desgraça daquela pena que roubamos dele.
E nossa mãe o tempo todo nos lembrando que era hora da Escola, que precisávamos lavar as mãos, deixar o pássaro em paz... Sempre arranjando um pretexto para nos tirar de perto do Peninha. O senhor, com aquela piscada de olho nos convencia a obedecê-la, garantindo-nos com o olhar que tomaria conta direitinho do nosso Peninha.

-Aquele dia, lembra-se? Ao voltar da escola, abrimos correndo a porteira e voamos para dentro de casa. Na soleira de casa, neste mesmo lugar onde o senhor está hoje, deparamos com a sua tristeza, o seu olhar perdido no horizonte. Todos juntos, ao mesmo tempo, jogamos nossas mochilas no chão e gritamos:

- O Peninha!? Cadê ele pai?

O senhor nos abraçou com tamanha ternura, beijou nossa cabeça, nos prendeu junto a seu peito e nos falou bem perto do ouvido.:

-O Peninha está bem. Ele está no mesmo lugar esperando por vocês. Quem não mais lhes espera para abraçá-los, cuidar de vocês, meus filhos...

E as lágrimas não o deixaram continuar, pai. Descobrimos por nós mesmos. Fomos entrando de mansinho casa à dentro, os olhos arregalados e o senhor nos fazendo gestos para que voltássemos. Não o obedecemos e fomos indo passo a passo. De repente, deparamos com a nossa mãe esticadinha sobre a mesa, com um sorriso nos lábios, toda coberta de flores, parecia dormir. Alguns vizinhos sentados ao redor da parede e a tia Joana colocando a última flor na sua cabeça.

E o Peninha, na sua gaiola, ao lado da mesa, todo encolhidinho e com os olhos semifechados parecia compreender nossa dor. Beijamos os olhos, as mãos da nossa mãe e cheiramos as flores espalhadas em cima dela. Peguei o nosso amiguinho, Peninha, e lhe pedi que cantasse uma canção para fazer nossa mãe dormir bem tranqüila. Ela ia gostar.

 Ele abriu o bico, tombou a cabecinha e cantou tão bonito, bonito e triste. Seu canto cortava o silêncio quebrado por um gemido aqui, outro ali. Num piscar de olhos todos estávamos cantando uma canção para ninar a nossa mãe.

O senhor veio se ajuntar a nós, nos abraçou bem apertado e assistiu junto conosco o cair de uma pena solta do bico do Peninha, que veio se alojar nos cabelos da mãe, enfeitando o seu rosto já tão bonito e tranqüilo.

Hoje, o que nos sobrou daquele tempo, foi esta peninha toda carijó que o senhor guardou dentro daquela Bíblia, lembra-se?
-O meu pai, onde ele está?

-Calma, mana, nós estamos aqui. Não foi nada. Tudo já passou.

-O Pedrinho, a Cássia, o Juca! Onde estou?

-Você está bem. Tranqüilize-se. Foi só um desmaio.
Eles se entreolharam me abraçando e, de dentro da revista, o Pedrinho tirou uma pena e colocou-a nos meus cabelos.
Zoraia
Enviado por Zoraia em 27/10/2007
Código do texto: T712742

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Zoraia
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
3 textos (121 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/17 00:51)