Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Preguiçoso


Já era meio dia quando terminou de capinar toda a área do sítio. O suor pingava o peito do pé. O sangue fervia na cabeça e o fazia murmurar. “Quero ver me chamarem de preguiçoso agora!”.

De um gole só toma um copo de água. Pega todo o mato capinado e começa empilhar nos sacos que outrora serviam as farinhas. Duas horas depois, percebe todo sítio capinado e livre dos inúteis matos.

Lava a enxada, guarda-a e segue para a casa de farinha. Descasca toda a mandioca, limpa-a com cuidado e deixa-as prontas para o sacrifício de se tornarem pó. “Me chamem de preguiçoso agora?”, indaga entre murmúrio.

Já são cinco horas da tarde, é hora de por água aos animais, o que tendo feito vibra por um dia tão produtivo, o dia que não dormirá sobre reclamações de seus pais, o dia que deitará e logo dormirá já que não dormiu durante o dia.

Enquanto festeja, tropeça e cai. E percebe que nada passou de um sonho. Acordado, tem a oportunidade de se realizar, mas sem pestanejar volta a roncar.
João Áquila
Enviado por João Áquila em 31/08/2007
Código do texto: T632125
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
João Áquila
Aracaju - Sergipe - Brasil, 34 anos
142 textos (34106 leituras)
1 áudios (113 audições)
1 e-livros (29 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/17 08:31)
João Áquila