CULTIVAREMOS TEU SORRISO



Aonde será que as bananeiras serão tão lembradas a partir agora com tamanha desenvoltura e espontaneidade? Sabemos que neste mundo cão, onde o preconceito e a discriminação ainda é algo que prossegue manchando o nome do nosso País mundo a fora em todas as modalidades infelizmente...

E quando mais se necessita de um sorriso despretensioso, desinteressado, que permanentemente contagiava a nossa gente, ele simplesmente se apaga de um momento para outro como se num passe de mágica.

Felizmente seu legado é de todos nós e de alguma forma somos privilegiados porque a tecnologia não nos deixa órfãos da sua voz da sua alegria contagiante, porque quando de repente a tristeza nos bater à porta a gente poderá dizer: (Tristeza, por favor, vá embora, nossa alma te implora só pedimos o teu fim...) E é isso, que eu, particularmente direi pra ela relembrando você Jair Rodrigues.

Algumas vezes quando estou mais triste, começo a solfejar seja o que for, quando não tenho vontade de escrever para não contaminar quem por acaso venha a ler o que eu publicar; aí assovio ou solfejo seja o que for, sem me importar com quem esteja por perto, já que faço isso baixinho e penso que você diria assim: (Deixe que digam que pensem, que falem, deixe isso pra lá, vem pra cá o que é que tem? Eu não estou fazendo nada, nem você também...) Pois é, Agora, você foi retomar o caminho do FINO DA BOSSA com a eterna ELIS, juntar-se ao TON ao POETINHA VINÍCIUS  a NARA LEÃO e a tantos outros que já partiram para o outro lado da vida onde hão de prosseguir entoando canções que nos deixaram como você, que nos deixa hoje um legado de canções entremeadas de alegria e desse sorriso que talvez faltasse para contagiar os que já estão contigo aí do outro lado, enquanto nós, ainda aqui neste planeta de expiação e resgate e que chamamos terra, havemos de nos contentar com o legado que cada um nos deixou, até que sejamos convocados também para nos juntarmos aos bons.
Segue em paz JAIR RODRIRUES