Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ESPIRITO CAÍDO...

"A vida é a grande libertinagem – a morte é a grande abstinência. Assim como um caiu, outros cairão de novo."

(trecho extraído do "Códice Giga", conhecido como "A Bíblia do diabo")


                        Norte da Escócia - dias atuais


Hilgor corria desesperadamente, incessantemente, sem dar tréguas para o cansaço. A estrada de terra parecia infinita em sua frente, e a capela abandonada de onde vinham gritos apavorantes, se distanciava cada vez mais.
As canelas magras do jovem rapaz balançavam trôpegas uma na outra...até que o limite de sua resistência, o fez cair...
O gosto da terra invadiu sua boca empoeirada. O peito parecia prestes a explodir. Ele tentou levantar daquele que era seu segundo tombo, mas os braços não tinham mais forças para erguer seu corpo...

"Preciso recuparar o fôlego."

O jovem se encolheu no canto da estrada. Não queria ser visto por ninguém. Sentado ao solo, ele juntou suas pernas reladas, e pousou seus braços sobre os joelhos. As mãos sujas tentaram bloquear os orifícios dos ouvidos, e a vegetação alta lhe servira de camuflagem...

Os gritos continuavam...
O vento balançava a vegetação num movimento sincronizado...
E os gritos...
Ainda mais fortes...
Como os de um animal sendo torturado...
E eles torturavam Hilgor...
Mesmo muito distante da capela...
Eram agonizantes...
Hilgor fechou seus olhos...
Fez uma oração amendrontado...

Talvez tivesse sido em razão da fé, que seus pulmões se acalmaram lentamente, conseguiu cessar o ar que saía rápido pela boca, voltando a respirar pelo nariz. Era o término de sua oração, então ele parou de mexer os lábios cortados, e voltou a abrir os olhos.

"Graças a Deus!!"

Novamente o rapaz estava de pé determinado a voltar a correr. Contudo, ele foi surpreendido por um vulto, seguido de mãos que lhe agarraram violentamente.

- Achei você, seu grande idiota!! - disse um rapaz que lhe segurava pela gola da camisa. - Ei, Dan. Ele está aqui!!
Um outro rapaz se aproximou com uma expressão de satisfação.
- Onde você pensa que vai, Hilgor??
- Eu não quero mais participar disso, Dan. Por favor, me deixe ir embora. - implorou Hilgor amedrontado.
- Você é um imbecil, Hilgor.Esqueceu-se do nosso pacto?
- Eu juro que não direi á ninguém...eu juro.
- Não posso confiar em você. Vai trazer a polícia...
O outro rapaz desferiu-lhe um golpe no estômago. Hilgor caiu no chão encolhido.
- Você não pode simplesmente fugir assim. Seu covarde!!

Os dois rapazes seguraram o jovem pelos braços, e começaram á carregá-lo de volta para a capela. Hilgor teria implorado mais uma vez, porém o soco que havia levado, lhe privara o ar dos pulmões.
Os gritos tornavam-se ensurdecedores á cada passo em direção da capela. Uma linguagem era pronunciada pela voz a gritar, parecia uma língua incompreensível.
Os rapazes aparentemente estavam temerosos, assim como Hilgor, mas não mudaram de idéia:

- Cara, os gritos dela estão ficando cada vez pior...
- Eu sei.
- Acho que talvez seja melhor a gente procurar ajuda...
- Eu pensei que o Hilgor fosse o único covarde por aqui. Acho que me enganei...
- Mas, Dan. Nós não sabemos que porra é aquela. E se ela escapar, e depois atacar a gente?
- Isso não vai acontecer! Aquilo é um anjo, seu burro! E anjos não ferem seres humanos!
- É?? E como você sabe disso?? Você nunca foi á igreja, Dan.
- Cala a boca, seu retardado! A minha avó faz parte da congregação eucarística. A velha vive dentro da igreja. Segundo ela, anjo são seres do bem...
- Sei não, cara...

Os três chegaram até a entrada da capela onde mais dois rapazes aguardavam por eles. A capela que fora lapidada nas pedras era escura e fria em seu interior. Suas paredes eram úmidas, haviam morcegos voando por todos os lados.

- Ela parece estar recuperando sua força. - disse um dos rapazes parado na porta, referindo-se á alguém dentro da capela.
- È verdade. - falou o outro. - Acho que as correntes não vão aguentar por muito tempo.
- Eu não acredito que vocês querem desistir agora!
- Não estamos desistindo, Dan. Mas eu confesso que to começando a ficar com medo dessa criatura...
- Por que você fugiu, Hilgor?? - perguntou um deles.
- Ele não consegue falar. Malcon deu uma porrada nele.
Todos riram juntos.

