Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

127 - Cento e Vinte e Sete

 Não seria um mentiroso vulgar. Presumo mesmo que Bernardo fosse mais um criador de estranhezas, um tipo que gostava de ver os ingénuos abismados fosse qual fosse a narrativa. Quando um dia tomava banho nu numa praia deserta, ela veio, contou. Achou insólito que uma mulher também estivesse nua no banho nocturno. O luar era tão intenso que se viram em pormenor. Que boca, que dentes, que seios, disse aos ouvintes presos do que diria a seguir. Era tímida e sorria de longe mas tudo o que olhava e ria eram recados fortes para um desamparado Bernardo, ali metido no mar, visto em detalhe, excitado. Claro que ela gostou de saber. No abraço é que senti, abaixo da cintura, o começo das escamas. Venham-me agora dizer que elas não existem, concluiu.

Edgardo Xavier
Enviado por Edgardo Xavier em 25/12/2019
Código do texto: T6826796
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Edgardo Xavier
Portugal, 74 anos
2691 textos (44574 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/09/20 12:09)
Edgardo Xavier