Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DOIS FUROS NO PESCOÇO

A penumbra cobria a rua, que de nome chama-se Garibaldi. As parcas luminárias não davam conta de clarear as paredes velhas, e as portas escancaradas dos prédios que ali existiam. Nas calçadas esburacadas poucos se atreviam á circular àquelas horas, a não ser os que habitualmente o faziam. Mendigos e maltrapilhos acostumados ao copo de martelinho barato servidos nos botecos dali. Nas sombras voluptuosas curvas femininas se insinuavam aos automóveis, em busca de cliente. Outras nem tanto, contentavam-se com as esmolas que os mendigos conseguiam.

Naquele vai-e-vem Kelly demonstrava cansaço depois de um dia corrido, e de boa parte de seu dinheiro ter ir parado na mão do cafetão. Suas mãos displicentes se esforçavam para escorar-se na parede de tijolos a mostra. Num Cantinho do beco, Maria Boca-de-seda ganhava mais “dez pila” fazendo o serviço que lhe trouxera a fama e o apelido. – Simbora, Maria. Não perde muito tempo, que ta na hora de irmos pra casa. Gritava Kelly, que dividia um apartamento imundo com a veterana.

Mas antes de Maria Completar seu serviço, um farol brilhante ofuscou a visão de Kelly. Viu o rosto de um homem escondido atrás do “insufilm”. Ele não falou nada, apenas fez um sinal com o dedo, dizendo “venha”. Ela nem pensou em relutar, o carro era de bacana, e quem sabe... Poderia prestar mais um serviço. Quando Maria saiu do beco, não encontrou sua amiga, que sumira da calçada. “Aquela diabinha, arrumou mais um cliente. Há seu eu ainda tivesse meu corpinho, ela não tinha chance”. Falou a meretriz.

Embora ainda tivesse beleza, Kelly jamais estivera com um cliente tão “fino”. Nunca tinha entrado num carro com estofado de couro. No máximo dentro de carros populares com homens, velhos, gordos e feios que choravam em pagar-lhe cinqüenta reais. Aquele era diferente de todos. Jovem, pouco mais de trinta, rosto enigmático, e um pão de macho, como a própria Kelly pensava. Sair com um homem daqueles, e ainda ser paga, para ela era uma glória. No caminho aproveitando o silêncio de seu companheiro, pensava nas peripécias que faria na cama. Tinha de cativá-lo.
 
Andaram muito tempo. Foram parar num bairro distanciado, com poucas casas, na verdade, algumas mansões, e alguns velhos casarões como parecia ser o domicílio do homem. Eles desceram do carro, e entraram na casa. Era antiga, com vários detalhes em madeira. Sem falar uma palavra o homem levou-a até o quarto, e jogou-a numa cama luxuosa, mas que parecia ter sido comprada no antiquário. Mas este tipo de detalhes ela não queria perceber.

O homem deitou-se na cama, e guardou-se nas sombras. Não havia nenhuma luz acesa a não ser a do próprio luar que rompia o quarto por uma enorme janela. Ela não titubeou, e mesmo sem música iniciou um sensual “striptease”. A cada peça de roupa retirada seu corpo se mostrava livre, e para surpresa ainda em forma, apesar de sua profissão.  Seus seios ainda rijos, seus pêlos muito bem depilados, e um par de coxas grossas e delineadas rebolavam entusiasmadamente. De frente, de costas com seu bumbum ainda firme. Não tinha limites para seus movimentos, tampouco para as posições que praticou com aquele homem comum. Fazia tempo que não transava por prazer. Naquela noite o fez. Depois de anos voltou a sentir um orgasmo, e suas pernas tremerem. Ele também estava satisfeito. Ela percebia seu rosto agradecido. O sexo se repetiu por algumas vezes até se esgotarem suas forças. “Que homem é este, que faz puta cansar.” Pensava um pouco antes de cair no sono.

Acordou com o sol queimando-lhe a face, e cegando sua visão. Por instinto achou um canto que o sol penetrava e se escondeu. Nas sombras, seu corpo não ardia. Primeiro fez por se tranqüilizar. Até perceber que estava nua. Nenhuma roupa, e apenas um saco de couro jogado perto de seu corpo. Caiu em desespero, mas acalmou-se novamente. O lugar era deserto. Não sabia onde estava. Com uma vara improvisada puxou o saco, abri-o e para sua surpresa encontrou um maço de notas de cem. Sorriu. Voltou sentir ardência em seu corpo. Precisamente seu pescoço, ardia, parecia queimar. Passou a mão e sentiu algo diferente. Buscou pelo reflexo num pedaço velho de vidro, e pode ver um fio de sangue e dois buracos em seu pescoço.

O sol estava se aproximando. Buscou por mais sombras, e alguma roupa para vestir seu corpo nu.
Douglas Eralldo
Enviado por Douglas Eralldo em 03/10/2007
Código do texto: T679021

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Douglas Eralldo
Pântano Grande - Rio Grande do Sul - Brasil, 36 anos
243 textos (22801 leituras)
2 e-livros (186 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/17 05:41)
Douglas Eralldo