Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Saga Dos Sertões

Enquanto o sol açoita,
A flora robustece
Com gotas d’água na mão.
Umbuzeiro é para o sertão
Como lápis para o escritor
No fato da devastação.

Correm em descompasso
Magros bois famintos
Em busca do último repasto.
É inclemência do céu;
É solo calcinado:
Sofreguidão por todo lado.

O homem sertanejo
Atravessa a vida em ciladas:
Em surpresas repentinas.
É luta aberta com o meio;
É enfrentar a terra árida:
Onde viver é uma sina.

O Planalto da Borborema
Impede a chuva na caatinga:
Castigando a população.
O arrocho do problema
Das mortes na restinga
Faz da vida mera habitação.

Antônio Conselheiro –
Do povo, o apóstolo –
Tem sua missão.
Da República e impostos,
O sacerdote, em pregação,
Busca a libertação.

Do que o “Anti-Christo” e a “lei do cão” –
“Pecados mortais de uma nação” –
Prefere nhêta a Monarquia.
A multidão o segue em procissão;
Pelas portas, a povoação
Tange as notas da ave-maria.

Os aliciadores de seita
Aproveitam o ensejo,
Dizendo a todos em súplica:
“Ir a Canudos, à espreita;
Pois n’outros lugarejos
Têm a praga da República.”

Com a “Divisão Salvadora”,
Domam terra arredor de Canudos:
Fortaleza sem muros.
Tecem trincheiras e veredas,
Dando o ar de um ambiente
Lúgubre e escuro.

As hordas atrevidas
Usurpam casas e pastagens:
“Conquistam” as cidades.
Apossam-se das vilas
E põem templos em cima.
Oxê, sanidade!

O jagunço de São Francisco –
Salteador na guerra –
Sucede ao garimpeiro –
Saqueador da terra.
Dos Cariris, o cangaceiro,
Os quadrilheiros, aferra.

Quatro expedições são enviadas
A rumar o Arraial em nada.
Nessa peleja e impasse –
Bandeirante contra padre;
Vaqueiro contra exército –
Tem martírios e flagelos.

Na Campanha de Canudos
Tombam as igrejas:
Estilhaçam a herança.
Falece a 22 de agosto
Antônio Conselheiro:
Findando a esperança.

São dias de tortura...
Canudos perece no nordeste.
Ante 5000 soldados rugindo
Restam 4 defensores no agreste.
5000 lares desmanchando...
25000 mortes em 97*.



                                                                                               *1897.
Antonio Carlos Valentini
Enviado por Antonio Carlos Valentini em 03/12/2019
Reeditado em 03/12/2019
Código do texto: T6809813
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antonio Carlos Valentini
São Lourenço do Oeste - Santa Catarina - Brasil, 19 anos
42 textos (2563 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/19 01:01)
Antonio Carlos Valentini