Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CASTELO DE ALMOUROL - A LENDA E A HISTÓRIA

 
O Castelo de Almourol localiza-se no rio Tejo, numa pequena ilha situada a norte de Santarém, a cidade onde vivo. Pertence á freguesia de Praia do Ribatejo, concelho de Vila Nova da Barquinha e distrito de Santarém.

Este pequena ilha com 310 metros de comprimento e 75 metros de largura, resulta de um afloramento de granito e não se sabe ao certo quando o castelo foi construido, mas em 1129 data da conquista deste local pelas forças portuguesas,  já existia e era chamado de Almorolan, o que motiva a suposição de ter sido edificado pelos mouros.

O castelo foi em seguida entregue á ordem dos Templários, que o reedificaram , sendo as obras concluídas em 1171, conforme inscrição ainda visível sobre a porta principal. Como responsáveis pela defesa da capital do país, que na altura era Coimbra, este castelo fazia parte de uma linha defensiva que o unia ao Castelo de Tomar, sendo provido de torres e uma estrutura em tudo semelhante ao mesmo.

Quando foi extinta  a ordem dos Templários e  completa a reconquista cristã, o castelo foi sendo esquecido pelos séculos seguintes, até que no século XIX,  com o Romantismo, o castelo foi redescoberto e alvo de obras que tiveram mais um cunho estético que prático, na busca pelos ideais medievais.

No século XX, o fascínio que o castelo exercia, estendeu-se ao Estado, que promoveu alguns eventos naquele espaço representativo das velhas tradições elutas dos guerreiros portugueses.

Mas como todos os locais antigos, o castelo tem as suas lendas. Uma das mais conhecidas refere-se a acontecimentos ocorridos  pouco depois da reconquista, quando ainda conviviam nas mesmas terras, mouros e cristãos.

O castelão, D. Ramiro,  era um guerreiro cruel, um homem violento e impulsivo, que odiava a raça invasora. Ele tinha uma filha chamada Beatriz, uma linda menina que vivia no castelo.

Um dia quando regressava das batalhas contra os mouros em direcção ao castelo, cansado e sedento, viu duas mouras que regressavam da fonte, com os seus cântaros de barro, cheios de água fresca, á cabeça.

Parou o cavalo e pediu de beber ás pobres mulheres que temerosas e aterrorizadas com o cavaleiro e o cavalo, se atrapalharam e deixaram cair as bilhas, que se partiram no chão derramando a preciosa carga.
Furioso D. Ramiro, atravessou com a sua lança as duas mulheres que morreram ali mesmo perante o olhar horrorizado de um jovem mouro que tinha acorrido ao local em socorro das duas, que eram a sua mãe e irmã.

D. Ramiro sem piedade, acorrentou o jovem mouro a quem levou para o castelo como escravo, colocando-o ao serviço da sua filha, Beatriz.
Mas o mouro jurou vingar a morte da mãe e da irmã, matando a esposa e a filha do impiedoso cavaleiro.

Daí a algum tempo, a esposa de D. Ramiro adoeceu com umas febres estranhas e acabou por falecer, consumando-se assim a primeira parte da vingança. Entretanto D. Ramiro sem desconfiar de nada, teve que partir para mais uma batalha, deixando Beatriz entregue á guarda do jovem mouro.

Este que se tinha apaixonado perdidamente por Beatriz, não teve coragem de a matar, pensando-se que lhe tenha contado toda a história e tenha obtido o seu perdão, pois também ela estava apaixonada pelo seu guardião.

Quando D. Ramiro voltou da batalha, não encontrou mais ninguém no castelo. De Beatriz e do mouro, nem sinal. O cavaleiro arrependido reconheceu os seus erros e prometeu emendar-se passando a ser mais piedoso.

Pelos  séculos seguintes, consta que na mais alta torre ainda se vêm por vezes dois vultos  abraçados, em certas noites escuras. São Beatriz e o mouro declarando o seu amor.

O Castelo de Almourol, foi declarado uma das sete maravilhas de Portugal. Se quiserem saber mais sobre este local encantado, acedam ao site oficial em:

www.castelodealmourol.com

E quando vieram para o Riabtejo incluam uma visita a este local no vosso roteiro. Podem crer que vale a pena. Eu já lá fui ao vivo e em imaginação. Podem crer que não me arrependi!


Fada das Letras
Enviado por Fada das Letras em 02/08/2009
Reeditado em 02/08/2009
Código do texto: T1733098

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Fada das Letras
Almeirim - Santarém - Portugal, 62 anos
244 textos (34747 leituras)
3 áudios (196 audições)
5 e-livros (293 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/11/18 03:32)
Fada das Letras