Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SOBRESSALTOS

Eu até tento, mas não consigo dormir a noite toda. E olha que eu tomo remédio sempre, antes de me deitar. Não adianta. No meio da madrugada, acordo sobressaltado e lá fico eu com os olhos vidrados. Fico insistindo em recuperar o sono, mas o meu ouvido busca por todos os sons que estão lá fora, algures. Outra coisa que faço é ficar pensando… Às vezes, desisto da cama, levanto-me e vou fazer outra coisa – ler, assistir à TV, lavar a louça do jantar que ficou na pia. Tudo isso na tentativa de não pensar em nada e recuperar o sono. Nem sempre dá certo.
Esta noite, como sempre, perdi o sono e estou pensando no porquê das coisas que acontecem comigo. Há muito que estou buscando respostas. Isso tem a ver com uma situação que eu gosto por demais e que chamam de “zona de conforto”. Tudo no seu lugar, acontecimentos e pessoas. Garantia de que eu não terei nenhum tipo de aborrecimento. Garantia de que meus dias serão normais, sem sobressaltos ou eventos que me tirem a paz.
Daí fiquei pensando em sentimentos. Desses que nos tiram o chão, que nos fazem ficar inquietos. Sentimentos que mexem com a gente de tal forma que, por mais que não queiramos, modificam-nos por completo. Ou porque correspondidos ou, senão, porque tirou-nos a solidão, mas não vingou. O sentimento foi-se desvanecendo, à medida que fomos convivendo com ele. Às vezes, por nossa causa, às vezes, por causa do outro.
Pensar em sentimentos me levou a pensar em você. Por que você ainda está em mim? Que coisa é essa que me dá e não me deixa me afastar de ti. Não me deixa bloquear seu número do celular. Não me deixa parar de pensar em ti e de  querer ficar contigo. Sentimento que me leva a fazer planos, sem a certeza de que você, de fato, deseja o mesmo que eu.
Queria mesmo era perder o interesse por ti. Daí voltaria a minha “zona de conforto”. Eu estava tão bem lá. Não consigo achar graça em passar o dia esperando por uma mensagem sua e não apenas por uma resposta à minha. Fico agoniado quando me pego imaginando como será nosso encontro. Fico parado esperando pelo dia em que você vai ligar e dizer que está chegando.
Fico aqui pensando também no porquê de você não se afastar de mim. Por que você me responde? Por que, às vezes, você me liga ou por que você responde sempre idem às minhas mensagens? De que é que você tem medo? De mim, de nós ou daquilo que podemos ter ou ser? Para. Decide logo o que você quer. Tira-me da sua vida ou então vem e fica. Fica e enfrenta o que há de vir.
O despertador tocou. Preciso me levantar e enfrentar meu dia.




 


Peluro
Enviado por Peluro em 06/12/2018
Código do texto: T6520543
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Peluro
Sorocaba - São Paulo - Brasil, 55 anos
18 textos (347 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/18 00:39)
Peluro