Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ROMANCINHO

    O olhar obliquo sempre para o lado da sua simples mesa de pinus: a luminária sorria-lhe ligada, iluminando o quadrado onde estava a ler atenciosamente, no quarto fresco e escuro com qualquer outro a dormitar ali num canto.
   O silencio total se existisse o endoideceria, mas a paz imóvel era conforto e conhecimento.A luminária sorria para ele cheia de vida, alegria e esperança.
   Minha luminária – dizia repleto de prepotência branda, desviando-se um pouco de sua atenção entretida e egoísta.
   Como se pudesse chorar com as paginas do livro, emocionava-se com o cheiro de lavanda do desinfetante pela casa durante o dia.
   Aquela noite seria como muitas que viriam e se passariam: sozinho com sua luminária.Ela era jovem, calma e sorridente.Quase podia ouvi-la falar, assim como a olha de esguelha ela o olha de frente com um sorriso vivo de pessoa útil.
   Sim, a luminária!
   Sabia que durante o dia ela vivia a covardia da solidão análoga a covardia que ele vivia entre seus comensais.
   Mas eu te amo, ele diria sempre ao chegar depois de derrotado de mais uma batalha inútil.
   Abraçava terno, lento a cabeça fria de sua companheira, demorava as noites insone em sua companhia porque a amava alem de tudo.Porque mais importante que sua realização intelectual era ver a felicidade dela: a sua luminária.Ela sim, exclusivamente a si pertencia.
   O mundo girava sobre a abobada do céu transformado ele só desejava seu mundo secreto, recôndito e exíguo.Seu mundo e o da sua luminária.Assim a cabeça dela quente: o calor da vida, a silhueta de um sorriso aparentemente existente.
   Houve um silencio dentro do seu pensamento, um secreto silencio pleno com sua mente sem mais nada a procurar: a luminária falava, falava baixinho, num ciciar respeitoso de voz.A luminária abria a verdade singela de sua imperecível existência: Amava-lhe.
   Havia coragem densa e forte na relação dos dois: A confissão.Existiam sólidos acreditando e sem medo da morte.
   Mas nunca te separes de mim - era a luminária   pedindo humilde.
   Não, nunca – afirmava distraído com o que o olhar o puxava.
   A luminária pedia ignorando que a vida de cada um era um rumo ao fim secreto e individual.Ele apenas queria observar o momento sedento a cada instante um com a companhia do outro.A paz conquistada por cada momento se esperando a guerra – que por bem – não vinha.Fora deste circulo funcionava o nada turbulento de um mundo devorador em dias e horas.
   Às vezes quando nada mais dizia por fora é que dentro a  luminária falava compreendida de sentimentos, entrecortada nas palavras por reticências.Sorriso vivo de pessoa útil, acesa como a alegria e a esperança.Mera como a coincidência.Permanente e evanescente ao mesmo tempo.Azinhavre e doce como o medo ansioso de saber o que um dia pode se perder.
   A certeza!
   Recordar era um cheiro dentro e difuso: ao dia pela noite chegando.
   A poeira chegava a ela sem que ela tivesse forças para lutar, porem tinha sua recompensa: a afável e duradoura declaração de amor silenciosa.
   Mas ele era como os seres humanos sem ignorância: louco, e dizia-lhe no que ela já sabia: amava-o .
   O beijo era o prender de uma nova lâmpada ardente em sua boca. O sexo era o segredo de mundo sem limites Às suas vistas.Assim tinham orgasmos, vivendo a saudade já dentro do presente como se o que pudesse fugir – sem ser notado – pudesse ser flagrado como fotografia a cada se mover.
   Em certos momentos – sem que depois quase pudessem lembrar – havia uma virgula após a outra; ficavam repletos, acesos de um amor tranqüilo sem exigências ou perspectivas.Ele voltava sempre doido para casa na busca da sua luminária. Era aconchegante dizer o quanto a amava. Assim o que a instantes o corara como navalha passava sem mais dor e vestígios, como poeira que sumira num assopro ou espanar.
   Apesar de tudo, escondendo isto da luminária, com toda verdade de sentimentos que vivia, ele se sentia – ao fundo falso de si mesmo – como um fiapo de nuvem num céu atordoado de azul.






   Rodney Aragão, 17 de setembro de 2007.
Rodney Dos Santos Aragão
Enviado por Rodney Dos Santos Aragão em 17/09/2007
Código do texto: T656885

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Rodney Aragão). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rodney Dos Santos Aragão
Cabo Frio - Rio de Janeiro - Brasil, 44 anos
188 textos (8694 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/17 03:44)
Rodney Dos Santos Aragão