Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Confusão No Busão

Poema de Cordel: Confusão No Busão
Autoria: Aberio Christe

Aconteceu que certa vez
Uma mulher bem distinta
Para um ônibus fez sinal,
Enquanto separava os três e trinta
Para pagar a condução
Que lhe levaria até o mercadão,
Distante umas cinco quintas.

O motorista Seu Fulano
Pisou no freio e foi parando,
Acionou a porta e ela abril,
A mulher devagar foi entrando,
Mas o chofer esperar não quis,
Arrancou com o carro, o infeliz,
A pobre coitada derrubando.

A mulher ficou no chão
E a lotação seguiu seu destino
Com os passageiros assustados,
Pois não entenderam o desatino,
Distraíra-se o homem ao volante
Ou seria o tal assim ignorante
Demais irresponsável e tão cretino?

Alguém gritou que parasse,
Mas o condutor nem ouviu,
Mudou a marcha e acelerou,
Outro passageiro também pediu:
“Pare o ônibus, senhor motorista,
“Tem uma mulher caída na pista”
E outro passageiro ainda sorriu.

Foi aí que a galera se dividiu:
“Segue a viagem, tenho compromisso”
“Não, é preciso socorre-la sem demora”
“Eu não tenho nada haver com isso”
“Toca o barco o mais rápido puder”
“Que se vire sozinha a mulher,
“Pois ninguém aqui dá conta disso”.

Pelo bem alguém argumentou:
“Lembrem-se de Jesus a passagem
“Sobre o homem que foi assaltado
“E machucado ficou da rua à margem,
“Sem assistência nem atenção,
“Já deixaria de bater o coração
“Daquele que não seguia mais viagem”

“Muitos crentes apressados
“Não se importaram com o ferido,
“Não fosse aquele estrangeiro
“Que, pelos judeus, não era querido,
“Faleceria uma vítima da violência
“Que não merecera a decência
“Dos servos de um Deus bendito”.

“Mas o estrangeiro se fez próximo
“De uma pessoa que nem conhecia,
“Vitimada pela violência de uma cidade
“Infestada de injustiça e vilania,
“Como também da falsa piedade
“De uma tal religiosidade
“Encharcada na hipocrisia.”

O motorista cansado da pregação
Pisou no freio e parou no meio-fio
Abriu porta de trás e berrou:
“Vocês parecem cadelas no cio,
“Ficam latindo em meus ouvidos
“Coisas que nem têm sentido,
“Não quero ouvir mais nem um pio.”

E antes que alguém retrucasse
Ele continuou dando seu pito:
“Não quero saber de sermão aqui,
“Este ônibus é meu e tenho dito,
“Quem quiser descer, faça o favor,
“Mas não me venha fazer terror,
“Vamos logo acabar com esse agito.”

Uma parte dos passageiros
Bateu palmas lhe dando apoio,
Outra parte soltou uma bela vaia,
O motorista piscou com o olho
Pois percebeu que tinha maioria
E bem dessa, então se sairia
Não seria atirado no arroio

Ninguém disse mais nada,
Pois não havia quem quisesse descer,
Os bons e os maus se uniram
Em um silêncio de fazer doer,
Uma quietude de omissão
Imperou naquele busão,
O herói ali, não quis aparecer.

O motorista deu uma gargalhada,
Tornou a fechar a porta,
Engatou o veículo e prosseguiu,
Já que a vida alheia não importa
Vamos todos para o ponto final
Pois ninguém deu sinal
De querer ajudar a quase morta.

Quando se aproximavam
Enfim, do destino derradeiro,
Uma placa apontou à direita,
Levantou-se logo um passageiro:
“Motorista, pare este coletivo,
“Este lugar não é meu objetivo,
“Quero ir além daquele outeiro”.

Respondeu o motorista:
“Aqui não têm nenhum ponto,
“Não me é permitido parar,
“Você vai conosco e pronto,
“Nós já vamos entrar no portal,
“Ali é um lugar sensacional,
“Creia, não estou fazendo conto.”


E então todos entraram
No condomínio do inferno,
Os malvados e os omissos,
De calça jeans ou de terno,
Semianalfabetos ou doutores,
Empregados ou senhores,
Levados para o fogo eterno.

Aberio Christe
Aberio Christe
Enviado por Aberio Christe em 14/05/2018
Código do texto: T6336201
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aberio Christe
São Paulo - São Paulo - Brasil
39 textos (1031 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/09/18 18:20)