Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Imagens No Espelho

Imagens No Espelho
Olhei a minha imagem no espelho e não me reconheci; estranhei o que vi porque, aquela jovem refletida não era eu; nada apresentava de semelhança comigo. Tentei num outro ângulo encontrar a minha imagem real - estava impressionada com o fato de não estar lá do outro lado deste jeito  como sou. Coloquei então o rosto bem pertinho do espelho e fiquei a olhar fixamente dentro dos meus olhos e passados alguns segundos, eis que de forma quase mágica o espelho começou a apresentar imagens em movimento de forma bem cristalina. Era como se eu estivesse assistindo a um filme com cenas que se desfiguravam e, retorcendo-se refaziam novas imagens sempre seqüenciadas - eram muitas as formas de mim mesma que apareciam.
Fechei os olhos e um mundo novo se fez à minha frente. Era um mundo estranho muito diferente do meu.
Indiferente, como se estivesse sendo induzida por uma força invisível, entrei numa espécie de cone formado de inúmeros círculos concêntricos que pareciam girar; era uma forma de "tornado" lento, colorido e luminoso, fluídico, etéreo, profundamente diáfano, com uma plasticidade elástica que se tornava cada vez mais sutil, leve e maravilhoso. Quanto mais eu adentrava e me permitia envolver mais ele se alongava, parecendo não ter um fim.
A princípio eu estava sozinha nesse mundo de formas imprecisas. Lá estava eu e o éter numa simbiose quase perfeita. Foi então que comecei a ser puxada para baixo até sentir os meus pés tocarem num solo macio; mas, ao tentar caminhar, tinha a sensação de que flutuava pois os pés nem pareciam fazer o mais leve contato em coisa alguma. Vislumbrei uma rua de ermo aspecto, muito comprida parecendo ser interminável. O tempo estava sombrio e uma densa névoa encobria a paisagem  que considerei umbralina.
Mais adiante, um pouco distante, constatei uma nuvem semelhante a gigantesco chumaço de algodão, que se estendia do chão e perdia-se na imensidão do espaço. Pensei estar num céu e comecei a imaginar: será que morri e estou a percorrer os caminhos que preciso para poder chegar ao meu destino? Confesso que tive medo e que fiquei muito triste...
Nem bem acomodara os pensamentos e os sentimentos, eis que uma força estranha atraía-me, como se um sugador ou um vendaval me puxasse numa velocidade incrível, para dentro de uma outra nuvem; essa era uma nuvem de uma claridade indescritível . A impressão que eu tive foi que deveria existir um sol muito próximo, embora não o visse; apenas via uma luz muito bonita que não chegava a perturbar a visão; não fazia calor nem frio; uma sensação de paz, de bem estar; um silêncio, uma quietude jamais experimentada antes levou-me a pensar que o tempo havia parado.
Passado o impacto da surpresa, andei por entre nuvens até sair numa espécie de savana, talvez uma pradaria ou um campo nem sei ao certo; sei que se tratava de um ambiente muito bonito, com flores de formas e cores variadas e uma relva fresquinha e verdinha. Os riachos eram estreitos e rasos;  pequenas quedas d'água ladeadas de montanhas e circundadas de árvores completavam a magia e o encanto daquele lugar aonde se podia ouvir o canto de pássaros e a revoada de coloridas borboletas.
Algumas pessoas passavam pela paisagem indiferentes à minha presença, pareciam nem me perceber. Eram pessoas que estavam sempre em pequenos grupos, conversavam e pareciam ocupadas; vestiam roupas simples e quase iguais na tonalidade; penso que tinham destinos específicos mas nada pude comprovar porque atravessei o riacho maior para tentar encontrar  nem sei bem o quê.
Ao chegar do outro lado, lá estava mais uma daquelas nuvens, mais parecendo uma neblina a encobrir um caminho se fez notar, o qual percorri, entrando numa espécie de túnel que me arrastou até o fundo estreito fazendo-me rodopiar e sentir uma vertigem. Nesse momento,perdi a consciência de mim mesma e certamente desmaiei...
Segundos depois acordei; estava meio atordoada, cheia de dúvidas, perplexa com a experiência vivida e, nos primeiros segundos fiquei mesmo sem ter a certeza se estava viva ou já havia morrido.
Dessa experiência inédita, de relevantes aventuras ficou em mim o incentivo para aperfeiçoar as minhas reflexões e buscar através de novas pesquisas e indagações sobre a vida, conhecimentos que me ajudem a melhor compreender os princípios que norteiam os inexplicáveis mistérios que envolvem o viver.
   
      Claudenice Rosário
     Alagoinhas/Bahia/Brasil/ 2007

Claudenice Rosario
Enviado por Claudenice Rosario em 02/09/2007
Código do texto: T635418
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Claudenice Rosario
Alagoinhas - Bahia - Brasil
54 textos (4457 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/17 02:52)