Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LIMIAR DA HUMANIDADE - CAP - 21-22-23

Mais  três capítulos...ainda não desisti.....


CAPÍTULO 21

- Sensores de longo alcance demonstram a aproximação de uma imensa frota.
Alisson e Clayton se olham demonstrando certa confusão.
- Uma frota? – Alisson é o primeiro a se recuperar do choque.
- Omega, já é possível identificar a configuração das naves? Alguma raça conhecida que conste nos banco de dados?
- Ainda não é possível, a frota se encontra a 10 dias-luz deste sistema planetário.
- Omega, meios defensivos que dispomos?
- 150 cruzadores, 50 destróieres, 4500 caças, 7000 tanques, 165.000 armas de grosso calibre e 500.000 de médio calibre. 10.000 robôs de combate e nossas fábrica ainda pode construir mais 1000 antes que a frota chegue aqui. Precisamos de soldados que possam usar os tanques, caças e as armas. Os cruzadores e destróieres podem ser guiados por controle remoto. Atenção, invasores estão perto da entrada da caverna. Alguma ordem específica?
Clayton é o primeiro a se manifestar.
- Que tipo de invasores?
- São soldados do exército brasileiro.
- Soldados aqui?  Coloque na tela holográfica
Omega obedece a ordem de Clayton. Uma tela holográfica se forma à frente dos dois amigos e mostra dois militares entrando na caverna.
- Hum, isso é estranho Clayton. O que esses militares estão fazendo aqui?
- Olha Alisson, estou muito mais preocupado com essa frota que o Omega nos alertou do que com esses militares.
- Eu sei, também estou, mas não podemos, de forma alguma, desprezar ou ignorar os soldados. Que tal teletransportá-los para cá?
- Não sei se é adequado Clayton.
- Bem, o que eles podem fazer contra nós? O potencial bélico desta base é bem superior do que a maior parte dos exércitos da Terra.
- É certo, fico pensando se nossos parentes próximos não podem ser presos, ou coisa do tipo. Seria uma forma deles nos pressionarem.
- Alisson, isso é algo que precisamos decidir. O que fazer com nossos familiares. Devemos trazê-los para cá? Devemos avisá-los de tudo que está acontecendo e deixá-los escolher entre continuar sua vida normal ou ficar conosco?? Sabe é uma complicação isso.
- Descendentes.
- Sim – falam os dois jovens ao mesmo tempo
- Militares estão dentro da cúpula da caverna. Alguma ordem específica?
- Traga-os para cá Omega. – A ordem de Alisson não é questionada por Clayton.
- Será executado, descendentes podem trocar de roupa e colocar uniformes dos construtores. Esses uniformes são capazes de gerar um campo de força que salvaguarda a vida do usuário.
- Muito bem Omega, vamos lá Clayton, colocar esse uniforme e encarar esses militares.
+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

- Major!
- Sim Capitão?
- Está vendo essa luminiscência?
- Não sou cego, isso pode ser provocado por animais, já li algo a respeito.
- Major, mas essa luz é forte demais para ser... – o capitão não consegue terminar sua frase. Uma luz forte enche o local, dois corpos são teletransportados para o interior da base alienígena, conforme o pedido dos amigos. A intensa dor da desmaterialização e posterior rematerialização é demais para os dois militares, mesmo com seu intenso treinamento físico o desmaio é instantâneo.
Alisson e Clayton observam enquanto robôs médicos levam os dois militares para o interior de um dos quartos de restabelecimento. Eles vão tratar com os militares mais tarde, agora sua preocupação é com a frota que se aproxima da Terra.





