Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A CACHORRA DE PARIS


Com esse tal de baile funk
ficou tudo sem respeito,
a família virou punk
e educação não tem jeito

Prestem muita atenção
pra história que vou contar,
não é nenhuma invenção
tudo que aqui vou narrar

Conheci uma menina
muito bem apessoada,
coitada da sua sina
bem cedinho ficou lesada

Foi pra França estudar
e não aprendeu a lição
Só pensava em namorar,
veio daí a perdição

A família, gente fina
mandava grana da boa
mas a maldita menina
queria ficar à toa

A madrinha, mui carola
mandava presentes finos,
até suco de acerola
e docinhos quase divinos

A menina nem ligava
para qualquer regalia,
mais à toa ela ficava
e assim curtia a alegria

Todos pensavam que ela
estava muito estudando,
que Cultura vivia nela
e a vida ia levando

Mas a pobre baianinha
estava era na bandalha
não aprendia nadinha;
vivia com gente canalha

Pensava que "pomme de terre"
não era coisa de comer
Nem lendo o tal do Voltaire
ela conseguiu aprender

Quando descobriram a verdade
foi verdadeiro alvoroço:
se espalhou pela cidade
que a pimpolha era um caroço

A família da Bahia
plantadores de cacau
não via chegar o dia
de castigar-lhe com pau

Uma surra bem danada
para a menina aprender
que dinheiro é coisa suada
e não é pra despender

Cortaram assim a mesada
e deixou-lhe a ver-o-léu
Não teve jeito, a coitada:
foi trabalhar num bordéu

Depois de muita andança
sem conseguir o que queria
foi logo expulsa da França
voltando assim pra Bahia

Quando chegou na Bahia
a família muito fina
não contou o que sabia
da filha pra lá de traquinas

Quis arrumar um partido
logo; belo e apessoado,
assim ficava garantido
um casamento apossado

Mas a menina, a escrachar
arrumou foi um bom tigrão
e passou logo a desfilar
sua febre de tesão

Ia pro baile e dançava
o belo e bom vai-e-vem
diziam até que esperava
no bucho um filho do trem

Levava tapa na cara,
sorria e achava bom
Carinho era coisa rara
sem sair nunca do tom

Vivia de noite em noite
numa louca brincadeira
acalmando o seu afoite
com a dança da cadeira

Assim viveu pertubada
Como pode e como quis
Na turma era chamada
de A Cachorra de Paris

Fernando Tanajura
Enviado por Fernando Tanajura em 29/07/2005
Código do texto: T38553
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Fernando Tanajura
Estados Unidos
1631 textos (163237 leituras)
1 e-livros (179 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/07/20 18:43)
Fernando Tanajura