Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Susto arretado

(Terê das Bêra Mar)

Mia cumadi di Ismerarda
pur Deus num faça isso mais!
Quando li vosso biete,
dei inté um pulo patráis
Cuma imagi das chorona
falano meio babona...
"só cumigo ce num faiz!"

Cada um é cada um
eu num sô preconceitosa,
si uma amiga si disvia
nem pur isso é disonrosa,
Mai isso qui a siora qué
nem a mando de lucifé!!
dexe de sê iscandalosa.

Mai dipoi cum bem mai carma,
vortei a lê o tar biete,
purqui tava inconformada,
co esse rabo di fuguete.
Inté parei de suá,
cumecei a gargaiá,
guardei cum amô seu lembrete.

Cê num era sapatão,
cunforme havia pensado,
tava só cum ciuminho
módi eu tê lá duetado,
co a tar pueta grandona,
qui nada tem de chorona
e foi um prazê redobrado.

Na verdadi, cumadinha
dueto me mete medo,
atráis dessas parceria
dasveiz si iscondi segredo.
Intão eu só pido  as veiz
quando a pueta é docêis,
que eu cunheço os arremedo.

A grandona já drumiu
nu meu cafofo, cumigo
faaaaala feito maritaca
purtanto num tem pirigo.
Nóis fizemo confidença,
sabemo das saliença,
inté das dor, dos castigo.

Mai prometo, mia cumadi
que vô lhi invadi tamém,
quarqué uma horinha dessa
chego junto nu seu trem.
Acrescento umas bestagi,
lá na vossa iscrivinhagi
tá feita a reza e o amém.

Mai pur favô pára cuisso,
num careci choradera,
Bêra Mar é o que mais tem
dá pra tudas cumpanhera.
Verso tem di batelada,
iguar cuêia emprenhada,
ah si vendesse na fêra!

Fazia logo uma banca,
lotada di puesia,
tinha de amô, di sodadi,
di paxão, di istripulia...
Dicerto que eu inricava
e podeno inté ispaiava
cascaio na friguisia.

Nunca na vida eu dexava
rachá a conta lá dos trago
que nóis bebe cum vontadi
mai pa pagá é um istrago.
Juntava os tar paperzinho,
e sem nada de mesquinho
falava: - Dexe que eu pago!

E as hospedagi tamém,
ia sê bem miorado
tê canto pra todo mundo
sem durmi im corchão infrado.
Ah que gastança danada!
Ia sê aqui na Baxada,
vendeno verso insacado.

Mai vamu pará cum isso!
Que as coisa num é bem assim,
nóis sabi bem o trabaião
que dá pa arranjá dindin,
inda mai cum puesia
si assim sesse, bão foria,
o que rendi é só timtim.

Mai duetá nóis dueta,
fica o dito registrado,
eu devo aí pra pueta
um suneto caprichado.
Só tem que me prometê
que ciranda num vai sê
que o povo tá injuriado.

Puxadera de ciranda
tá co as fama isfarrapada,
parece inté paridera,
junto com as fiarada.
Atraís dela a fila vem
que maió ou iguar num tem
si lê tudo num lê nada.

Inté minha cumadinha
vai meu abraço e supapo
Bêra Mar nunca prometi
prometeu, cumpri di fato.
Co a siora eu nunca faio
módi que nu meu baraio
sióra é o bati e fim di papo.

(Tere Penhabe)
Santios, 12/09/2009
www.amoremversoeprosa.com
Tere Penhabe
Enviado por Tere Penhabe em 13/09/2009
Código do texto: T1808454


Comentários

Sobre a autora
Tere Penhabe
Santos - São Paulo - Brasil, 66 anos
252 textos (29215 leituras)
5 áudios (647 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/05/21 00:36)
Tere Penhabe