Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O DEBATE ENTRE LULA E FREI BETTO NA PORTA DO PURGATÓRIO!

Como Dante no Inferno
Nos tempos de antigamente
Vi Frei Betto em um sonho
Pisando em uma serpente
Espantando a Mosca Azul
Que picou o Presidente.

Estava no Purgatório
Em busca do Lulalá
Que foi mandando pr’alí
Por Deus sem lhe consultar
Frei Beto ia convencer
Lula a no Inferno ficar.

– Quando eu te conheci
Tu era um trabalhador
Vinha do meio operário
E era o proclamador
De um novo tempo e ordem
Que o povo tanto esperou.

– Meu Freizinho por favor
Lembre da nossa amizade
Que passou dos vinte anos
Com muita sinceridade
Se eu pequei foi sem saber
Fiz só por necessidade.

– Eu não terei piedade
Pois sei da sua intenção
Acompanhei sua luta
E doei meu coração
Por isso quero que tu
Vá viver junto do cão.

– Deus sabe que eu tentei
Ser honesto e honrado
Mas ao chegar ao poder
Fiquei do lado errado
Eu quis ajudar o povo
Mas fui mal orientado.

– Mal orientado não
Você foi pernicioso
Fez somente o que quis
E fechou muitos acordos
Com antigos inimigos
Que tinham salários gordos.

– Mas a luta do operário
É pra todos ganhar bem
Não adianta lutar
Para ser um Zé Ninguém
Alguém só é respeitado
Por aquilo que obtém.

– Que bom que no purgatório
Tu fala toda a verdade
Pena que não usaste um dia
Da tua sinceridade
Revelando para mim
A sua ambigüidade.

– Não me fale tão difícil
Pois eu não sou um doutor
‘Umbigüidade’ pra mim
É quando o cabra tem dor
Bem cá no pé do umbigo
Que lhe causa um estupor.

– Estuporado estou
Por ouvir tanta asneira
Eu te ensinei a falar
Sobre coisas mais ordeiras
Mas vejo que continuas
A só cuspir baboseiras.

– Não venha com preconceito
Pois eu também te ensinei
Tu só conhecia o povo
Dos livros e das matinês
Era um Frei enclausurado
Sobe os livros de mil Reis.

– Reconheço que você
Foi o maior representante
Do povo enquanto lutava
De forma esbravejante
Mas se encantou com o poder
E o champanhe espumante.

– Não toque nesse assunto
Pois é o meu ponto fraco
Deus há de me perdoar
Pois larguei logo o tabaco
Mas ta difícil largar
O meu vício pelo álcool.

– Não quero aqui entrar
Nos assuntos pessoais
Pois é justamente aí
Que a reputação cai
Melhor seria que nada
Fosse uísque paraguai.

– Nunca bebi uísque
Que fosse falsificado
Charuto só do cubano
Churrasco só do bom gado
Ser Presidente é bom
Tu é só um despeitado.

– A inveja não faz parte
Da minha reputação
Nunca fui alienado
Queria a Libertação
Fui preso e torturado
Por crer na revolução.

– Revolução é tolice
Coisa de intelectual
O que o povo quer mesmo
É um dia ser o tal
Não importa se com luta
Ou de forma ilegal.

– Toda a sua consciência
Passou por um revertério
Nunca vi ninguém mudar
Assim de modo tão sério
O meu desejo maior
É te ver no cemitério.

– Praga de padre não pega
Pois seria um pecado
Desejar o mal ao próximo
Pra Deus não causa agrado
Bem que o Freizinho podia
Me anunciar perdoado.

– Deus ‘tá te dando a chance
De pagar pelos seus erros
Aproveite o momento
Pra se livrar dos apegos
Dos amigos de má fé
Revele todo o segredo.

– Eu não sabia de nada
Fui o corno da história
O último a saber tudo
De maneira vexatória
Sei que o meu governo
Agiu de forma irrisória.

– Você podia ter feito
Um governo diferente
Mas achou muito mais fácil
Maltratar a sua gente
Enriquecendo os ricos
De maneira indecente.

– Os pedal da bicicleta
Tem menas força pra trás
O futebol e a política
Se parecem por demais
Por isso eu jogo bola
Que é coisa que tu não faz.

– Os movimentos do povo
Estão muito insatisfeitos
Os sem terra e os sem teto
Os sem saúde sem emprego
Você nem olha pra trás
Virou um grande pelego.

– O companheiro se esquece
Do quanto que nós sofremos
‘Tou com o poder na mão
E não vou deixar por menos
Aproveitarei de tudo
O povo acaba esquecendo.

– Um militante da esquerda
Pode vir a perder tudo
Liberdade emprego vida
Por agir com atitude
Menos perder a moral
Que é sua maior virtude.

Frei Betto estava frustrado
Com tudo que aconteceu
Ele creu no Fome Zero
Mas a fome não cedeu
Virou esmola pros pobres
E o seu sonho morreu.

Os escândalos constantes
Desmoralizam o governo
A elite aproveita
Pra no povo meter medo
Que Lula é igual a todos
Só ‘tá lhe faltando um dedo.

Frei Betto ainda insiste
Com as causas populares
Mas não crê num novo líder
Somente em comunidades
Com o povo irmanado
Pela solidariedade.

Luís Inácio está
Tentando a reeleição
Sorrindo de orelha a orelha
Com os aliados de plantão
Que querem manter a vida
Dentro do antigo padrão.

Salvador – Ba / Março 2006
Cordel Jotacê Freitas
Enviado por Cordel Jotacê Freitas em 13/05/2017
Código do texto: T5998229
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cordel Jotacê Freitas
Salvador - Bahia - Brasil
17 textos (4221 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/17 20:27)
Cordel Jotacê Freitas