Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A SEXTILHA NA LITERATURA DE CORDEL

Eu peço sua licença

Para falar da estrutura

Do cordel, tão lindo estilo

Dentro da literatura.

Sou fã incondicional

Dessa popular cultura.



Uma estrofe se costura

Com a metrificação,

Com rimas muito perfeitas

E também com oração.

Eu vou falar da sextilha

Preste bastante atenção.



Vou ressaltar, de antemão:

Quadra foi utilizada,

Estrofe de quatro versos,

Hoje é pouco propagada.

A que tem cinco, a quintilha,

Está quase abandonada.



A sextilha aqui citada

É usada largamente

Por diversos escritores

De nossa amada vertente.

É estrofe de seis versos

É fácil, amigo, tente!



O que se vê comumente

No tocante ao seu esquema

É usar uma só rima

Que não tem qualquer problema.

Basta ter inspiração,

Escolher bem o seu tema.



No seu mais simples sistema

Dessa forma é feito o texto:

Só rimam os versos pares,

O segundo, quarto e sexto.

Os demais ficam sem rima

Para errar não tem pretexto!



Sem sair desse contexto,

A sextilha usei aqui.

Um troço chamado "deixa"

Nestas linhas eu segui.

Esclareço, sem demora,

Como a obra construí.



Meu perdão se confundi.

Eu explico, meu leitor:

"Seguindo a deixa" peguei

Lá da estrofe anterior

O seu verso derradeiro,

Rimei com o sucessor.



É preciso ainda expor:

Na sextilha são cabíveis

Esquemas outros, distintos.

São nessa estrofe plausíveis,

Estão à disposição

Alternativas incríveis.



Dentre todos os possíveis,

Do tal "aberto" tratei,

Com rimas nos versos pares,

Conforme já mencionei.

Inclusive foi com ele

Que este texto elaborei.



Há vários outros, eu sei.

De mais dois apenas trato.

O "fechado" é atrativo

Para o amigo literato.

Não conhece, nunca viu?

A charada agora eu mato.



As rimas pares, é fato,

Entre si são combinadas.

Primeira, terceira e quinta

Hão de ser também rimadas.

Vou mudar o esquema agora

Para mostrar as danadas.



As rimas são colocadas

Todas no lugar devido.

Sonoras, sintonizadas

Fazem bem pro nosso ouvido

As palmas são variadas,

O poeta é sempre lido.



Outro esquema permitido

É chamado de "corrido".

Eita, que mudei de novo!

Foi somente pra mostrar

Como se pode criar

Uma estrofes dessas, povo!



Assim, acho que promovo

O cordel, minha paixão.

Espero, sim, ter cumprido

Mais uma boa missão.

Se gostaram, agradeço.

Até mais, um abração!
Jerson Brito
Enviado por Jerson Brito em 16/07/2010
Reeditado em 08/07/2018
Código do texto: T2381276
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Jerson Brito
Porto Velho - Rondônia - Brasil, 48 anos
1868 textos (206323 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/09/21 22:34)
Jerson Brito