Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Naquela manhã cinzenta

Naquela manhã cinzenta me deste um sorriso, e por alguns instantes pude contemplar as cores do paraíso.

Submerso no profundo mar azul dos teus olhos – que também seriam castanhos, ou ainda, tingido de todas as cores do arrebol – permaneci estático, tal qual um busto de bronze exposto às intempéries da ilusão.

Por um fugaz instante experimentei uma paz profunda, quase celestial. E vi passar toda a febre do mundo, como as nuvens de uma tempestade que inesperadamente mudam seu curso.

Num sobressalto, você deu um passo para trás. E mais um. O sorriso contornado pelo batom vermelho se desfez. Virou as costas e partiu, sem adeus. E naquele momento senti-me um tolo, atônito, perdido naquela manhã cinzenta.

* * *

Gurupi, 21 set 2015.
Glauber Ramos
Enviado por Glauber Ramos em 24/09/2015
Código do texto: T5393561
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Glauber Ramos
Gurupi - Tocantins - Brasil, 38 anos
98 textos (3232 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/05/21 22:11)
Glauber Ramos