DESAMOR  III

 Por favor, fica comigo,
Eu não te quero prender!
Tu estás sempre escondido,
Só me respondes, por quê?
Um pouquinho só que seja
Do que alguns têm em dobro,
Eu só queria saber,
Porque tantos têm tão pouco?

Jamais saberemos quantos
Com certeza te conhecem;
Por mais que se passem os anos,
Você de tantos se esquece...
Existem muitos com tanto!
E tantos, que só padecem,
Perdem-se nos desenganos
Achando que não merecem.

Navegam na contra mão,
Banham-se no próprio pranto,
Aquecem-se com a solidão
E se comparam a tantos...
Indagando a toda hora
Ao seu próprio coração,
Por que que ele tanto chora?
Só quer saber a razão...

Mas esse não lhe responde,
Dá calado por resposta
E em silêncio  se esconde.
Por falta de amor, e chora.
Um pranto que ninguém vê,
Mas a dor...É tão intensa!
Que pode até se perder
Longe da fé e da crença.

Por isso é que alguém suplica
Um pouquinho só de amor!
Sem isso não existe vida
E mergulhamos na dor,
E fingir não justifica
Por sentir-se um sofredor.
E mesmo assim se limita
Escondendo o desamor.