CAPÍTULO 22

Sala de reuniões
- Omega, quanto tempo até os militares se recuperarem?
- Descendente Clayton, tempo estimado em cinco horas.
- E quanto a frota que se aproxima?
- Se manterem o atual padrão de aproximação e velocidade tempo de chegada estimado em três dias, duas horas, cinqüenta minutos....
- Tá bom Omega, não precisa ser tão detalhista – Alisson diz visivelmente irritado.
- Quais as ordens descendentes?
Um pesado silêncio se faz presente na sala.
- Clayton podemos enviar sondas para acompanhar o progresso dessa frota. E se entrarmos em contato para saber quais são as intenções deles?
- Omega, proceda conforme orientação do Alisson. Acho que vamos precisar nos apresentar ao mundo muito antes daquilo que eu desejaria.
- Como assim Clayton
- Olha,  posso estar enganado, mas parece que temos uma feroz invasão a caminho, só com nossos recursos não daremos conta de repelir uma frota deste tamanho. Mas se todas as nações da Terra se unirem, e suas forças armadas forem corretamente equipadas com as armas de que dispomos. Temos uma chance.
- Tem razão, mas e depois, se conseguirmos rechaçar essa invasão os exércitos não vão querer devolver os equipamentos.
- Alisson, primeiro precisamos ver se vamos conseguir sobreviver e rechaçar o invasor. E podemos por uma espécie de trava nos armamentos, Omega pode desativar as armas assim que não forem mais necessárias, ou podemos até por um circuito de destruição remoto, tipo acabada a batalha se não nos devolverem os armamentos avisamos que eles serão destruídos remotamente.
- Não sei, com isso podemos por a vida de bravos soldados em risco.
- Há uma possibilidade descendentes.
- E qual é Omega – Clayton se mostra interessado,
- Posso interferir nos sistemas dos armamentos de modo a deixá-los totalmente inoperantes sem risco para aqueles que estiverem de posse e de tal forma que os cientistas humanos não consigam fazer engenharia reversa.
- Excelente. Comece desde já a implementar essa ressalva. Alisson, eu vou para a ONU, você fica por aqui e coordena com Omega os preparativos, tente contato com essa frota. Mas não pare a construção dos robôs de combate, médicos e dos armamentos manuais.
- E os nossos convidados?
- Ah. Alisson, quando acordarem tente conversar com eles, apresentar tudo que existe nessa base, convencê-los de que o que estamos fazendo é o certo e principalmente já os avise da frota que se aproxima. São soldados, devem saber os canais que deverão ser percorridos para avisar as autoridades que necessitam ser avisadas.
- Tá bom Clayton, vai lá e cuidado. Use os sistemas defletores para não aparecer nos radares e o campo de força individual. Duvido muito que vão recebê-lo sem tentar alguma coisa.
- Não se preocupe, estarei atento. Omega prepare um transportador de pequeno porte, preciso de dois robôs de combate e um médico. Cuide para que unidades de armamentos estejam na nave, acredito que precisarei mostrar a eficiência destes armamentos. E Alisson, estou preocupado com as nossas famílias. Não tivemos contato depois que toda essa loucura começou a acontecer. Entre em contato com eles e, bem por agora invente alguma coisa para que fiquem tranqüilos. Quando essa crise passar a gente visita eles e, bem resolve o que fazer.
-Entrarei em contato Clayton. Cuidado.





CAPÍTULO 23

- Sistema holográfico de camuflagem acionado. Espaço aéreo liberado, nave com descendente Clayton iniciando processo de decolagem. Destino cidade de Nova York – EUA, sede da ONU. Acionando sistema defletor. Nave não deve ser detectada por radar.
A bordo do pequeno transportador Clayton acompanha a decolagem, sentado na cadeira de piloto. Por conveniência ele achou melhor que Omega cuidasse dos procedimentos de decolagem e vôo até Nova York. Além da preocupação básica com sua missão o jovem brasileiro está com seus pensamentos voltados para os familiares. Ele sabe que Alisson vai entrar em contato e cuidar de acalmar os ânimos de todos.
- Por Deus se essa frota for atacar a Terra que consigamos detê-los.
- Algum desejo descendente?
- Ah Omega, não estava pensando alto.
- Não entendi descendente. “ Sonhando alto”? Mas o sonho...
- Omega, cuide dos procedimentos de vôo eu cuido dos sonhos.
- Entendido descendente.
E assim o vôo segue em direção aos EUA.
+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++
- Alô.
- Alisson?
- Sim pai, sou eu, e ai? Tá tudo bem?
- Onde você se enfiou garoto? Eu e sua mãe estamos muito preocupados, não atendia celular...onde estão?
- Tivemos problemas em uma caverna, chegamos até a perder a sacola onde guardamos os celulares. Achamos a pouco, por sorte ainda tem bateria e eu consegui um sinal, bem fraco, a ligação pode cair a qualquer momento.
- Tá bom, e o seu amigo?
- O Clayton? Tudo bem com ele, foi até a cidade para arrumar alguns mantimentos. Ainda há muito o que explorar por aqui. Eu vou entrar em contato com a família dele também, avisar que está tudo bem.
- Ah ta bom filho, peraí que sua mãe quer falar contigo.
- Filho...filho...
- Oi mãe, não precisa ficar preocupada, está tudo bem comigo e com o Clayton. Vamos ter de ficar mais uns dias aqui ta?
- Olha, você me mata do coração ainda menino. Que raio de explorar caverna é esse que é mais importante do que a família?
-Ah mãe, quando eu voltar eu explico, agora preciso desligar o sinal ta fraquinho, fraquinho... bênção mãe, benção pai...um beijo para a Alice.
- Deus te abençoe meu filho. Cuidado, vê se liga pra mãe do Clayton.
- Tá bom mãe. Tchau.
Com pesar no coração dona Neusa devolve o celular para o marido. Nenhum dos dois  teve a curiosidade de checar o número que ligou, senão teriam percebido que a ligação não partia de um celular.
+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++
- Se aproximando do espaço aéreo mexicano. Alguma recomendação descendente.
- Ainda não Omega, continue rumo ao nosso destino. Alguma indicação de que fomos detectados?
- Estou acompanhando os contatos radiofônicos das nações pelas quais estamos passando. Nossos sistemas defletores funcionam perfeitamente.
- Ótimo que permaneça assim. Não quero ser detectado até que pousemos  essa nave na praça em frente a ONU.
- Assim será descendente.
Clayton permanece em silêncio. Seus pensamentos se voltam para o amigo Alisson e seus familiares. Mas a missão que cumpria agora se mostrava prioritária.
CARONTE
Enviado por CARONTE em 13/01/2019
Código do texto: T6549987
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
CARONTE
Mogi das Cruzes - São Paulo - Brasil, 57 anos
23 textos (2857 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/02/19 20:57)