Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A amante de dom Pedro II

Na época do Brasil império era comum que os monarcas tivessem uma amante – ou várias – mas Luísa Margarida Portugal e Barros viveu uma história especial. Ela ficou 34 anos ininterruptos com o imperador do Brasil dom Pedro II e conseguiu despertar a paixão que ele não sentia nem mesmo pela própria esposa, Teresa Cristina de Bourbon.

Educada e elegante, Luísa tinha uma beleza rara: era magra, vestia-se a moda francesa. A imperatriz, por sua vez, era uma mulher pouco atraente, além de ser levemente claudicante (manca) e 4 anos mais velha que o imperador.

O casamento malsucedido de dom Pedro II contribuiu para que ele se apaixonasse por Luisa.
No século 19, os casamentos eram arranjados, regra a que o imperador não fugiu. A ele foi enviada a pintura de uma morena belíssima em frente a uma paisagem na cidade de Nápoles, na Itália. Ele gostou e aceitou se casar com a moça. Contudo, quando ela chegou, o imperador teve um ataque de choro ao ver uma mulher bem diferente da do retrato. Apesar destes percalços iniciais, o casamento duraria 46 anos.
D. Pedro teria cogitado em pedir a anulação do matrimônio por conta de seus minguados atributos físicos: era baixa, manca e feia. Alguns cronistas relatam que o casamento só teria se consumado um ano depois
Ao contrário do que se apregoa, dom Pedro II não era como o avô, dom João, que corria atrás de qualquer mulher e chegou a ter 50 filhos bastardos. O príncipe, que precocemente virou rei, era tímido. Quando conheceu Luísa, sua vida mudou. Ele passa a ter informações sobre arte, livros, teatro e cultura; Luisa o mantinha informado de tudo que ocorria na Europa.
Luísa também era casada. Ela se casou com o visconde de Barral na França, onde ela vivia desde muito jovem, porque foi enviada pelos pais para estudar. Tinha o título de Condessa de Barral.
No círculo familiar e no palácio a relação dela com o dom Pedro II era conhecida. O romance veio a público no final do século 19, durante a campanha republicana. Começaram a aparecer notícias picantes, charges. Vários republicanos, que eram autores de peças teatrais, começaram a apresentar peças sobre o triângulo amoroso.
D. Pedro II sentia-se atraído por tipos parecidos com o de sua madrasta D. Amélia, ou seja, mulheres intelectualizadas, diferentes de sua esposa, D. Teresa Cristina. Assim ele conheceu a jovem e bela Luísa Margarida de Barros Portugal, amiga e dama de companhia de D. Francisca de Bragança, a princesa de Joinville, irmã de D. Pedro II.

Luisa Margarida passou a residir em uma casa alugada, uma vez que, por ter uma família, não poderia se contentar com um apartamento no Palácio de São Cristóvão; assim tratou logo de estabelecer sua autoridade no palácio, um local em que o poder era muito disputado, e por isso causou a fúria de muitos dos funcionários mais interesseiros.
Era dotada de personalidade exuberante, ar assertivo, inteligência e, ao mesmo tempo, contraditória mentalidade católica, além de beleza física. Possuía cultura sólida e amiga de intelectuais e celebridades da época, como Franz Liszt e o conde de Gobineau. A condessa servia de intermediária entre o imperador e muitos intelectuais.
Com sua fina educação francesa, Luisa Margarida Portugal e Barros, espantava-se com as maneiras toscas de dom Pedro II. Ele tinha as unhas sujas, comia com a faca e cultivava o desagradável hábito de bater nas costas dos interlocutores.
Ela achava que a figura simplória do imperador, sempre com o mesmo jaquetão preto, representava mal o Brasil.
Luisa Margarida, assim, tornou-se amante do imperador, que lhe devotava intensa paixão. Imediatamente criou-se um conflito entre a imperatriz D. Teresa Cristina e ela.
O imperador escreveu uma linda poesia a ela, dizendo que nada iria separá-los. Ele costumava colher flores e deixar na porta do quarto dela. Era um homem apaixonado.
D. Pedro II manteve romances também com outras mulheres, como a condessa de Villeneuve, a madame de La Tour e Eponina Otaviano. As duas primeiras eram amigas pessoais de Luisa e foram apresentadas ao imperador como forma de "entreterem" o amante.
Luisa Margarida faleceu poucos meses antes do imperador.
Ela foi a grande paixão do imperador dom Pedro II.







RONALDO JOSÉ DE ALMEIDA
Enviado por RONALDO JOSÉ DE ALMEIDA em 24/09/2012
Código do texto: T3898201
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
RONALDO JOSÉ DE ALMEIDA
Montes Claros - Minas Gerais - Brasil
393 textos (181798 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/11/18 20:42)
RONALDO JOSÉ DE ALMEIDA