Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SER BREGA...
 
Se for brega passear
Na ponte Newton Navarro
Nossa bandeira colar
No pára-choque do carro
Pro cine levar pipoca
Comer jinga e tapioca
Que por sinal eu me amarro...

Se for brega usar calção
Em casinha de sapê
Ir domingo ao "Machadão"
Ver América e ABC
Gritando alto e gemendo
Com a polícia metendo
O cacetete em você...

Se for brega um bibelô
Em cima da geladeira
Comprar disco em camelô
Usar colar e pulseira
Ter em casa camiseiro
Ventilador, candeeiro,
Estante e penteadeira...

Se for brega quem desfila
Sem saber pra onde ir
Beber coca com montilla
Ouvindo Luiz Almir
Virar menino sapeca
Ir ao morro do careca
Sem se cansar de subir...

Se for brega ser falante
Nas altas reuniões
Andar de roda-gigante
Nos parques de diversões
Lamber tampa de iogurte
Viver brincando no orkut
Dando asa às emoções...

Se for brega beber cana
Misturada com caju
Passar um dia bacana
Curtindo Genipabu
Fazer da vida uma festa
Se embriagar em seresta
E no luau ficar nu...
 
Se for brega guardar disco
De vinil, porta-retrato,
Soprar olho e tirar cisco
Fazer sexo no mato
Chorar ouvindo Alcione
The fevers, Bruno e Marrone,
Comer caranguejo em prato...
 
Se for brega é serenata
Ao ar livre, na calçada
De um amor que te maltrata
E em troca nunca dá nada
Tomar chá de capim-santo
E acender vela pra santo
Rezando de madrugada...
 
Se for brega usar jasmim,
Topázio, toque de amor
Ir à feira do alecrim
Usar chinelo de cor
Sair da praia do forte
Pra beber na zona norte
Local de grande valor...

Se for brega andar em latro
Com medo de ser notado
Ir ao mercado da quatro
Saborear um picado
Depois sair muito hilário
Ir pra pedra do rosário
Um dos tesouros do Estado...
 
Se for brega quem apanha
Transporte em rodoviária
Usa roupa de campanha
E faz na luta diária
Propaganda das AMs
TVs e até FMs
Na tarefa solidária...

Se for brega namorar
Na linda via-costeira
Transar olhando pro mar
Na madrugada faceira
Beber rum em vez de serva
Comer carne de conserva
Um tira-gosto primeira...
 
Sou brega, qual o problema?
Não devo nada a ninguém!
Sou isento do dilema
De mentir pra ficar bem
Sou nordestino com orgulho
E a falsa moral embrulho
Nas catacumbas do além.
 
Adoro minha cidade
Natal é a noiva do sol!
Povo de dignidade
Razão de cada arrebol
Pirangi é meu pijama
Estremoz é minha cama
E pitangui meu lençol.
 
Sou brega, graças a Deus!
Meu caráter não ruiu
E os humildes versos meus
Declamo pelo Brasil
E àquele que me renega
Censurando quem é brega
Vá pra puta que o pariu!
 
 
Nizardo Wanderley
Enviado por Nizardo Wanderley em 25/11/2007
Reeditado em 04/02/2008
Código do texto: T752083

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Ex: cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nizardo Wanderley
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil
679 textos (93000 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/17 14:13)
Nizardo Wanderley

Site do Escritor