Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Santa Vai de Carro
 
O clima era para ser festivo, mas mesmo assim havia um quê fúnebre. Assim como toda quermesse típica daquela religiosidade. E é esta religiosidade que marca o imaginário citadino da municipalidade desde o Império. O atavismo se fez pelo barroco e os templos, rococó, denotando já a decadência do ouro.
 
O calendário civil seguia à risca o litúrgico. O ano começava sim depois do carnaval. Era quaresma: época da mula-sem-cabeça, outrora moçoilas que tentaram a concupiscência dos capuchinhos ou seminaristas, e tantas outras coisas do folclore e lendas da região. Vinha a “Semana Santa” e o jubileu de S. José Operário, que começava em 21 de abril trazendo a imagem de Tiradentes, o herói do estado em retrato sacrossanto pintado pela República à moda de Cristo. Seguia tantos outros feriados santos que fazia o povo e o estudante indolente.
 
Estas festas eram marcadas pelo frio e as matracas, matriarcas e maritacas da vida alheia nas procissões festivas fúnebres cheirando a incensos fedorentos. Um pouco de alegria  era visto só por ocasião das festas  natalinas e no maior feriado do município: o dia de sua padroeira.
 
E por mais festivo estas festas comemorativas fossem, além do cheiro do incenso, trazia o odor fúnebre de velas derretendo a luz melancólica de seu fogo.

Era a pedagogia religiosa do medo lembrando o medievalismo.

Naquele distante ano de 1981 foi o último que se presenciou seguindo este ritual do quinze de setembro regido por este clima ameaçador. A década de 80 traria todo um questionamento mudando costumes e hábitos. A cidade foi tomada pelos evangélicos, coreanos, e toda sorte de mudança que alteraria a estrutura e superestrutura da coletividade. O fim da Guerra Fria levou o pós-moderno à antiga Província “Mui Nobre e Leal”. Ela não foi tão mais fiel assim ao Império e aos seus Padres responsáveis pelo conservadorismo. Até o Tiradentes republicano perdeu a barba nos brasões de sua polícia: agora é retratado como um rapaz imberbe e não como mais um hippie revolucionário.
 
E a Santa Padroeira não vai mais sendo arrastada no andor levada nas costas dos fiéis ao som de ladainhas e lamentos. Agora ela vai  num utilitário enfeitado por balões azuis e brancos atravancando o trânsito de trabalhadores e estudantes que querem chegar aos seus destinos. As matracas cederam lugar aos buzinaços dos carros. As matriarcas beatas com seus véus cederam lugar às  velhas senhoras com bíblias nas mãos. Só não mudou as línguas das maritacas que não cansam de bisbilhotar a vida alheia através das  fotos das redes sociais  e hipócritas e falsos comentários nas fotos: Linda!
 
 
Leonardo Lisbôa
Barbacena, 14/09/2018
Direitos do texto e foto
reservados e protegidos segundo
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998.
 
 
 
Gosta de Poesias e Crônicas?
Então curta a página POETAR:
https://www.facebook.com/PoetarPoesiaArte
 
 
_ POETAR_
https://www.facebook.com/PoetarPoesiaArte/
http://www.leonardolisboa.recantodasletras.com.br/
#poetarfacebook      #leonardolisboarecantodasletras
 
 
 
ESCREVA PARA O AUTOR:     
conversandocomoautor@gmail.com
 
Leonardo Lisbôa
Enviado por Leonardo Lisbôa em 14/09/2018
Reeditado em 14/09/2018
Código do texto: T6448620
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Leonardo Lisbôa
Barbacena - Minas Gerais - Brasil, 59 anos
1718 textos (37275 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/11/18 12:34)
Leonardo Lisbôa

Site do Escritor