Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Os povos da natureza


Infelizmente, os nativos habitantes, que residiam na terra abençoada por Deus e bonita por natureza, não tiveram a mesma sorte dos nativos habitantes de Pandora, a terra mítica de "Avatar".

Na terra de "infinitas águas", a inocência ingênua de sua gente não foi páreo para a desfaçatez dos "falsos heróis de carne e osso". Munidos de pouca coragem e de muita covardia, os "cavaleiros do apocalipse", do velho continente, envergando incondicionalmente as bandeiras de morte, destruição e caos, esmagaram, sem compaixão, uma legião de criaturas dóceis e de boa fé que não cometeram pecado algum, senão, pleitearem o justo direito de continuar a viver sob o manto sagrado da liberdade.

Por esta ousadia pagaram um preço muito alto. De milhões foram reduzidos ao longo de cinco séculos a poucos milhares. Viram o seu povo ser exterminado em nome do progresso de poucos. Os povos que vieram ao mundo para glorificar a natureza, respeitá-la, venerá-la, guardá-la e amá-la, foram subjugados e submetidos à catequização por uma corja de famigerados usurpadores de sonhos que vieram ao mundo para destruí-la.

Em nosso planeta Terra prevalece a lei do mais forte, do mais cruel, do mais ardiloso e do mais vil. É a lei da vida, ou melhor dizendo, é a "lei da morte". A terra, que já abrigou quantidades incomensuráveis de ouro e prata, transformou-se em uma gigantesca "serra pelada a céu aberto", um território fantasma, sem vida, sem esperança e sem amor.

Onde estavas tu, Tupã? Quantos mais "bandeirantes matadores de índios" ficarão impunes de seus crimes hediondos? Um dia a mãe natureza vai reclamar o derramamento de sangue de seus queridos e legítimos filhos, gerados nas águas dadivosas de seu próprio ventre.

Muito obrigado povos da natureza por vocês resistirem! Enquanto vocês não se permitirem deixar de viver, vamos continuar apreciando o milagre do sol de cada dia, e renovando as esperanças em um mundo, onde as criaturas puras e angelicais da natureza possam, finalmente, viver em liberdade e em paz.

A nobreza dos homens nus não vem de títulos ou de berço, mas sim dos mistérios ocultos da mata virgem, imaculada, profunda, santa, pura e magnânima.
Big Ben
Enviado por Big Ben em 04/03/2018
Código do texto: T6270528
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Big Ben
São Paulo - São Paulo - Brasil, 61 anos
119 textos (22733 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/11/19 22:50)
Big Ben