Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Moça na chuva

Noite. A rua corria iluminada. As pernas ligeiras esperavam os sinais verdes. O ar cantava entre os prédios. Prenunciava chuva. As marquises como galinhas se preparavam para aninhar as pessoas-sem-guarda-chuvas. Era uma linda noite de verão. Eu não tinha o que fazer naquela noite. Encostei-me a uma marmórea parede de um prédio empresarial e pensei que poderia por ali ficar um pouco mais e assistir ao correr das pessoas apressadas devido aos grossos pingos de chuva que logo cairiam. Trovejava. A cada mudo raio seguia-se agora um ensurdecedor estrondo fragmentado. Percebi que se corresse, todo o meu terno de linho amassado também ficaria molhado. Resignei-me. Não estava com pressa. Meus pés me suportariam. Comecei minha observação acurada, sinto necessidade de estudar as pessoas, observar suas reações diante de determinadas situações. Sob a chuva de frente quente era uma dessas situações, ela vem caudalosa, oblíqua, iluminada e ensurdecedora. Era sexta-feira, dia em que parece que todos  vão para suas casas , trabalharam toda a semana, e agora merecem o justo descanso dos Trabalhadores...
Já pingoleava fortemente. Grossos, os pingos como bolas de gude líquidas atingiam alguns transeuntes ou estatelavam-se nas calçadas mornas. Uma mulher de olhar oriental apertava o passo e a bolsa, e num curvar-se protetor parecia proteger todo o seu corpo. O ataque da chuva intensificava-se. Um clarão iluminou todas as faces e fez todas as pernas se apressarem. Trovejou. Correria de mães e filhos, de secretárias, de office-boys, de advogados, de maridos, de gente de bem, de de mal. A chuva agora parecia um caldo entornado do céu, grosso. Meus sapatos enchiam-se de pingos salpicados pela calçada. Não havia como salvá-los. Deixei-os. Meus olhos subiram até o horizonte e sorriram com a cena de um rapaz que parecia sorver toda a chuva, não se importava com os outros, não se aninhou embaixo da galinha, ao contrário, viveu todo aquele momento diluvial, a camisa, a calça, os tênis, carne ossos e alma encharcados, e eu preocupado com o meu terno que já era amassado! Uma senhora tentava proteger... proteger... você já viu alguém se protegendo de uma chuva dessas?
Outro clarão e eu vi ,do outro lado da rua, dois olhos negros, clareados pelo raio, pareciam luzes, que se apagaram com o raio, queria vê-los de novo, não me arriscaria a atravessar aquele rio vertical, esperaria outro raio, fixei o olhar nos dois pontos negros outrora luminosos à espera de novo clarão... esperei... esperei... veio! Como uma foto! Linda, molhada, os olhos, a boca, leve sorriso, leve sorriso? Ri, mas como, pra mim? Nem a conheço!... Quem sabe... Não esperaria outro raio surdo. Atravessei o rio para ver de perto aquela obra de Rodin, intrigado cerrava os olhos para ver os olhos negros que me sorriram, e à medida que me aproximava, encharcava-me. Vislumbrei a marquise, a loja, uma chapelaria... e ela! Sorria-me ainda! E continuava a sorrir a foto na chapelaria que dizia: Se você ainda não tem um dos nossos guarda-chuvas, sorria, nem tudo são flores!
Jarbas J Silva
Enviado por Jarbas J Silva em 24/09/2007
Código do texto: T666898

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Jarbas J Silva
Curitiba - Paraná - Brasil, 59 anos
26 textos (1412 leituras)
6 áudios (133 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 21:11)
Jarbas J Silva

Site do Escritor