Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

texto

Todas as cartas de amor são ridículas, por força das circunstâncias mais o será esta, onde as circunstancias são vagas vazias, desta onda... vadia. Acaba o dia, nadei, passeei, agora estou cansado. Falta-me fazer um poema de amor como se o mesmo se pudesse encomendar com chantilli na pastelaria, prozac na farmácia, acompanhado a água benta na igreja, dizendo bobagem aqui?



A verdade é esta, para expressar amor

à que sentir

a larva da emoção

a descobrir

um mistério qualquer



A descoberta é esta, para expressar

amor

a fome tem que fazer

o seu caminho



A certeza está, para expressar amor

à deriva

um pouco ao acaso...



A declaração é esta: eu caso

    nesse caso!...



e tem o u de eu

e tem o n e esse... nesse

e tem de reparar como é simétrico...

(o acaso é que nos casa, digo eu?!...)

e... u caso/ n... esse caso



Falta agora dar um nome ao texto, encontrar uma designação que designe a acção... Não é não? Não, claro que não e claro que sim: Não é não. A boa da designação, vou pedir à minha amiga que ma dê... Como amizade não deve ser função do género, qualquer coisa do género..., quem quiser pode dar um título ao texto.
Francisco Coimbra
Enviado por Francisco Coimbra em 19/06/2005
Código do texto: T25994

Comentários

Sobre o autor
Francisco Coimbra
Portugal
788 textos (317365 leituras)
37 áudios (40237 audições)
1 e-livros (159 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/09/21 17:01)
Francisco Coimbra