Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

V I A J A N D O - Goiânia, em 13/09/2007


Evaldo da Veiga

Na vida, momentos pesados gosto de nada, 
imagens distorcidas, grotescas, projetadas 
pela depravação política, onde criminosos 
tem imunidade parlamentar.
Mas a vida também tem um lado lindo, doce, 
momento de expectativa sublime...

Estou no Aeroporto do Galeão (Antonio Carlos Jobim), 
são 07h52min e o meu vôo está previsto para as 9:00 h, 
vou para Goiana com escala em Brasília 
(quartel general da bandida maior). 
Não há sintoma de atraso; ainda bem. 
porque o Guilherme me espera.
Caroline,  mãe do Guilherme, é minha filha 
e já avisou ao Guilherme da minha chegada. 
Tanto já avisou; que ela me disse por e-mail: 
- pai. eu e o Guilherme estamos ansiosos com a tua chegada.
Guilherme completará quatro meses no próximo dia 22, 
mas é lógico que ele já entende o amor do vovô.
 Meus pensamentos viajam a mil, velocidade 
bem maior do que vôo objetivo do avião.
Quero escrever um recado para o Guilherme, 
mas os meus papéis de anotações estão na mala 
e eu já fiz o Chek-in. 
Busco um papel e caminho rente a uma fita que divide as mesas de um Restaurante da via de passagem. 
Dezenas, centenas de guardanapos e somente um já me bastava. Penso eu pegar um, mas não estou consumindo, 
não é ético. Disfarço e olho os garçons, caixas, funcionário, 
parece que todos me observam, embora eu sinta também 
que nem notam minha presença. Basta estender o braço, 
um leve toque, e já é meu um guardanapo. 
Sinto acanhamento, uma espécie de receio, uma absoluta incapacidade para o furto. Passo mais vezes pelas mesas,
vou e volto e lembro dos políticos brasileiros 
roubando o povo em tempo integral. 
Um lado em mim sente-se covarde e inoperante, 
afinal o Restaurante é classe “A”, coisa de Rico, os preços no cardápio altíssimos, serviço “ La Carte”, 
um guardanapo não lhe faz falta...
Vou, não vou, pratico o ato ou não. Deixo a covardia vencer? Respiro fundo, pego um guardanapo e fujo em passos rápidos. Desço para o andar de embarque e busco um banco. 
Que preciosidade aquele guardanapo de papel 
que não custa nem um centavo. Sentado, pego a caneta, e dou escape a minha emoção escrevendo um bilhete para o meu amorzão: GUILHERME, VOVÔ TE AMA, MUITO.
Um pouco depois, vovô chega e nos falamos “ao vivo”, 
e vamos nos entender perfeitamente, 
em nossa linguagem do amor.
Beijos, Vovô.

Imagem: foto do Guilerme no dia em que nasceu.

evaldodaveiga@yahoo.com.br

Aeroporto do Galeão, 13 de Setembro de 2007.
Publicado em Goiânia no mesmo dia,  às 16:25 h.
Evaldo da Veiga
Enviado por Evaldo da Veiga em 13/09/2007
Reeditado em 18/09/2007
Código do texto: T650968

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Evaldo da Veiga
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 74 anos
952 textos (314295 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/17 02:30)
Evaldo da Veiga