Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Arthurzinho: corações e mentes

Hoje, as informações que recebemos são tantas que nos é impossível absorvê-las em sua totalidade. Muitas vezes nos surpreendemos com as frases e colocações de nossas crianças: seus vocabulários são bem mais ricos do que os de muita gente à nossa volta. O causo a seguir, é exemplo do repertório e criatividade da garotada do século XXI.
Oito anos. O garoto tinha oito anos e era o capeta em forma de gente. Os pais, naturalmente, transferiam a culpa dos seus mal-feitos para Arthurzinho – seu amiguinho mais constante.
E, mais uma vez, ao buscar Sebastião na escola, sua mãe foi convidada a comparecer à diretoria. Ela subiu as escadas com vergonha: “Ai, meu Deus! Sabazinho, aprontou mais uma...”
A professora relatou a nova presepada da dupla: Sebastião e Arthur tinham colocado rabo de papel em Rodrigo e tocado fogo.
Ao entrar no carro, a mãe encontrou o filhote com o olhar perdido: aquele olhar de culpa, remorso e angústia misturados com vontade de desaparecer para sempre.
Ela, organizando as palavras para a preleção, dirigia muda enquanto ele, abraçado à lancheira, olhava a paisagem que o carro deixava pra trás.
Em casa, o menino sentou-se à mesa quando Adalgiza abriu o rosário:
- Meu filho, assim não é possível... Todo dia a diretora reclama do seu comportamento... Eu já falei que o Artrhurzinho não é boa companhia... Eu já lhe disse que uma ovelha ruim bota o rebanho a perder... Por favor, evite andar com este menino...
“Uma ovelha ruim bota o rebanho a perder...: o quê que ela quis dizer com isso?” – Pensou Sebastião enquanto Adaldiza prosseguia no seu bla-bla-blá. Assim que surgiu uma pausa, o menino olhou nos fundos dos olhos da mãe e contemporizou:
- Mãe, eu tento me consertar..., mas o Arthurzinho é muito mais forte do que eu: ele me invade – e, passando a mão na cabeça -, toma conta desta parte do meu cérebro... e, aí,   eu começo a fazer bobagens...

e-mail: zepinheiro1@ibest.com.br
Aroldo Pinheiro
Enviado por Aroldo Pinheiro em 13/02/2007
Código do texto: T379778

Comentários

Sobre o autor
Aroldo Pinheiro
Boa Vista - Roraima - Brasil, 66 anos
105 textos (14683 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/09/20 01:06)
Aroldo Pinheiro