Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LENDAS URBANAS (Pedrinho, vem brincar comigo) [Pt 2]

    Carlos acordou, estava em seu quarto, seu rosto estava úmido e ele sabia que não era suor, o cheiro de ferro impregnava o lugar... cheiro de sangue.
    Sua vista estava turva.
    Levantou rapidamente e correu para acender a luz, aos poucos a visão hedionda daquela criatura em seu quarto invadiu sua mente, o arrependimento por tê-la chamado para brincar, por não ter acreditado em Elisa caiu em suas costas pesado como chumbo... como pudera ser tão estúpido?
     Precisava ligar para Elisa e Miguel  e dizer que estavam correndo perigo, antes de descer para a sala parou de frente para o espelho. Estava com um corte na testa. Limpou o sangue seco do rosto, aquele maldito cheiro de decomposição ainda estava impregnado nele. Levou a mão na maçaneta mas parou abruptamente, um calafrio percorreu a sua espinha: e se ele ainda estivesse ali na sua casa?
    Tomou a pouca coragem que ainda tinha dentro  de si e saiu em direção a escada. A casa estava as escuras, por onde passava ia acendendo as luzes. Ao pé da escada encontrou a mesinha onde ficava o telefone, retirou-o do gancho, mas algo na sala o fez soltar o aparelho que caiu com um estrépito: a TV estava ligada, uma mancha escura saia de baixo da poltrona e escorria para baixo da estante, as imagens da TV eram refletidas naquele líquido grosso; Carlos correu ate a entrada da sala e viu o pai na poltrona, dava a impressão de ter sido virado ao avesso, sentiu raiva, tentou gritar mas o choro o impediu.
     Uma porta rangeu ao ser aberta no andar superior, passos pesados faziam todo o teto tremer, Carlos correu para a porta de entrada e a abriu. Antes de correr olhou para a escada. Lentamente a coisa desceu degrau por degrau. No lugar do pescoço estava a espinha puxada até o fim projetando a cabeça a mais de dois metros de altura. Andava desengonçado pela falta da espinha no tronco. Seria até engraçado em um desenho animado, conseguiu pensar Carlos, mas aquilo era real.
     Ele correu antes que a cabeça de Pedrinho surgisse  na sua frente, sentiu que se a visse mais uma vez ficaria louco.

Continua....
Raphael Rodrigo dos Santoss
Enviado por Raphael Rodrigo dos Santoss em 13/10/2007
Reeditado em 27/10/2017
Código do texto: T692920
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Raphael Rodrigo dos Santoss
Cuiabá - Mato Grosso - Brasil, 32 anos
60 textos (9999 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/17 17:38)
Raphael Rodrigo dos Santoss