Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

                                      CINEMA OLYMPIA

O CINEMA POEIRA MAIS FAMOSO DE Salvador,relembrado na música de Gil,não foi do meu tempo.Sei que “tinha pulgas nas gerais”,muito barulho,e,era freqüentado por pessoas de classes mais baixas e de má reputação.Gente pobre,pé-rapados,sem preconceito,nem belos trajes.Olympia era o cinema maldito.Ficava na Baixa do Sapateiro,eu alcancei o que lhe sucedeu,o Cinema Aliança,mas,nunca o freqüentei,acostumada que era,aos cinemas do Centro.

As matinês do Olympia começavam ás 12.30 ou 13hs,devido á quantidade de fitas que eram exibidas.À porta ficavam os toscos cartazes pintados á mão,anunciando o número de partes da película:o jornal,uma parte;a comedia,duas partes,curtas;depois,dois ou três filmes de cinco a seis partes e,por fim as séries de dois episódios.Tom Mix,Buck Jones,reinavam soberanos,faziam coisas indescritíveis;eram os reis do “ZÉ BRUNO”,sinônimo da mentira.Quem sabe lá a origem da expressão?Só sei que,a cada  culhuda(mentira difícil de engolir) a galera maltrapilha gritava:Zé Bruno,Zé Bruno...A barulheira que vinha de dentro chegava a incomodar quem passava lá fora,era uma gritaria infernal.A especialidade da casa era filmes de faroeste e mistério;todos torciam,aos berros e pulos,pela mocinha ou pelo galã.Os velhos bem velhos que conheci recordavam as emoções sentidas nas matinês,onde Douglas Fairbanks Jr.,Eddie Polo,Marie Walcamp,Harry Carey e a inesquecível “femme fatale””,Theda Bara e a ingenua Mary Pickford,além da irreverente e sensual Mae West,reinavam absolutos,sob a gritalhada da meninada em transe.Os lugares eram disputados.Os homens se aboletavam na geral-quero a geral- que podia ser um poleiro no último andar das varandas batizadas de frisas,camarotes,balcões e galerias,quando o cinema virava teatro,o que acontecia sempre.A geral mais barata era atrás da tela(!)onde se via tudo pelo avesso.Contam os antigos que,o Olympia tinha sessões picnic;quem freqüentava levava sua merenda,pois as sessões eram longa.Os serventes que faziam a limpeza encontravam papéis de “queimados(balas),cascas de laranjas,melancia,espinhas de peixe frito,pedaços de pão,vômitos de crianças e pinguços,capucos de milho,tabocas de sorvete,bagaços de cana e,-pasmem-espartilhos e calcinhas de senhoras,naquele tempo,chamadas calçolas.Voltando á Gil:”sustos,emboladas,espartilhos,gatilhos...

Tempo de gente feliz.

Os cinemas da Baixa do Sapateiro,hoje,ou se transformaram em cinemas pornô,freqüentados por homens de baixa classe,mocinhos ainda não inaugurados e velhotes aposentados ou em templos da Igreja Universal.Não sei qual dos dois destinos é o pior!

Miriam de Sales Oliveira
Enviado por Miriam de Sales Oliveira em 26/07/2008
Código do texto: T1098257

Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Miriam de Sales Oliveira
Salvador - Bahia - Brasil, 76 anos
1161 textos (268172 leituras)
2 e-livros (409 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/06/19 00:51)
Miriam de Sales Oliveira