Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Terror na Escola ( A Historia Sem Fim ) (Em andamento )

             




                                        Terror na Escola



                                          Capitulo I

                                     Eu Acreditar, Não!!





- Mais um dia Ente diante disse Bryan Siqueira, quando Ana  chegou sentando ao lado dele
O que há com você hoje? Você sempre esta animado! Disse Ana com um belo sorriso.
Nada acontece nessa droga de escola! Disse Bryan a aborrecido. Ê você ta falando isso você leu o jornal hoje? Perguntou Ana, não disse Bryan, por quê?  Hoje estava uma matéria que jovens de uma escola no Brasil foram assassinados, e os policiais não sabem como eles morreram por que não a sinal de estrangulamento nem de tirou ou outra coisa qualquer, o mais estranho e que eles foram encontrado todos de mãos dadas estranho né?

Disse Ana com ar de espanto. Acho que isso foi algum assassino que não estava muito contente com a vida, e resolveu fazer essa presepada disse Bryan! Bryan presta atenção seu Burro disse Ana dando um tabefe na cabeça de Bryan, isso não aconteceu só no Brasil, esse acontecimento está sendo retratado em mais três países diferentes.

Bryan não deu a mínima para Ana e continuou a seguir despreocupado.

Chegando em casa pela primeira vez ele passou pela sala de televisão mudando os canais, e percebeu que em todos os canais o assunto era o mesmo: “Mortes repentinas nas escolas”
Bryan então começou a se assustar sobre o assunto, mas não te comoveu o bastante para assegurar ele na poltrona e assistir até o fim o noticiário daquela tarde, ele se levantou e foi fazer as suas atividades cotidianas de um adolescente cheio de energia.

Capitulo II
“Fim de tarde no parque”

O dia amanheceu, e como todos os dias do ano letivo, Bryan se levantou as seis da manhã ir para a escola, quando o telefone toca:

- Bryan, filho, é para você!
Bryan ainda com sono, andando quase caindo esfregando o punho em seus olhos atendeu ao telefone:

- Alô, quem fala?
Do outro lado da linha permaneceu quieto, logo depois um suspiro:

- Bryan, preciso te ver, aconteceu algo horrível, te encontro no parque em frente a loja de doces do Tio Agustinho, logo depois da aula.
O telefone então permaneceu mudo, desocupando com um tom de desligado.
A pessoa que ligou para o Bryan, não falou o seu nome, e mesmo com sono, o garoto sabia quem era...

A única pessoa que gosta de andar, conversar no parque é Ana.

O ônibus escolar buzinou de repente, e o garoto foi andando depressa pegando sua mochila e uma maçã para comer durante o caminho.

Chegando na escola, Bryan foi logo na sala de Ana para ver como é que ela estava, pois sua voz não lhe agradou no telefone de manhã, foi quando ouviu uma voz grossa da supervisora na sua direção:

- Senhor Siqueira, onde pensa que vai entrando na sala errada?
Quer me enganar é?
Direto para a diretoria!

Não era a primeira vez que ele ia pra diretoria, aprontar é uma palavra que sempre aparece em seu vocabulário, e diretoria aparece mais ainda!

O nervosismo começou a tomar conta do garoto, e dessa vez ele não tinha feito nada, foi quando o diretor chegou à sua frente e disse:

-Esta liberado garoto, sei que não fez nada dessa vez!

Tudo parecia estranho para Bryan, o diretor nunca tinha falado daquela forma com ele, sempre foi mais grosso, sempre gritou, e porque ele estava falando como se ele fosse seu melhor amigo?
Um friozinho na barriga tomou conta, e seus pensamentos já não estavam o mais sossegado igual o da noite passada. O sinal bateu, as pessoas estavam indo embora, e a vontade de chegar ao parque a encontrar sua amiga era grande.

Os seus passos já eram os mais barulhentos da rua, o vazio foi tomando sua forma de pensar, tudo tava diferente, tudo tava mudado.
Quando ele chegou no parque, encostou-se a uma árvore e começou a procurar Ana, o parque estava vazio, o dia estava frio, e nada de sua amiga então ele parou, sentou debaixo da árvore, pegou o celular e ligou para ela.

Seu celular estava desligado, aí Bryan abaixou a sua cabeça e ficou a esperar, quando uma voz tristonha disse:

-Você veio meu amigo, vamos levante-se me de um abraço!
Devagar, ele se levantou com o corpo tenso, pois a voz tinha feito ele se arrepiar, olhando para trás Bryan vê uma garota pálida de vestido longo olhando fixamente para seus olhos.

- Quem é você, disse Bryan com punhos  fechado?
A garota permaneceu quieta.

- Só pode ser brincadeira, disse Bryan dando as costas para garota, no  mesmo estante Bryan se sentiu gelado não conseguia se mexer então tentou gritar, mas sem nem um progresso o seu grito de socorro  não saiu de um  mero sussurro.

- diz a garota com olhar ainda fixo para Bryan, in ahead of vicis voc dico Deus vestri angelus tutela vel EGO teneo Illic is est species is may exsisto is sudo fides socius voc in tem fides in EGO sum certain Bryan Sikh?
- EGO venit of seposita recedentia absentis super ut te opportunus has said puella iterum per eyes fixed super ut Bryan.
- O que diabos você esta falando?
- Nao is importo unus ut EGO may exsisto narro EGO venit hic super ut : Iuguolo scrupulosa spill cruor & optimus te iuguolo.
 Em um piscar de olhos a garota sumiu, Bryan  ficou estagnado.
                                   Capitulo III
                                “ O Mentiroso ”
No dia seguinte Bryan ainda sem dormir pasmo pelo fato da garota ter sumido em um piscar de olhos .

