Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Amanhã poderá ser tarde...

Por Allan Garrido

Otávio era um homem muito ocupado, mal tinha tempo para almoçar. Empresário bem-sucedido no ramo do aço, dinheiro não era problema. Carlos ou Carlinhos era seu único filho, fruto de um relacionamento com Marta, sua ex-mulher. Carlinhos adorava o seu pai e sempre o convidava para bater uma “bolinha” com ele. Mas, infelizmente quase nunca podia. Em seu lugar mandava o motorista “brincar”.
Num dia, sentindo muito a ausência de Otávio  ele perguntou a sua mãe:
- Mamãe, por que o papai nunca brinca comigo?
- Ele é um homem muito ocupado meu filho!
- Mas será que nem um pouquinho?
- Mesmo esse pouquinho é difícil para ele meu anjo!
- Então está bem... – responde o menino cabisbaixo.
O menino correu para o seu quarto e lá se trancou. Deitado, mexia quietinho nos seus brinquedinhos. De repente começou a se sentir mal, uma espécie de tontura que não o deixava levantar ficar em pé. Quando ele tentou, acabou caindo no chão desmaiado. Mais tarde, sua mãe foi chamá-lo para jantar e disse:
- Carlinhos! A janta está pronta, vamos! Vai esfriar meu filho!
Nada de resposta um silêncio imperava do lado de lá. E ela continua:
- Vamos meu filho, vamos! Carlinhos?
- Para de bobagens, responda para a mamãe!
Marta notara que algo estranho estava acontecendo. O menino nunca fazia isso, nunca deixava sem resposta. Quando ela entrou no quarto dele o viu caído no chão desmaiado. O desespero tomou conta não sabia o que fazer! Chacoalhava, chamava e nada, nada de Carlinhos responder...
- Pelo amor de Deus meu filho fale com a mamãe, volte! Volte!
E o menino nunca mais voltou, desmaiou para não mais acordar. Um aneurisma arrebatou-o para sempre dos braços daquela amada mãe. Quanto sofrimento, quanta dor! Um universo de sentimentos parecia explodir no coração machucado dela. Mas ainda teria que ter forças e ligar para o pai dele:
- Otávio! Otávio!
- Olha se for pra pedir que eu vá jogar bola, ou para ver o Carlinhos pode esquecer não tenho tempo!
- Mas me escute, por favor!
- Não, tenho tempo Marta o que você acha que eu sou? Preciso trabalhar para pagar os teus gastos, a tua pensão! Que, aliás, é bem gorda por sinal.
- Escuteeeeee! Você não precisa se preocupar com mais nada, não precisa mais jogar bola, fazer nadaaaaa!
- Como assim porque está falando isso?
- Teu filho acabou de falecer, seu idiota, será que agora você terá tempo de ir ao velório dele?
Allan Garrido
Enviado por Allan Garrido em 04/11/2014
Reeditado em 22/11/2014
Código do texto: T5023513
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Allan Garrido
Bauru - São Paulo - Brasil, 39 anos
295 textos (11262 leituras)
11 áudios (557 audições)
8 e-livros (300 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/06/19 06:51)
Allan Garrido