Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

As prueza dum baianu recém nacidu - setilha


Inda nun tava no tempo
Deu saí pra luiz eu vê
Cum cinco mêiz la dentu
E doidin para eu nascê
Cun um trancu na barriga
Nu’a cuntração sem fadiga
É que minha mãe foi mi tê.

Ela tava catando café
Condu vêi u’a tremedêra
I di repenti lá imbáxo
Começô a corredêra
A borsa de água pocô
I ançim foi que pispiô
Eu sainu nas carrêra.

Cum a rudia da cabeça
Mia mãe forrô u xão
Sem partêra sem ninguém
Nacia aqueli maxão
Imbáxu dum pé de café
Só eu i aquela muié
Trabaianu na partação.

Primêru botei a cabeça
Pra cá fora eu oiá
Cuma tava u ambienti
Eu quiria intão ispiá
Meus zóio logu abrí
Mai cum u frio qui sintí
Dei vontadi di vortá.

Entonci cum mutio isforçu
Apariceu minhas mão
Qui grudei nu pé de café
I fiçu u’a força intão
No ripuxu us pé saiu
Só mia mãe foi quem viu
A minha labutação.

Cuma nun tinha tizôra
I cum u ripuxu qêu dei
Saí daquele imbaraçu
Xêi de sangui vremêi
U cordão umbilicá
Dei um xuti foi pra lá
Qui inté ôji num incrontei.

Eu vi mia mãe peganu
I oianu us meu caxu
I disse oianu pru céu
Ó meu Deus, é um maxu!
Ela sigurô us baguin
Despois surriu pra mim
Incontu eu caía imbáxu.

Eu currí lá pra bica
Para pudê mi lavá
Pra tirá aqueli sanguêru
Qui istava a mim sujá
Cum u sabãu de cuada
Cumeçêi a impreitada
Para eu pudê mi lavá

Mia mãe mais qui di préça
Foi logu nas bananêra
Tirou’a fôia bem larga
E vortô já nas carrêra
Fêiz uma frarda pra mim
Queu fiquei bunitim
Qui durô a sumana intêra

Fui pra casa camiandu
Eu i mais minha mãe muié
Qui inté inda li ajudei
Carregá aqueli café
Cum um sacu de istôpa
Vistiu pra seuvi di rôpa
Êçi piquenu tabaré.

Quando a partêra xegô
Eu já tava li isperanu
A água mermo eu isquentei
E ôtro bãin tava tomanu
Quando a porta ela abriu
Que aquele minino viu
Não estava aqerditanu.

Foi fazê minha papinha
Eu falei não faça não!
Eu nascí cum mutia fômi
Eu queru é arroiz cum fejão
Joguei longi a mamadêra
Que eu vi a quebradeira
Do candiêru lá nu xão.

Meu pai condu xegô
Quase mórri du coração
Pru vê aqueli seu fi
Todu ali bem bunitão
Priguntou pra mia mãe
Ci eu já tinha tomadu bãi
Quandu viu eu nu coxão.

Arregalô bem seus zói
Pois nun tava aquerditanu
Daqueli grandi bruguélu
Nacidu fóra dus planu
Cum cinco mêiz de barriga
Eli ficô nu’a intriga
Qui ficô barbucianu.

Eli ficô mais doidu
Quandu cumeçei a falá
Nóis tamu na era eletrôinca
Temus qui grobalizá
Nun pudia perdê mais tempu
Ci eu ficasse mais lá dentu
Garantu qui ia indoidiá.

Já nun tava aguentanu
Um trem pra cá e pra lá
Cum aquela cabecinha
Todo dia a mi impurrá
Intonci rizurví saí
I nóis istamus aí
Sem aquilu mi atanazá.

Soçê pensá qui é mintira
O pobrema é todu seu
Prigunti u Pedrin Gortara
Pois eli mi cunheçeu
Ci priguntá Mira Ira
Ela vai dizê qui é mintira
Mais Claraluna cunheci eu.
sabiadamata
Enviado por sabiadamata em 13/11/2007
Código do texto: T735711
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
sabiadamata
Barra da Estiva - Bahia - Brasil, 69 anos
21 textos (8838 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/17 22:52)
sabiadamata