Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RELEMBRANDO 11-09-02

 
O dia onze de Setembro amanhecia aparentemente em paz.
 Na grande capital estadunidense, o dia começava alegre, cheio de vida.

 Numa lanchonete uma família tomava o café da manhã.
 Patrick, de quatro anos, insiste:
 - Eu quero um sorvete!
 - Não é hora de sorvete! Tome seu suco que depois do almoço você tomará  sorvete.
- Mas eu quero o sorvete agora!
- Mas não pode e acabou!

 Mary está numa pracinha tranqüila com o seu bebê.
 O garoto dá os seus primeiros passinhos e ela exclama:
- Que lindo! Vamos contar para o Papai que você já é um homenzinho. Já sabe até andar!

 Numa escola, os garotos estão tendo uma aborrecida aula de geografia.
John não está nem um pouco interessado em saber onde ficam os meridianos e paralelos e faz cócegas com o lápis na nuca da garota que está na frente, fazendo-a rir, virar pra trás e ignorar a aula.
O professor chama a atenção de John e, quando se volta para escrever no quadro negro, o garoto faz uma bolinha de papel e atira na sua costa...
.
Willian e Sandy tiveram logo cedo uma discussão porque ele queria comprar um barco de pesca, ela queria reformar a casa e o dinheiro que tinham não dava para as duas coisas.
Ele acabou zangando-se e saiu puxando, com toda força, a porta atrás de si...

Gregory e Anne haviam brigado na véspera. Anne pensou que o namoro não teria volta, mas, logo de manhã, um mensageiro tocou à sua porta com um lindo buquê de flores e o pedido de desculpas de Gregory...

Mas, Anne não ouviu a campainha soar, nem Sandy, a porta bater...
Não haveria uma reconciliação... nem um barco... nem uma casa reformada...
De repente, não importava mais se John estava aprendendo geografia ou não...
A bolinha de papel não chegou a seu destino... a última travessura de John não se consumou...
O Papai nunca saberia que seu baby já sabia andar... nem Patrick tomaria o seu sorvete depois do almoço...

 De repente tudo mudou, valores, sonhos, desejos, obrigações, promessas, mágoas, tudo se tornou pequeno diante da monstruosidade do que aconteceu.

A cidade se cobriu de cinzas, de pó, de lágrimas... e o 11 de Setembro ficou marcado para sempre com o estigma da violência, do luto, da saudade e da dor.

Maith
Enviado por Maith em 10/09/2007
Código do texto: T646443
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maith
Sorocaba - São Paulo - Brasil
744 textos (91751 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 22:03)
Maith