Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O CANGAÇO E A VIDA EM VERSOS

O CANGAÇO E A VIDA EM VERSOS

*Rangel Alves da Costa


As canções do cangaço são muito conhecidas atualmente. Quando o fenômeno cangaceiro passou a ser visto mais pela vertente histórica e sociológica, e não apenas como banditismo explicado na violência, então o estudioso passou a compreender que aqueles homens das caatingas eram também humanizados, festeiros, poetas e cantadores.
Mesmo no desvão da luta, entre as fugas, vinditas e embates sangrentos, ainda assim o cangaceiro encontrava tempo, geralmente nas noites cansadas debaixo da lua grande, para cantarolar sua saudade e assuntar versos sobre o seu mundo ou sobre os amores nas distâncias ou mais além. Dessa verve poética, surgiram trovas, estrofes, canções, melodias que até hoje encantam e instigam a todos.
Quem não se recorda de versos dizendo: “Acorda Maria Bonita, acorda, vai fazer o café, que o dia já vai raiando e a polícia já está em pé...”. Ou a beleza de mais adiante: “Se eu soubesse que chorando, empato a sua viagem, meus olhos eram dois rios que não lhe davam passagem...”.
O cangaceiro Volta Seca é tido como autor de versos sublimes, como os acima, e outros de verdadeira plangência: “Eu não pensei que um dia tão criança, na flor da infância padecer assim, ainda te vejo em braços de outro, arrependida chorando por mim. Ela chegou bem juntinho a mim, ela pediu meu coração eu dei, meu peito ao dia em nosso amor queimava, banhado em lágrima em teus pés jurei...”.
E a tão conhecida Mulher Rendeira?: “Olê mulé rendera, olé mulé rendá, e a pequena vai no bolso e maior vai no borná. Se chorar por mim não fica, só seu eu não pude levar. O fuzil de Lampião tem cinco laços de fita, no lugar que ele habita não falta moça bonita...”.
Pois bem. O cancioneiro do cangaço é hoje reconhecido e admirado pela sua força poética, como demonstração de que o cangaceiro também tinha instantes onde os sentimentos alcançavam outros mundos que não somente aqueles da refrega odienta. A prova de um sentimentalismo que estava acima daquele modo de viver tão medonho, tão violento e assustador.
Mesmo distante de tudo, talvez moderna verve poética imaginasse um cancioneiro assim:

Das mocinhas do cangaço
com flores em cada feição
em cada uma a fita e laço
de apaixonar cangaço e sertão

moça bela e flor do mato
a beleza em vida tão enfeada
em cada uma o doce retrato
do amor em espinhenta estrada.

Ou ainda, debaixo da lua grande daqueles tempos atravessados, sentar numa pedra para declamar a tristeza e a alegria da vida:

Não sei se destino ou sina
um dia da família apartar
por um caminho traquina
em meio ao viver ou matar

ponta de punhal no olhar
bala faminta na cartucheira
o cano feroz querendo soprar
sem lua debaixo da cumeeira

no tufo do mato o inimigo
mais um lutar cangaceiro
vencer toda bala e perigo
no mundo ser assim justiceiro.

É como se lá no coito, debaixo da pedra grande ou nos escondidos da mata, em meio à escuridão ou de passeio de vaga-lume, o cangaceiro soltasse a voz bem baixinho, mas gritando no coração, seu verso de vida e destino, como se coubesse poesia num passo de aflição.
A humanização no coração. O sentimento aflorado aonde se imaginava apenas ódio e rancor. Mas havia tempo pra tudo. Tempo de guerra e de embate, mas tempo de poesia e de amor. E assim, mesmo na ponta afiada do espinho afoito, mesmo por riba da ponta de pedra, o encontro com a sensação de que o cangaceiro era gente.
E gente ecoando o sublime e a afeição: “Se eu soubesse que chorando, empato a sua viagem, meus olhos eram dois rios que não lhe davam passagem...”.


Escritor
blograngel-sertao.blogspot.com
Rangel Alves da Costa
Enviado por Rangel Alves da Costa em 11/09/2019
Código do texto: T6742982
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rangel Alves da Costa
Aracaju - Sergipe - Brasil, 56 anos
10126 textos (290128 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/19 17:12)
Rangel Alves da Costa