Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nosso lado escuro

Nosso lado escuro

 
Sempre que ocorrem crimes absurdos ou julgamentos escandalosos no seio de nossa sociedade, imediatamente surgem aqueles que defendem a pena de morte como solução final para crimes contra a pessoa humana. Trazem na ponta da língua os exemplos de países que a adotam, como é o caso da China, onde o nosso Juiz Lalau, pagaria com o próprio pescoço a sua roubalheira desenfreada.
Por princípio, sou contra este procedimento, adotado como a Lei do Talião na época que Moisés e o povo hebreu peregrinavam pelo deserto, no seu períplo atrás da Terra Prometida e muito tempo depois. Alguns acontecimentos do nosso cotidiano nos fazem tremer, neste dispositivo sem retrocesso. O mais famoso deles, aqui no Brasil, tornou-se um filme, de Luís Sérgio Person e chama-se “O Caso dos Irmãos Naves”. Qual o caso que relata? Um situação emblemática que demonstra que a investigação isenta não vem a ser o forte da combalida polícia brasileira, sem equipamento adequado, sem salários dignos e a mercê de determinados grupos. Com muita violência, irmãos são forçados a declarar-se culpados de crimes que nunca cometeram, aqui na nossa Minas Gerais.
Muitos que defendem o procedimento extremo baseiam-se, teoricamente, nos bons resultados alcançados nos Estados Unidos. Mas, será verdade? Sabemos agora que os americanos estão revendo sua opinião sobre a pena de morte. O apoio público à prática da punição caiu nos Estados Unidos após a condenação de vários réus ter sido revertida e depois da suspensão de execuções no Estado de Illinois. Hoje, 64% disseram apoiar a pena de morte. No ano passado, ocorria um apoio de 71% à pena capital. Em 1997, o apoio era de 75%. Por quê isso ocorreu? O debate recente sobre a qualidade da Justiça em casos de crimes de morte, a reforma de várias condenações como resultado de exames de DNA e a suspensão das execuções em Illinois tiveram claramente um impacto sobre a postura das pessoas em relação à pena de morte.
Os norte-americanos, que executaram seus condenados de todas formas possíveis, da forca a cadeira elétrica, passando pela injeção de gás letal, nos trazem agora a revelação de que 94% das pessoas entrevistados acreditam que pessoas inocentes tenham sido condenadas por assassinato, o que vem ser praticamente a unanimidade do povo americano.
Os números também revelaram um crescente ceticismo em relação à pena de morte como um elemento de contenção da criminalidade; conforme pesquisa divulgada pela Agência Reuters.
Esta é uma questão polêmica e recorrente, que vai durar ainda muitos anos. A nós, que vivemos em uma sociedade em desenvolvimento, só nos resta lembrar Mark Twain, escritor norte-americano que disse: “Nós somos todos como a Lua: nunca mostramos a ninguém o nosso lado escuro.”

 
Pedro Coimbra
Enviado por Pedro Coimbra em 15/09/2007
Código do texto: T653362

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pedro Coimbra
Lavras - Minas Gerais - Brasil, 68 anos
18 textos (1297 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/17 04:05)
Pedro Coimbra