Acorrentada pelos braços e pernas, havia uma mulher ao chão. Sua pele era branca como a neve, seus cabelos encaracolados eram amarelos, quase sem cor. Os olhos dela eram vermelhos e ofuscavam fortemente. Um par de asas negras brotavam de sua coluna. A mulher chorava sangue...
Em meio aos berros, ela se contorcia como se houvesse dor dentro dela. Os gritos pareciam formar palavras, como se fosse uma língua desconhecida.
Os braços dela forçavam as correntes numa tentativa de se livrar das amarras. O esforço fazia com que seus nervos dilatassem. Era como olhar para uma pessoa desesperada, louca, aflita...
Enquanto isso, os rapazes discutiam entre eles:

- Tem haver um jeito de fazer ela parar.
- Essa porra parece que está...
- O que? Está o que?
- Sei lá, cara!!! Você nunca assistiu "O exorcista"??
- Vocês querem parar com essa merda!!! - interrompeu, Dan.
- Por que a gente não dá logo uma marretada na cabeça dela, e acaba com o seu sofrimento?
- Aí a gente perde o dinheiro, seu burro! Eu liguei pro jornal ontem á noite, eles querem ver um video dela primeiro.

Todos discutiam, questionavam, e tramavam...
Menos Higor...

Enquanto a discussão seguia, Hilgor lembrou-se do dia anterior. Antes de ver o anjo caído pela primeira vez.
Estava junto com os outro rapazes na beira do rio. Era pra ser uma tarde de pescaria igual á todas as outras.
Não fosse um detalhe:

Nuvens negras tomaram todo o firmamento em questão de minutos...
Os rapazes começaram a recolher o material de pesca...
Uma ventania parecia prever uma tempestade...
Todos começaram a correr assustados...
Então, um buraco se abriu nas nuvens como se fosse um grande funil...
De dentro do funil desceu uma mancha escura....
A mancha se chocou ao solo com violência...
Depois o funil se fechou...
E o céu se abriu novamente...
No chão, jazia a figura de uma mulher usando asas...

Liderados por Dan, os rapazes a socorreram, puseram-na em um carroça de madeira, e a levaram para a capela.
A princípio por pena. Depois, surgiu a idéia de enriquecer, de serem os descobridores de um ser desconhecido. Talvez um anjo.

"Nos tornaremos Celebridades", foi o pensamento que Dan usou para convencer os outros á manterem segredo até que alguma unidade jornalistica se interessasse pela história. "Ai seremos famosos e ricos"
Hilgor havia aprovado a idéia de enriquecer. Contudo, depois de olhar diretamente nos olhos daquele ser, ele sentiu medo. Passou a questionar se o que faziam, era o mais correto.
E ele foi o primeiro a tentar desistir de encarcerar anjos...
O ser preso ao chão antes olhava para o teto, como se dirigisse ofensas aos céus. De repente, ela virou seu olhar para Hilgor.

E parou de gritar...
Suas lágrimas de sangues escorriam pela maçã do rosto...
O brilho dos seus olhos aumentaram...
ela o encarava como antes, mas agora com muito mais fervor...
Hilgor caiu no chão em agonia...
Se debatendo em desespero...

O rapaz começou a balbuciar coisas incompreensíveis. Sua boca espumava. O ser mantinha os olhos fixos nele. Os outros rapazes entraram em pânico sem saber o que fazer. Dois saíram pela porta correndo. Dan gritou para que eles voltassem.
Foi em vão.
Aos poucos as palavras que saíam da boca de Hilgor começaram á fazer sentido. E o ser, agora calmo em suas correntes, começou a falar com uma voz grave e firme, porém  agora sem os berros de antes...

Ele sustentava o olhar hipnótico em Hilgor...
Os outros rapazes em desespero...
Hilgor debatendo-se no chão da capela...
Anjo e homem falavam de maneira sincronizada...
O anjo em sua língua desconhecida...
E Hilgor em sua línguagem natal. Como se estivesse traduzindo as palavras do ser:

"A DIABOLIS LUCADIÁCOMO FROSTI!! AMENE ETHUZIEL..."
- O inferno aguarda o retorno dos justos!! Eu me chamo Ethuziel...

"AME FARA LACTUGENES, RY ACH RORBERETA!!
- Eu serei a indulgência, em vez de abstinência!!

"AME FARA VIVICARE PROCURIA, RY ACH APROCHEDY BHENE LICARD!!"
- Eu serei a verdade e sabedoria, em vez da hipocrisia e o engano!!

"AME FARA FARAGARI DIOGION DY CUMERE, RY ACH A HUME DESCARFIORE ERETHENA DY LACATHO!!"
- Eu serei a bondade para quem a merece, em vez de amor desperdiçado aos ingratos!!!

"AME FARA JUDATORA, RY ACH PRADAR DYME ARQUEDUTT"!!
- Eu serei a vingança, em vez de virar a outra face!!

"A DIABOLIS CARBOTOMY, ME YO DERELICCIAM..."
- O Inferno me queimará, mas não por muito tempo...
         
              *********************


Os dias se passaram...
Os meninos nunca mais foram vistos...
Os dois que haviam fugido, estranhamente adoeceram e morreram dias depois...
A capela ficou abandonada até hoje...
Dizem os moradores daquelas redondezas, que aquele lugar ficou amaldiçoado...
Lapidado no chão rochoso da capela, ficara gravado um nome...
Talvez pra que ninguém jamais se esqueça...
Que fora ali, naquele exato local, que desceu ao inferno...
Um anjo caído...
Chamado Ethuziel...



(Michel - Metallica)



Metallica
Enviado por Metallica em 26/06/2009
Reeditado em 31/08/2009
Código do texto: T1668911

Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Metallica
Colatina - Espírito Santo - Brasil, 39 anos
9 textos (1770 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/09/20 03:52)
Metallica