REENCONTRO NO RECANTO

Como diz o inesquecível CAZUZA “o tempo não pára” e eu costumo dizer que o mundo é redondo por isso, por mais que o tempo ande, circule, dê algumas voltas no espaço e no próprio tempo ele sempre nos dá tempo para que tenhamos tempo de reencontrar pessoas queridas que muitas das vezes achamos que haviam se perdido no tempo passado; sendo assim não é bem como dize uma canção de quem não me lembro no momento, seja o compositor, mas que foi gravada pela saudosa Elizete Cardoso e alguns outros intérpretes por esse país afora, que “quem acha vive se perdendo”, porque ainda que como disse o nosso poeta maior Vinícius de Moraes, “a vida é a arte dos encontros ainda que existam tantos desencontros pela vida.”

Pois é, navegando pelo RECANTO DAS LETRAS tive a grata e feliz surpresa de reencontrar um amigo de quem nunca esqueci e de quem guardo inúmeras cartas alegres, cheias de alto astral as quais sempre aguardava com muita ansiedade por fazer-me tão bem lê-las por esta razão é que ainda as guardo já amareladas pelo tempo, mas preservadas com imenso carinho que sempre me mereceram.

Esse amigo hoje é um escritor de vários livros publicados, um jornalista, o que não podia ser diferente uma vez que foi sempre uma pessoa ligada às letras e exatamente por essa afinidade é que no passado nos encontramos apesar de apenas por correspondência o que volta a acontecer, para minha grata surpresa, no RECANTO DAS LETRAS, o que eu considero mais um dos muitos milagres da internet este meio de comunicação que se soubermos usá-lo consegue nos trazer agradáveis momentos como este.

E por falar em internet, surpresa, etc., ainda ontem no FANTÁSTICO, por intermédio dela, uma família que se comunicava e por estarem geograficamente muito distantes, alguns da família numa cidade do Japão e outras aqui no Brasil mais precisamente em São Paulo, através da câmera, durante a conversa, o pessoal no Japão percebeu ladrões na casa e imediatamente se comunicaram com a polícia de São Paulo que por sorte e numa tentativa de não espantar os bandidos permaneceram conversando até que a câmera ligada passou a imagem dos meliantes prendendo a família num lugar onde o pessoal do Japão não mais podia ver, até que em poucos instantes a polícia chegou. Coisas da internet felizmente.

Mas voltando ao assunto amizade, quando no recanto encontrei o amigo a quem me refiro lhe mandei uma mensagem, além de tecer um comentário depois de ler um poema dele e fui dormir, queria ter a absoluta certeza de que estava dirigindo-me a pessoa certa. Qual não foi minha surpresa quando hoje pela manhã encontro uma mensagem sua respondendo a minha e dando-me a certeza de que ele é exatamente o próprio! Fiquei muito feliz e grata ao mundo cibernético por esse reencontro, embora distante, pois ele está fazendo a cobertura da COPA DO MUNDO na África.



Brasília, 14/06/2010