Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A LIÇÃO DO "NEGÃO"

A LIÇÃO DO “NEGÃO”

Nelson Marzullo Tangerini

                      A velhinha, como de costume, acordou cedo e foi fazer suas comprinhas na feira do Leblon.
                      Podemos imaginar os passos cuidadosos de uma velha senhora, dona de uma sabedoria luminosa.
                      Próximo à barraca de bananas, a velhinha avista um garoto comendo da fruta e, em seguida, atirando a casca na calçada. Assim, sem a menor preocupação se alguém trilharia aquele caminho.
                      Vendo na criança um dos seus netos, a velhinha, indignada e prevendo um grande acidente, coisa muito comum a todos os idosos, aproxima-se do menino e, carinhosamente, lhe diz, com delicadeza:
                       - Meu filho, não faça isto. Alguém pode escorregar nessa casca, levar um tombo, quebrar uma perna, um braço, a espinha. Pode até morrer.
                       O pai, ao lado, que olhava a tudo, com extrema arrogância, responde à velhinha sem pestanejar:
                       - A senhora se meta na sua vida, na vida dos seus netos, sua velha nojenta. Vá para casa fazer tricô.
                       A velhinha ficou passada, decepcionada, sem ação, diante de tanta falta de educação.
                       Talvez aquele homem estúpido desencarne antes de ficar velho, não tendo tempo de sentir na pele o peso da discriminação contra o idoso em nossa sociedade.
                       Talvez a sociedade mude e ele ainda conheça outra velhice, não mais marginalizada por gente de sua estirpe e venha a se arrepender de atitude tão grosseira e tão covarde.
                        Pois bem... Um feirante, um baita “negão” de uns três metros de altura e dois de largura, que carregava uns cinco caixotes na cabeça, não se contendo com tanta ignorância, resolve interferir no assunto e diz carinhosamente para a velhinha:
                         - É isso aí, Vovó. Eu moro lá no morro, sou “criôlo”, não deixo meus filhos fazerem isso lá em cima e não trato uma senhora desta maneira.
                         Falando bem alto com a velhinha para o grafininho entender...
                         Pai e filho ouviram o que o gentilíssimo “negão” falou e, lógico, ficaram calados, diante daquele armário duplex.  Meteram o rabo entre as pernas e saíram de fininho, sumindo na multidão. (*)
..............................................................................................................................

                                    (*) Esta crônica  foi escrita a partir de um fato verídico. “A Velhinha” é uma de minhas tias, que, indignada, contou-me o ocorrido pelo telefone, me pedindo uma crônica, centrando a gentileza do cidadão que a defendeu. Conservei a palavra “Criôlo”, utilizada pelo próprio feirante, morador da Rocinha, e espero não ter problemas relacionados ao racismo.
...................................................................................................................................................

Nelson Marzullo Tangerini, 53 anos, é escritor, jornalista, poeta, compositor, fotógrafo e professor de Língua Portuguesa e Literatura. É membro do Clube dos Escritores Piracicaba [ clube.escritores@uol.com.br ], onde ocupa a Cadeira 073 – Nestor Tangerini.

nmtangerini@yahoo.com.br, nmtangerini@gmail.com
Nelson Marzullo Tangerini
Enviado por Nelson Marzullo Tangerini em 12/11/2008
Código do texto: T1279071
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nelson Marzullo Tangerini
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 64 anos
310 textos (24136 leituras)
9 e-livros (127 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/19 03:16)
Nelson Marzullo Tangerini