- Que diabos foi aquilo ontem  não consegui entender nada do que aquela coisa disse parece que estava falando em Latim inglês sei La que era!?
Abrindo a porta de seu quarto Bryan da de cara com sua mãe !

- oi filho porque essa cara, ta fazendo o que de errado me conta ,diz mãe  de Bryan  com a cara de desconfiada !?

- diz Bryan coçando a cabeça : Nada não só não  consegui dormi direito. Então  Bryan indo para escola  não parava de pensa no espírito, ele  queria contar pra alguém mais não tinha coragem pois sabia que ninguém acreditaria nele a alem de  Ana, chegando na porta da escola Bryan foi decidido ir falar com Ana sobre  o acontecimento ,chegando lá Bryan não encontra Ana quando ele sente uma mão em seu ombro o puxando para virar, assustado ele vira pra sorte dele era Ana.

-  Que foi Bryan parece que viu um fantasma ? Ana diz “ironicamente ’’
- Acho que sim!!
- Você ta tirando uma da minha cara ?? alias deve estar mesmo  que diabos de mensagem foi aquela que você deixou  no meu celular ? voz estranha parecia que tava com uma cenoura na boca  rsrsrsrs......

-  Mensagem ? que mensagem Ana eu não te mandei nem uma mensagem a não ser..
- a não ser o que Bryan ?
-Ontem de manha   você me ligou para estar no parque a tarde ...
- eu te liguei ta loco ?   ta sem linha  telefônica na  minha casa ...
-  Como assim ?  tenho   certeza  que era você e a bina também   a bina não mente, mas isso não importa Ana o fato e que eu fui no parque  pensando em te encontrar mas pra minha surpresa algo bizarro pra não falar estranho aconteceu ! eu  fiquei gelado...

- Mais ontem  estava 18 c°
- Mas que cosia Ana deixa eu falar !!
-Tá tá estressado não falo mais nada!!
- como eu dizia pensei em te encontrar lá quando senti  meu corpo  “gelado apesar do frio que fazia´´ -ana diz (idiota!! )  quando ouvi uma voz e virei para trás pensei que era você mas não era não !

- Quem era ?
-Isso que eu gostaria de saber porque ela falava em uma língua muito estranha  e quando me dei  por conta ela sumiu!
- ‘’Sinistro’’  é eu te avisei pra não ver aquele filme de segunda a noite cara  nem dormi!!
- Ana  to falando sério mesmo eu vi  aquilo na minha frente  e...e... do nada sumiu  !
- tipo Puff?
- sabia que você não ia levar a serio ,pra ser sincero você  nunca leva nada a serio do que eu falo tchau agente se ver depois !
- Mas Bry........

Bryan chateado se retira indo diretamente para sala já que tinha soado o sinal.
                                        Capitulo IV
                                        Perturbador
Mas um domingo pela manha, as gotas da chuva estão descendo pela janelas e a folha da arvore do quintal esta grudada na janela do quarto de Bryan, levantando e se dirigindo para a janela a vista um cão do outro lado da rua fuçando o lixo, porem a rua se encontra vazia e nada mas alem do pobre cão .

- Que Fome lascada ...( disse bryan com os punhos no seu rosto)
O dia vai ser grande.. não vai ter nada para fazer como sempre
e a droga daquela garota que não sai da minha mente. isso parece que estou apaixonado nãooooooooo . eu to ficando loco já com isso .

-Ta loco ( disse a irma de bryan )
fica falando sozinho , e por quem você esta apaixonado ?
e que espirito?

-Espirito ? apaixonado? não me lembro de ter falado nisso

-Seu loco, seu nerd, vou nessa tenho mas o que fazer ( disse Sara batendo a porta do quarto de bryan)

Em questão de minutos ouve- se um grito de Sara vindo do porão.
Bryan saiu correndo em direção ao porão, em quanto bryan corria ouvia os gritos de sara se aproximando mas e mais, quase chegando no  porão bryan ouve a voz de sara

- B não vem aqui e perigoso

Bryan subitamente parou para tentar ouvir o que sara dizia
- B não vem aqui
-Sara o que diabos esta acontecendo ai ???
Sara fico em silencio, Bryan foi encosto na parede do porão e foi dando passos ate a porta onde olho e ali estava ela. com seus vestidos Brancos alvo como a neve e sua pele pálida como se nunca na vida tinha visto o sol.

-Sai de perto dela ( grito Bryan com todas as forças )

A garota ainda estava de frente com sara, cara a cara e acada segundo ela se aproximava e a pele de sara escurecia cada vez mas. e seus olhos azuis perdia a cor, perdia a vida.

- SARA...... ( Bryan grito com todas as forças do seu corpo e   saiu correndo em direção ao  espirito que a penas, olho para os fundos dos olhos de Bryan que o fez parar e cair em escuridão profundo .. onde via seus maiores medos, seus piores pesadelos que ja teve em sua vida, bryan agora estava perdido em si mesmo.)

Em meia a escuridão só havia o silencio e nada mais,seu corpo parecia que não mas existia, uma paz inesplicavel.
- onde estou ? que lugar é esse ?
Uma voz surge
-Nada e perfeito, nada e real,tente encontrar a saida.


DaviCastello
Enviado por DaviCastello em 27/10/2007
Reeditado em 05/02/2012
Código do texto: T712330
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
DaviCastello
Osasco - São Paulo - Brasil, 28 anos
4 textos (1462 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/17 23:05)
DaviCastello